Horner: problemas de túnel de vento atrasaram a Red Bull

Chefe da equipe afirmou que dados apresentados na fábrica não eram compatíveis com o que se via na pista, o que custou meses de desenvolvimento

Horner: problemas de túnel de vento atrasaram a Red Bull
Max Verstappen, Red Bull, Daniel Ricciardo, Red Bull Racing, in Parc Ferme
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB13 and Max Verstappen, Red Bull Racing RB13 at the start of the race
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB13
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB13
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB13
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB13
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB13
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB13
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB13

O chefe da Red Bull, Christian Horner, afirmou que problemas com os dados coletados no túnel de vento atrasaram o desenvolvimento da equipe na primeira metade da temporada de 2017 da F1.

Neste ano, o novo regulamento técnico passava a dar ainda mais ênfase à área aerodinâmica dos carros, considerado um ponto forte da Red Bull. Contudo, a equipe iniciou o ano em baixa, sem conseguir ameaçar Ferrari e Mercedes.

De acordo com o dirigente, os projetistas e engenheiros perderam tempo devido ao problema com a correlação de informações extraídas.

“Começando a temporada, nós estávamos em desvantagem, já que nossas ferramentas não estavam apresentando correlação com o que víamos na pista. Predominantemente era o túnel de vento que nos desviava dos rumos. O tamanho do carro, dos pneus, aquilo em um túnel de vento nos levava a resultados enganosos”, explicou Horner.  

“Antigamente essas eram áreas muito, muito confiáveis, mas, de repente, tivemos essa divergência entre pista, túnel de vento e CFD. Isso provavelmente nos custou cerca de dois meses, dois meses e meio. Dali em diante, claro, trabalhamos pesado para tentar recuperar esse tempo, mas as outras equipes não ficaram paradas.”

Ao recuperar o tempo perdido, Horner acredita que a segunda metade do ano deverá ser mais forte para seu time. “Foi em Barcelona que começamos a ver bom progresso. Desde ali, conseguimos extrair mais e mais performance do carro, então acho que progredimos bem durante a primeira metade do ano. Perdemos um pouco de terreno no começo, mas esperamos por uma segunda metade de temporada muito mais competitiva. 

compartilhar
comentários
Balanço de meio de ano da F1: McLaren e seu calvário sem fim
Artigo anterior

Balanço de meio de ano da F1: McLaren e seu calvário sem fim

Próximo artigo

Diretor da Williams: Stroll “pegou o jeito” da F1

Diretor da Williams: Stroll “pegou o jeito” da F1
Carregar comentários