F1: Renault diz que quer equipes parceiras no lugar de clientes na F1 e coloca novo acordo com Red Bull como improvável

Cyril Abiteboul, chefe da equipe de F1, deixou claro que uma reedição da parceria com a Red Bull é muito improvável

F1: Renault diz que quer equipes parceiras no lugar de clientes na F1 e coloca novo acordo com Red Bull como improvável

A partir de 2021, a Renault fornecerá motores apenas para sua equipe da Fórmula 1, que passará a se chamar Alpine. A McLaren, que tinha um acordo com a montadora, optou por reeditar a parceria com a Mercedes. E olhando para o futuro, a Renault deixou claro que não quer apenas uma equipe cliente na F1, e sim uma parceira para ajudar a desenvolver o motor.

O chefe da Renault na F1, Cyril Abiteboul, disse estar feliz com o fato da Renault poder focar em si própria por enquanto mas afirmou que, se houver a oportunidade de alinhar uma nova parceria no futuro, isso o deixaria muito feliz.

Leia também:

"Tem que ser mais uma equipe parceira do que uma cliente. Uma cliente não te traz nada. Um parceiro pode agregar, te ajudar a atingir um objetivo no âmbito esportivo ou do negócio".

"Sabemos que a transação financeira é regulada de qualquer modo, então estaremos olhando principalmente de uma perspectiva técnica e esportiva".

Com o futuro da Honda na F1 a longo prazo como dúvida, com a montadora japonesa comprometida apenas até o fim de 2021, não é impossível que a Red Bull possa necessitar de uma fornecedora a longo prazo.

Mas Abiteboul disse que a perspectiva de uma renovação com a Red Bull é improvável, com as duas partes tendo um relacionamento difícil no passado.

"A Red Bull virou uma equipe oficial da Honda. Acho que a primeira coisa é a Honda decidir se segue. Já estivemos nesse ponto com a Red Bull e não funcionou".

No final de semana, Abiteboul disse que a Red Bull perdeu uma oportunidade por não ter uma parceira de motores, algo que, segundo ele, poderia ter sido feito com a Renault no passado.

"Eu fui perguntado porque a Red Bull tem as dificuldades atuais, e a minha opinião, uma das razões, é que eles já haviam rejeitado essa possibilidade de uma integração maior".

"Nós progredimos entre Viry e Enstone. Temos um comprometimento a longo prazo no esporte e agora que garantimos o futuro podemos pensar no que queremos em uma perspectiva de parceiros ou clientes".

"Se houver uma oportunidade de parceria forte vamos buscar. Mas duvido que seja com a Red Bull".

F1: Saiba quem é o novo chefe da Williams após saída de Claire e veja quem comanda os outros times

Podcast #066: Vitória de Gasly prova que F1 é ambiente ‘onde os fracos não têm vez’?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Wolff diz que oito anos à frente da Mercedes "começam a pesar" e dá pistas sobre futuro

Artigo anterior

F1: Wolff diz que oito anos à frente da Mercedes "começam a pesar" e dá pistas sobre futuro

Próximo artigo

Racing Point muda discurso e fecha portas para Vettel: "Não há mais nada para confirmar"

Racing Point muda discurso e fecha portas para Vettel: "Não há mais nada para confirmar"
Carregar comentários