Smedley não acredita em reviravolta no grid em 2017

Rob Smedley, chefe de desempenho da Williams, acredita que é improvável que a Fórmula 1 viva uma mudança radical na relação de forças no grid mesmo com a mudança de regulamento

Smedley não acredita em reviravolta no grid em 2017
Rob Smedley, Williams Head of Vehicle Performance
(L to R): Valtteri Bottas, Williams FW38 and Fernando Alonso, McLaren MP4-31 battle for position
Felipe Massa, Williams FW38 leads team mate Valtteri Bottas, Williams FW38
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W07 Hybrid
Lewis Hamilton, Mercedes F1 Team testing 2017-spec Pirelli tyres
Carregar reprodutor de áudio

Rob Smedley, chefe de desempenho da Williams, não acredita que as novas regras para a temporada 2017 da Fórmula 1 culminem em mudanças na relação de forças no grid da categoria.

Nas duas últimas mudanças significativas no regulamento, porém, a situação foi diferente: em 2009, a Brawn GP e Red Bull deixaram Ferrari e McLaren para trás, enquanto em 2014 a Mercedes se estabeleceu como equipe a ser batida.

Apesar de não acreditar em algo semelhante, Smedley espera que as novas regras permitam ao menos que o número de potenciais vencedores aumente em cada corrida.

“Espero que vejamos algumas coisas diferentes, mas não acredito que teremos mudanças radicais na relação de forças", disse Smedley à Autosport, uma das publicações do Motorsport.com.

“Na F1, ninguém jamais venceu um campeonato sem ter um orçamento significativo. Dinheiro conta - pelo menos nesta era da F1. Isso não quer dizer que entre os grupos - na frente, no meio e no fundo do grid - não existam mudanças e que você não verá mais pessoas no grupo do topo", afirmou.

“É importante ter mais pessoas no topo e iniciar o final de semana sem saber ao certo quem vai vencer a corrida - é isso que deixa os fãs empolgados. Espero que o novo regulamento faça isso por nós", acrescentou.

Com todas as equipes começando 2017 com conceitos novos, há a expectativa de que o desenvolvimento seja uma constante durante a temporada. Como resultado, Smedley acredita que o carro que iniciar como o mais veloz na Austrália não será o mesmo em Abu Dhabi.

“Não espero que o carro mais veloz na Austrália seja o mais veloz em Abu Dhabi", disse. "Isso permite alguma mudança na relação das forças durante o ano. Se acontecer, as regras terão cumprido o objetivo", completou.

compartilhar
comentários
RBR espera ver motor Renault no nível do Ferrari na 4ª etapa
Artigo anterior

RBR espera ver motor Renault no nível do Ferrari na 4ª etapa

Próximo artigo

Bottas rebate pai de Hamilton e diz: "meta é título"

Bottas rebate pai de Hamilton e diz: "meta é título"