ANÁLISE: Como estreia de Márquez pela Ducati na MotoGP prova que mudança já está valendo a pena

OPINIÃO: Pouco mais de 100 dias depois de sair da Honda e ir para a Gresini, com uma moto Ducati, Marc Márquez fez sua primeira largada em um GP com a GP23 no Catar no último fim de semana. E foi muito bem. Mas até que ponto foi bom?

Marc Marquez, Gresini Racing

Gold and Goose / Motorsport Images

Patrocinado pela Liqui Moly

Patrocinado pela Liqui Moly

A primeira participação de Marc Márquez na MotoGP em uma Ducati foi tão boa quanto poderia ter sido. Isso pode não parecer muito quando levado ao pé da letra. O quinto lugar no sprint e o quarto no GP do Catar no último fim de semana, sob os holofotes do Circuito Internacional de Losail, talvez não sejam os resultados que muitos esperavam quando o hexacampeão da MotoGP foi para a Ducati.

Vamos colocar isso em um pouco de contexto. Durante 11 anos, Márquez pilotou a RC213V Honda. E, como tal, seu estilo de pilotagem foi totalmente desenvolvido em torno dela. Na Ducati, ele teve apenas nove dias de pilotagem. Ficar em quarto lugar depois de apenas nove dias em uma motocicleta completamente diferente não é nada mal.

Leia também:

"Analisamos muitas coisas com a equipe para tentar gerenciar a largada, que foi melhor hoje", disse Márquez após o GP do Catar. "Então, isso ajudou muito na corrida. Depois, consegui gerenciar bem os pneus. O problema foi que ontem eu tive dificuldades e hoje a maioria dos pilotos estava controlando a traseira, mas eu estava controlando a dianteira mais do que a traseira, porque todos os anos, com a outra moto, eu estava tendo um pouco de dificuldade com o pneu dianteiro nesta pista de corrida.", explicou.

"De qualquer forma, preciso melhorar meu estilo de pilotagem em alguns pontos, porque ainda não estou pilotando bem. Mas hoje a corrida foi constante, sólida. Fiz meu ataque nas últimas oito voltas, e quando fiz o ataque, foi quando comecei a forçar mais com a frente e acabei com o pneu dianteiro, e nas últimas duas voltas desisti porque vi a chance de cair e a chance de ganhar mais dois pontos, mais três pontos... Preferi terminar em quarto e esperar por duas semanas em Portimão."

A glória total era algo que Márquez nunca considerou para sua estreia na Ducati. Isso ficou claro em outubro do ano passado, quando a notícia de sua mudança para a Gresini foi oficializada. Esse exercício sempre teve como objetivo descobrir se ele ainda pode ser o piloto que costumava ser depois de quatro anos na Honda, com vários problemas de lesão e uma moto que agora corre em sua própria "Copa Japonesa" - como Joan Mir a chamou - com a Yamaha nos limites dos pontos.

After years in which Honda was well off the pace, it's only natural that Marquez has had plenty of adaption to do on the Ducati

Depois de anos em que a Honda esteve bem longe do ritmo, é natural que Márquez tenha tido muito trabalho de adaptação na Ducati

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

O que ficou claro durante todo o fim de semana no Catar foi que o "velho" Marc Márquez estava mais proeminente. O sorriso estava de volta, a arrogância na moto estava de volta e, como resultado, a velocidade estava lá, mesmo em uma pista que ele geralmente considera uma de suas mais fracas.

Se analisarmos os detalhes de seu fim de semana no GP do Catar, os números oferecem um vislumbre de onde Márquez se encontra no momento em seu desenvolvimento na Ducati e o quanto ele está longe dos melhores pilotos.

Na classificação, Márquez foi o sexto na Ducati em Losail, com 1m50s961. Com a pista de Losail em ótimas condições desde o recapeamento no ano passado, bem como o fato de os pilotos terem testado lá recentemente e o Campeonato Mundial de Endurance ter varrido a superfície na semana anterior, os tempos de volta foram recordes.

Márquez terminou o GP do Catar em quarto lugar na classificação, marcando sua posição mais alta no campeonato desde que conquistou o título no final de 2019

Márquez ficou a apenas 0s172 do tempo de pole estabelecida por Jorge Martin na Ducati de fábrica de última especificação nas cores da Pramac. Márquez foi o mais rápido no terceiro setor da pista, onde a confiança na dianteira é necessária em algumas curvas de alta velocidade.

Nos quatro setores, seu tempo de volta ideal foi de 1m50s794, ficando atrás apenas de Martin e Francesco Bagnaia. Esse é um detalhe significativo, já que ambos são claramente os pilotos de referência no box da Ducati no momento.

No sprint, Márquez fez a melhor volta da corrida com 1m52s040 e ficou a apenas 1s143 do pódio. Quanto ao GP, ele ficou a apenas a 3s429 da vitória.

Analisando os tempos médios de volta do GP, a média de Márquez foi de 1m53s146 (dados coletados de 20 voltas e excluindo a primeira volta da largada). Até a 18ª volta, ele ainda conseguia dar voltas na casa de 1m52s.

Marc Marquez was in close pursuit of the leaders on his Ducati GP debut

Marc Marquez estava perseguindo de perto os líderes em sua estreia na Ducati GP

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

Sua volta média ficou apenas 0s160 atrás da do vencedor da corrida, Bagnaia; 0s098 atrás do segundo colocado, Brad Binder, da KTM, e 0s063 atrás de Martin. Com base nisso, o quarto lugar era exatamente onde Márquez deveria estar. Isso não o impediu de tentar chegar ao pódio nos últimos estágios, chegando a ficar a quatro décimos de Martin em um determinado momento, antes que o piloto da Pramac se distanciasse. Como Marquez observou, isso se deveu em grande parte ao fato de ele ter estragado o pneu dianteiro. 

É difícil comparar diretamente os GPs do Catar de 2024 e 2023, pois eles ocorreram em épocas diferentes do ano, sendo que o de 2024 ocorreu logo após um teste de pré-temporada. Mas quando você compara os finais de semana de 2024 e 2023 de seu sucessor na Honda, Luca Marini, você começa a ver o quanto Márquez estava realmente longe de vencer com a RC213V.

No ano passado, Marini estabeleceu o recorde de volta de 1m51s762 para se classificar na pole com a Ducati VR46 de 2022 no ano passado. Isso foi 1s19 mais rápido do que sua melhor volta de classificação no último fim de semana com a Honda, onde ele foi o 11º com 1m52s952. Sua melhor volta na corrida do GP de 2023, na qual terminou em terceiro lugar, também foi 0s820 mais rápida do que a melhor do último fim de semana, quando ficou em 20º lugar.

É claro que há uma ressalva de que Marini ainda está em fase de aprendizado com a Honda. Mas isso ilustra o quanto a RC213V é realmente difícil.

Márquez terminou o GP do Catar em quarto lugar na classificação, marcando sua posição mais alta no campeonato desde que conquistou o título no final de 2019, enquanto um fim de semana de 18 pontos é o máximo que ele alcançou em uma rodada com pista seca desde que o novo formato de sprint foi introduzido (ele marcou 19 no Japão no ano passado, mas essa foi uma rodada com pista molhada onde ele marcou seu único pódio da temporada).

Refletindo sobre sua estreia na Ducati, ele observou: "Primeiro GP pela Ducati, é claro que foi um fim de semana sólido, como fiz na pré-temporada. Dias sólidos, tentando não exagerar, tentando não cometer nenhum erro, tentando ficar calmo em todas as situações, não ser louco.

"Como eu disse na quinta-feira, a expectativa é muito alta, mas continuo com meu estilo. Quero ser paciente este ano, quero me divertir novamente, quero lutar pelas cinco primeiras posições e foi o que fiz neste fim de semana. Mas sim, eu gostei. Ainda assim, todos os dias eu melhoro meu estilo de pilotagem, todos os dias eu mudo algumas coisas que ajudam um pouco. Ainda assim, acredito que não estou chegando ao limite da moto.", declarou.

Marquez believes he is yet to find the limit of the Pramac Ducati

Márquez acredita que ainda não encontrou o limite da Pramac Ducati

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

Isso é óbvio, mas depois do GP do Catar não parece que ele está longe disso. Em alguns momentos, ele admitiu que ainda estava pilotando a moto como faria se estivesse na Honda, inclusive na forma como extraía o ritmo de uma volta. Mas, aos poucos, isso está sendo suavizado. E "em algumas áreas", Márquez considera que sua Ducati não foi tão boa no GP quanto na sprint, apesar de ter obtido um resultado melhor.

Mais uma vez, Márquez tentou manter as expectativas sob controle após a corrida de domingo. Ele fez questão de salientar que o teste no Catar antes do GP permitiu que ele se preparasse melhor. Em Portugal, ele estará "começando do zero" novamente.

"Portimão será um fim de semana importante, porque normalmente nos testes, na Malásia e aqui [no Catar], eu levo tempo para chegar aos bons tempos de volta", advertiu. "Então, o fato de termos feito um teste aqui há duas semanas me ajuda muito neste fim de semana. Então, em Portimão, vamos começar do zero.

"É aí que precisamos entender onde estamos. Mas, fora isso, ainda sinto que estou melhorando meu estilo de pilotagem passo a passo. Chegará um ponto em que haverá um muro. Então você precisa encontrar um pequeno buraco para encontrar apenas alguns décimos. Mas, no momento, Bagnaia e Martin foram mais rápidos do que eu e preciso aprender com eles."

Embora o GP de Portugal possa nos dar a resposta definitiva sobre a verdadeira posição de Márquez na ordem competitiva nesta fase, o Catar nos deu um vislumbre da realidade de que ele será uma ameaça genuína em 2024 se puder continuar essa trajetória ascendente.

IMPERDÍVEL! A partir desta segunda-feira o Motorsport.com terá o Pódio Cast, o melhor podcast sobre motociclismo, com a participação de Fausto Macieira. O programa estará disponível no canal do Motorsport.com no YouTube, além dos principais agregadores de áudio do Brasil.

 

Confira o episódio de estreia do Pódio Cast, o novo podcast sobre motociclismo!

Podcast #272 – Qual papel de Verstappen na crise da Red Bull?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior MotoGP: Após vencer no Catar, Bagnaia afirma que entender moto de 2024 é mais importante do que a vitória
Próximo artigo RETA FINAL: Massa processa F1 e Bernie, especulações na Red Bull, efeito Bearman e tudo de Jeddah

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil