Fundo Soberano do Bahrein conclui compra da McLaren

Grupo já tem envolvimento com o grupo britânico há quase 20 anos, mas ligação foi criticada recentemente

Le McLaren Technology Centre de Woking

GP Racing

O Fundo Soberano do Bahrein concluiu a aquisição total do Grupo McLaren, que é acionista majoritária da equipe de Fórmula 1 da marca britânica.

Em dezembro, os acionistas da McLaren aprovaram de forma unânime uma recapitalização total negócio, aparentemente para permitir um processo de governança "simplificado" e "agilizado". Porém, as finanças da marca estavam sob escrutínio há um longo tempo.

Leia também:

Durante a pandemia da Covid-19, a McLaren contraiu um empréstimo de quase R$ 1 bilhão com o Banco Nacional do Bahrein, vendeu uma participação na sua equipe de F1, fechou um acordo de arrendamento para a sua renomada fábrica do Centro de Tecnologia em Woking e cortou 1.000 empregos.

Juntamente com os atrasos no seu novo supercarro híbrido, o Artura, houve relatos de que a Audi – que na altura estava avaliando melhor forma de entrar na F1 – estava considerando um grande investimento na McLaren.

Mas o Grupo McLaren anunciou agora que o investidor de longo prazo, o Bahrain Mumtalakat Holding Company,  fundo soberano do Bahrein, assumiu a propriedade total do capital social “após a conversão de todas as ações preferenciais em ações ordinárias”.

Paul Walsh, presidente executivo do Grupo McLaren, disse: “Estamos muito satisfeitos com o compromisso contínuo de Mumtalakat com a McLaren através deste acordo, que fortalece nossa estrutura de propriedade e governança.

“Isto nos permitirá ainda concentrar-nos na concretização do nosso plano de negócios a longo prazo, incluindo o investimento em novos produtos e tecnologias, ao mesmo tempo que continuamos a explorar potenciais parcerias técnicas com parceiros da indústria.”

Lando Norris, McLaren MCL38

Lando Norris, McLaren MCL38

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Mumtalakat é parceiro da McLaren desde a compra, em 2007, de uma participação de 30% do ex-presidente Ron Dennis e do falecido Mansour Ojjeh.

Após a venda inicial de 185 milhões de libras em ações da equipe de F1 para a empresa de investimentos americana MSP Sports Capital, o Grupo McLaren mantém uma participação de 67% na McLaren Racing – que também compete na IndyCar, Fórmula E e Extreme E.

Antes do GP da Austrália, a McLaren Racing confirmou que o CEO Zak Brown assinou um novo contrato até 2030.

Na Câmara dos Lordes do Reino Unido, na quinta-feira, os laços da McLaren com o Bahrein foram levantados como parte de um debate sobre o uso do esporte para melhorar a imagem de países com histórico ruim de direitos humanos.

Como parte do debate, Lord Scriven rotulou o CEO da F1, Stefano Domenicali, como arrogante, tendo “falta de profissionalismo e falta de engajamento” por não responder às preocupações sobre o campeonato em estados que estão tentando fazer uma “lavagem esportiva” de sua imagem.

Scriven acrescentou que “a liderança de Domenicali na F1 está prejudicando a reputação de seu esporte, já que ele se recusa a se envolver nas questões em torno da F1 e dos direitos humanos”.

FERRARI lidera na AUSTRÁLIA, mas pode BATER Red Bull? Mercedes tem que se PREOCUPAR?

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast: Verstappen fora da Red Bull? Drugo tem chances em 2025?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Q4 AO VIVO: Verstappen supera Sainz e fica com a pole na Austrália
Próximo artigo F1: Verstappen supera Ferraris e faz a pole para o GP da Austrália

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil