Fórmula 1 GP do Catar

F1: Stroll justifica "temporada difícil": problemas de confiabilidade e circunstâncias infelizes

Quarto lugar foi o melhor resultado do canadense em 2023

Lance Stroll, Aston Martin F1 Team

Em uma temporada em que a Aston Martin produziu um carro digno de subir ao pódio na Fórmula 1, o melhor resultado de Lance Stroll foi um quarto lugar, obtido no GP da Austrália.

Esse é um ano que tem se caracterizado mais pelas suas dificuldades, já que o Catar foi eliminado pela quarta vez consecutiva do Q1.

Leia também:

Embora Stroll tenha dito na sexta-feira que não sabia por que estava lutando tanto no momento, um entendimento mais profundo na temporada aponta para uma combinação de circunstâncias que trabalharam contra ele, algumas das quais estão fora de seu controle, enquanto outras não.

"Tem sido uma temporada difícil desde as primeiras corridas", disse Stroll.

"Tem sido difícil."

"Aconteceram muitas coisas - problemas de confiabilidade e circunstâncias infelizes. E também a velocidade, às vezes, não tem sido muito boa."

Questionado se haviam elementos que eram de sua responsabilidade, ele disse: "Definitivamente, há coisas que estão sob meu controle também. Sinto que há coisas em que posso trabalhar e melhorar para ser mais rápido."

"Mas também houve uma grande quantidade de circunstâncias infelizes ao longo do ano."

"Desde a Arábia Saudita, onde eu estava na quarta posição, até um problema no motor. Desde um bom fim de semana na Áustria até uma parada nos boxes exatamente na hora do safety car virtual."

"No Canadá, colocar os pneus errados na classificação. Em vez de um jogo novo, colocamos acidentalmente um jogo antigo de intermediários, o que fez uma enorme diferença nos resultados finais."

"Então, várias coisas como essa... coisas que acontecem e perdemos oportunidades de marcar pontos importantes. Às vezes é assim."

"Mas definitivamente há coisas que eu posso melhorar e coisas que podemos melhorar como um grupo para sermos mais fortes."

Um aspecto que parece ser cada vez mais óbvio é que Stroll não parece tão confortável com a forma como a direção de ajustes do carro ARM23 mudou ao longo da temporada.

Lance Stroll, Aston Martin AMR23

Lance Stroll, Aston Martin AMR23

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Ao assistir às filmagens a bordo do monoposto em ação, fica claro que ele se tornou muito sensível, o que se manifesta em uma traseira mais solta do que Stroll gostaria de lidar. Isso é algo que o estilo de direção de Fernando Alonso consegue administrar bem.

Essa mudança de característica talvez possa explicar por que as dificuldades de Stroll aumentaram à medida que a própria Aston Martin perdeu terreno para os rivais.

Questionado se havia características do carro que não lhe agradavam agora, Stroll disse: "Sim, há coisas, com certeza. Sempre há coisas em todo carro, mas acho que quando o carro estava bom este ano, eu estava muito feliz com ele. Só que, recentemente, ele tem sido um pouco mais desafiador."

Stroll acredita que, além da direção da atualização não ter proporcionado desempenho suficiente, também mudou a sensação do carro, fazendo com que ele se sentisse menos confortável do que antes.

"Acho que tomamos algumas direções com a filosofia de fazer atualizações aerodinâmicas que, na minha opinião, não nos fizeram dar o passo à frente que esperávamos", disse ele.

"Então, estamos tentando entender isso e trazer algumas coisas para o carro na temporada para corrigir e ajudar a característica que tínhamos no início da temporada, em que o carro era mais previsível, mais fácil de pilotar e mais tolerante. Acho que perdemos um pouco disso."

"Trata-se apenas de entender o motivo. Em teoria, você quer fazer o carro andar mais rápido, acho que podemos ter aumentado o downforce, mas tornamos o carro mais difícil de guiar."

Lance Stroll, Aston Martin AMR23

Lance Stroll, Aston Martin AMR23

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

"Portanto, acho que o grande objetivo agora é voltar àquele lugar do início do ano, onde eu sentia que o carro era mais fácil de guiar e se comportava melhor."

Além dos problemas de Stroll, há também o fato de que duas mudanças de pneus para este ano - novos dianteiros mais fortes desde o início da campanha e traseiros diferentes a partir do GP da Inglaterra - afastaram ainda mais os carros de um equilíbrio.

"O pneu de Silverstone ficou mais rígido na traseira, o que fez com que tudo ficasse mais inclinado", acrescentou Stroll. 

Mas, embora Stroll esteja sem palavras no momento sobre como as coisas estão, ele falou sobre alguns progressos que virão nas próximas semanas - o que talvez seja uma luz no fim do túnel.

"Temos algumas coisas em andamento e temos algumas ideias para isso. Nos próximos finais de semana, teremos algumas coisas para tentar ajudar", concluiu.

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #250 – Andretti é aprovada pela FIA para F1. E agora?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Piastri lidera 1-2 da McLaren em quali da corrida sprint; Verstappen é 3º
Próximo artigo Pirelli mantém fornecimento de pneus da F1 até 2028, mas revela que contrato será o último

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil