F1: Insatisfeitos com relação Haas-Ferrari, equipes pedem 'reforma' nos acordos de compartilhamento de tecnologia

Após início forte da equipe americana em 2022, alguns rivais questionaram se ela se beneficiou de seus laços estreitos com a Scuderia

F1: Insatisfeitos com relação Haas-Ferrari, equipes pedem 'reforma' nos acordos de compartilhamento de tecnologia
Carregar reprodutor de áudio

A FIA e os chefes da Fórmula 1 foram solicitados a repensar como as equipes trabalham juntas, em meio ao desconforto de alguns dos rivais da Haas sobre seu relacionamento próximo com a Ferrari.

Após um início impressionantemente forte da Haas na temporada de 2022, alguns de seus concorrentes questionaram se ela se beneficiou de seus laços estreitos com a Scuderia.

Leia também:

A equipe americana comprou abertamente o maior número possível de peças da Ferrari no passado, e este ano criou laços cada vez mais estreitos através da implementação de um hub de Maranello e da adição de vários ex-funcionários do time italiano.

Isso gerou temores de que a Haas pudesse estar ganhando com o conhecimento compartilhado, algo que as equipes que trabalham em completo isolamento não podem obter.

A FIA está totalmente satisfeita, no entanto, no que diz respeito à parceria Haas/Ferrari, mas isso não impediu que alguns pedissem que os regulamentos fossem mais rígidos no futuro.

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, disse: “Acho que precisa de reforma, porque queremos evitar esse tipo de discussão que temos agora e a polêmica nos últimos dias ou nas últimas semanas. Todo mundo merece ter um bom desempenho, e as pessoas devem receber crédito quando fazem um bom trabalho."

“Mas algumas das trocas de emprego ou de entidade nas mesmas premissas estão apenas criando argumentos que não são necessários para o esporte. Então, definitivamente para nós, temos a Aston Martin no túnel de vento que tínhamos há dois anos. Nós os tratamos com a maior diligência."

“Mas daqui para frente, se precisarmos comprometer nossa capacidade de renda, precisamos fazer isso, porque nenhuma das equipes deve ser capaz de cooperar da maneira que estamos vendo hoje."

O chefe da McLaren, Andreas Seidl, acredita que a F1 deve ser dura no assunto e interromper qualquer forma de cooperação entre as equipes.

“Está claro para nós que a F1 deve ser um campeonato de 10 construtores, ou 11 ou 12, o que significa que não deve haver transferência de qualquer IP relacionada ao desempenho principal. O máximo que deve ser permitido compartilhar são as unidades de potência e os componentes internos da caixa de câmbio. É isso, não deve haver compartilhamento de nenhuma infraestrutura e assim por diante", disse Seidl.

“A transferência de IP está acontecendo no lado do carro e sabemos também que é difícil da FIA policiar. E se algo não for possível policiar, você precisa proibir."

“Isso por dois motivos: porque torna as equipes B excessivamente competitivas em comparação com equipes como nós e, ao mesmo tempo, as equipes A também se beneficiam disso, o que é ainda mais preocupante para nós."

“Esperamos com todo o diálogo que está acontecendo também com a F1, com a FIA e também entre várias equipes, que finalmente vejamos alguma ação nos próximos anos para corrigir essa situação.”

Nem todas as equipes concordam que as coisas precisam mudar. O chefe da Alfa Romeo, Fred Vasseur, sentiu que as regras em vigor eram suficientemente eficazes.

“Não tenho certeza se temos que mudar o regulamento, é exatamente a mesma história do lado financeiro – que temos que aplicar as regras”, disse ele. “E as regras são rígidas o suficiente para tornar isso justo. E se você seguir a regra, tudo bem."

“É por isso que acho que estamos confiando na FIA, porque eles têm que fazer o trabalho do regulador e estão fazendo isso. E para mim, está tudo bem assim.”

O chefe da Alpine, Otmar Szafnauer, disse: “Eu tendo a concordar com Fred, em um mundo ideal, as regras são bem claras. A dificuldade é o policiamento."

“Então, se o policiamento das regras é impossível, então acho que devemos mudar as regras que podem ser policiadas de modo que o campo seja equilibrado. Então, acho que há mais discussão a ser feita com a FIA e talvez um pouco de reforma nas regras para que possam ser policiadas."

Mas o chefe da Haas, Gunther Steiner, ignorou o que as equipes rivais pensam e disse que tudo o que importa é que a FIA está satisfeita com o relacionamento de sua equipe com a Ferrari.

Questionado sobre as sugestões de Seidl de que as parcerias com as escuderias sejam restritas apenas a caixa de câmbio e motor, Steiner disse: “Sim, Andreas não dirige a FIA, felizmente. Então ele pode sugerir, mas existe uma governança que vai definir isso."

“Às vezes, há coisas nas regras que, se não funcionarem para você, você não pode mudar."

“A Mercedes estava vencendo o campeonato mundial oito anos seguidos, eles tinham um motor muito forte e bom para eles, eles fizeram um bom trabalho. Mas ninguém disse 'oh, agora precisamos mudar a regra do motor, porque a Mercedes está ganhando tudo'."

“Existe uma governança. E se certas pessoas pensam que podem mudar tudo apenas falando, não acho que isso vá acontecer", concluiu.

VÍDEO: O assoalho é a parte mais importante do carro de 2022 da Fórmula 1?

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #175 - TELEMETRIA: Quem pode parar a Ferrari em Ímola? Rico Penteado responde

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Red Bull diz que Honda resolveu problema que levou ao abandono de Verstappen na Austrália
Artigo anterior

F1: Red Bull diz que Honda resolveu problema que levou ao abandono de Verstappen na Austrália

Próximo artigo

F1 - "Nunca vi algo assim na vida": Wolff fica impressionado com porpoising severo da Mercedes em Ímola

F1 - "Nunca vi algo assim na vida": Wolff fica impressionado com porpoising severo da Mercedes em Ímola