Fórmula 1
29 ago
-
01 set
Evento encerrado
05 set
-
08 set
Evento encerrado
19 set
-
22 set
Evento encerrado
26 set
-
29 set
Evento encerrado
10 out
-
13 out
Evento encerrado
24 out
-
27 out
Próximo evento em
10 dias
31 out
-
03 nov
Próximo evento em
17 dias
14 nov
-
17 nov
R
GP de Abu Dhabi
28 nov
-
01 dez
Próximo evento em
45 dias

"Não queremos que seja como a F-E", diz Grosjean sobre disputas na pista na F1

compartilhar
comentários
"Não queremos que seja como a F-E", diz Grosjean sobre disputas na pista na F1
Por:
8 de abr de 2019 11:57

"Acho que a Fórmula E foi um pouco longe demais", opina o francês da Haas sobre leniência nas brigas roda a roda durante as corridas

Piloto da Haas, Romain Grosjean alertou para a possibilidade de que as regras mais lenientes da Fórmula 1 para as situações de corrida levem a categoria ao caos da Fórmula E. Apesar de apoiar a ideia de os comissários serem mais permissivos com relação aos padrões de direção, o francês não quer que a F1 tome os rumos do campeonato de carros elétricos: "Não queremos que seja como a Fórmula E, porque acho que a F-E foi um pouco longe demais”.

“Não queremos ser malucos, mas acho que se não for intencional e você tocar alguém numa manobra de ultrapassagem, não é o fim do mundo. É um incidente de corrida. Se sua prova foi comprometida, então o que fazemos? Acho que devemos ponderar. É uma volta, todo mundo quer uma posição. Mas se você tocar em alguém, seu carro estará danificado”, ponderou Grosjean.

Como paradigma, o piloto citou exemplos de situações que extrapolaram os limites, relembrando um caso que o envolve, inclusive: "Se fizer algo como eu em Spa em 2012 ou como Hulkenberg em Spa no ano passado, tem que ser penalizado. Tudo bem, não é intencional, mas tem grandes consequências, então tem que ser penalizado. Igual ao Perez em Singapura”.

Leia também:


"Na primeira volta, se você frear um pouco tarde, se acontece algo como entre eu e Leclerc em Austin no ano passado, tem de haver alguma punição. Lamentei o que ocorreu, mas pelo menos a corrida dele já estava acabada, porque ele tinha danos na asa dianteira e no assoalho, então as consequências não foram tão ruins assim”, relembrou o francês.

Grosjean é diretor da Associação dos Pilotos de Grandes Prêmios (GPDA) e disse que gostaria que as regras fossem um pouco mais relaxadas, mas sem ir a extremos: “Existem algumas coisas que não queremos ver, e mover-se no meio da freada é grave. Para mim, esse é o maior perigo hoje em dia. Com isso devemos ser rigorosos. Mas, com o resto, devemos ter permissão para correr e nos divertir”.

Como o Motorsport.com revelou durante o final de semana do Grande Prêmio do Bahrein, o diretor de provas da FIA, Michael Masi, reuniu-se com pilotos e comissários para discutir a melhor forma de lidar com as regras para disputas roda a roda. Ele procura encontrar o equilíbrio certo entre severidade e leniência.

Grosjean disse que as discussões com os comissários da FIA foram positivas, porque é importante que os pilotos exponham seu ponto de vista. "Se sou o chefe do GPDA, é porque estou interessado no esporte e quero melhorar. Foi muito bom para a FIA ouvir o que temos a dizer”.

“O fato é que não queremos tentar ultrapassar alguém pensando 'ah, se minha roda travar e eu tocá-lo, terá uma penalidade’. Queremos correr. Incidentes acontecem, até porque são 21 corridas. Mas, no fim, as coisas sempre se equilibram. É bom que possamos correr e disputar”, disse.

Bahrain GP start

Bahrain GP start

Photo by: Glenn Dunbar / LAT Images

Próximo artigo
Ferrari: Novo regulamento da F1 ainda tem “lista longa” de coisas a resolver

Artigo anterior

Ferrari: Novo regulamento da F1 ainda tem “lista longa” de coisas a resolver

Próximo artigo

Haas: "Ninguém se importaria se estivéssemos no fundo do grid"

Haas: "Ninguém se importaria se estivéssemos no fundo do grid"
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Romain Grosjean Compre Agora
Equipes Haas F1 Team
Autor Jonathan Noble