Relembre quando Ayrton Senna testou, e surpreendeu, na Indy

Brasileiro pilotou carro da Penske de 1992 e marcou tempos que deixaram Nigel Beresford, engenheiro da equipe, impressionado

Relembre quando Ayrton Senna testou, e surpreendeu, na Indy
Carregar reprodutor de áudio

No final de 1992, Ayrton Senna sabia que teria uma temporada difícil dirigindo uma McLaren com motor Ford que não poderia competir com a fabulosa Williams-Renault de seu grande rival, Alain Prost. Querendo pesar as opções, ele pediu ao compatriota Emerson Fittipaldi que experimentasse um daqueles carros destinados aos ovais americanos da Indy.

Senna queria provar este bólido menos tecnologicamente avançado do que seu Fórmula 1, ainda equipado com uma caixa de câmbio manual, suspensões passivas e embreagem no pedal inferior.

Leia também:

Este famoso dia 20 de dezembro de 1992 nos é contado por Nigel Beresford, que era seu engenheiro na Penske Racing. "Planejamos fazer três dias de testes com o novo Penske PC22 1993 na pista Firebird West, um curto percurso de estrada de apenas 1,77 km", lembra ele. "Tínhamos uma Penske 1992 para benchmarking."

Senna no meio do deserto

Ayrton Senna, Penske Chevrolet PC22

Contra todas as probabilidades, Ayrton Senna chegou ao Firebird apenas acompanhado por John Hogan, da Marlboro. Para Beresford, que costumava encontrá-lo no paddock da F1 quando trabalhava para a Tyrrell, foi um contraste gritante. "Vê-lo neste pequeno circuito perdido no meio do nada no deserto, neste ambiente isolado, foi realmente surreal", afirmou.

Emerson Fittipaldi começou completando algumas voltas no Penske 92 para estabelecer um tempo de referência. "Estava frio e a pista estava suja. Emmo girou com os pneus frios, mas achou o carro bem equilibrado. Só faltou aderência. Ele veio para os boxes e trocamos os compostos. Depois, Emmo deu uma corrida de 12 voltas, depois outras 13, estabelecendo seu melhor tempo em 49,70 segundos", disse Beresford.

A vez de Senna

Ayrton Senna discute avec Paul Tracy et Nigel Beresford, Team Penske

Ayrton Senna avec Paul Tracy et Nigel Beresford

Foi então a vez de Senna se encaixar na estreita cabine do Penske. "Normalmente os pilotos de F1 entram em ação muito rapidamente, mas Ayrton deu algumas voltas bem lentas no início e isso foi uma grande surpresa. Este carro Indy tinha uma caixa de câmbio manual sequencial e ele teve que se acostumar a mudar de marcha novamente com sua mão direita. E às vezes, ele não sabia qual estava engatada. Ele parou na pista, encontrou a primeira e começou novamente", disse Beresford.

Senna também teve que se aclimatar às características de um motor turbo. Depois de completar uma corrida de 14 voltas, ele parou e deu suas primeiras impressões ao britânico. Sua melhor volta foi em 49,50.

"Ele me disse que o motor era muito bom, mas por causa de seu peso o Penske era menos manobrável do que um F1. Ele acrescentou que não tinha certeza de qual rotação era usada porque o som da unidade era desconhecido para ele. A pista Firebird tinha uma curva moderadamente rápida, e Senna estava começando a empurrar o carro nessa curva. Ele me disse que podia sentir o peso bem, mas não queria cruzar a linha. Essa não era nem a hora nem o lugar para fazê-lo. No entanto, ele queria verificar a sensibilidade do veículo às mudanças de configuração, por isso instalamos molas mais macias, desconectamos a barra estabilizadora na parte traseira e colocamos 20 galões de metanol no tanque", acrescentou Beresford.

Um desempenho surpreendente

Ayrton Senna, Penske Chevrolet PC22

Ayrton Senna fez então mais dez voltas com os mesmos pneus e parou o cronômetro em 49.09. "Ele voltou aos boxes e disse: 'Muito obrigado. Eu aprendi o que queria saber', desafivelou o cinto e saltou do carro. Estava acabado", disse Beresford.

Este último admitiu estar chocado com a atuação do campeão brasileiro. "Ele não me decepcionou em nada! Estava simplesmente inacreditavelmente rápido. Ao dirigir o Penske 92, Fittipaldi marcou 49,70 contra 49,09 de Senna. No final do dia, Emmo marcou 48,5 com o novo Penske, que foi apenas 0,6 mais rápido que Ayrton. Então, ele teve um desempenho surpreendente, considerando que estava pilotando um carro que tinha um ano, e de pneus gastos. Para mim, isso prova que Senna era capaz de se adaptar extraordinariamente rápido a um novo ambiente", concluiu.

Ayrton Senna, Penske Chevrolet PC22

MERCEDES tinha razão no PROTESTO? Giaffone analisa POLÊMICA na F1, FUTURO de Masi e MUDANÇAS em 2022

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #152: Qual tamanho do título de Verstappen após derrotar Hamilton?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Ralf Schumacher pede piloto experiente no lugar de Mazepin na Haas
Artigo anterior

F1: Ralf Schumacher pede piloto experiente no lugar de Mazepin na Haas

Próximo artigo

RETA FINAL: Além de Verstappen/Hamilton, quem foi o melhor de 2021? Brasil teve o GP do ano? Veja debate

RETA FINAL: Além de Verstappen/Hamilton, quem foi o melhor de 2021? Brasil teve o GP do ano? Veja debate