MotoGP: Pramac decide deixar Ducati e se tornar equipe satélite da Yamaha a partir de 2025

Anúncio é esperado já neste fim de semana, durante o GP da Holanda

Jorge Martin, Pramac Racing, Franco Morbidelli, Pramac Racing

A Pramac deixará a Ducati para a temporada 2025 da MotoGP e se tornará uma equipe satélite da Yamaha, segundo apurado pelo Motorsport.com, com o anúncio oficial sendo esperado já para este fim de semana, no GP da Holanda.

A equipe encerrará uma associação de quase duas décadas com a Ducati como uma equipe satélite para abraçar a oferta apresentada pela Yamaha, uma possibilidade que vinha sendo discutida muito seriamente há meses.

Leia também:

O Motorsport.com pode confirmar que a decisão foi tomada e que o anúncio oficial ocorrerá neste fim de semana em Assen, onde será realizado o GP da Holanda, a oitava etapa do calendário de 2024 da MotoGP.

Com a decisão de deixar a Ducati, a Pramac está desistindo de um contrato de dois anos como a principal equipe parceira da montadora italiana, que lhe dá direito e exclusividade às motos Desmosedici do ano, as mesmas usadas pelo time oficial - um status que vem desfrutando desde 2020.

A Ducati colocou uma data de fim do que seria o novo acordo no final de 2026, uma decisão que é o ponto inicial do rompimento entre a marca e o proprietário da equipe, Paolo Campinoti, e que leva ao rompimento prematuro.

Essa notícia também vem na esteira da decisão da Ducati de não promover Jorge Martín para sua equipe de fábrica em 2025 em favor de Marc Márquez, forçando o atual líder do campeonato a assinar com a Aprilia.

A Pramac entrou na MotoGP em 2002, como satélite da Honda Racing Team e, em 2005, fez uma parceria com a D'Antin Team, que já contava com máquinas da Ducati.

Desde então, o relacionamento entre a marca e Campinoti passou por altos e baixos, até que em 2020 a Pramac se tornou uma equipe satélite de primeiro status, desfrutando das motos oficiais.

No ano passado, as duas partes chegaram a um acordo para continuar juntas em 2025 e 2026, com as mesmas condições. Este ano, no entanto, Campinoti detectou um interesse crescente da Ducati na estrutura da VR46, e a marca italiana chegou a levantar a possibilidade de a Pramac "ceder" uma moto oficial para o time de Valentino Rossi, o que desencadeou a guerra entre as partes.

Franco Morbidelli, Pramac Racing

Franco Morbidelli, Pramac Racing

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

A primeira opção da Yamaha para recuperar a equipe satélite que perdeu há duas temporadas era a VR46 de Rossi, devido aos laços históricos entre os dois e ao fato de o nove vezes campeão mundial ser agora embaixador da marca. Mas rapidamente a resposta foi negativa e a Pramac se tornou o "plano B".

Embora as negociações não tenham sido interrompidas, antes do GP da Itália todos os sinais da equipe eram de que ela continuaria com a Ducati. Mas, em Mugello, a recusa de Márquez em assinar com a Pramac acabou sendo o fator decisivo.

A Ducati havia chegado a um acordo com Martín para levá-lo para a equipe de fábrica e propôs à Pramac a criação de uma segunda estrutura oficial para dar abrigo a Márquez, mas esse foi um plano rejeitado pelohexacampeão mundial.

Isso mudou tudo, levando a Ducati a desistir de seu acordo com Martín, contratando Márquez e levando a Pramac a tomar a decisão de sair.

"Estamos há 20 anos na MotoGP sem Márquez, podemos ficar sem ele na próxima temporada", disse Campinoti em Mugello.

Neste final de semana em Assen, aproveitando o retorno às corridas e a proximidade de 30 de junho, que é o prazo que a Pramac tem para renunciar ao acordo com a Ducati para 2025 e 2026 sem penalidades, a equipe italiana anunciará oficialmente que está deixando a Ducati no final da temporada. A Yamaha anunciará então o acordo com a Pramac.

Aguardando detalhes, o acordo será plurianual, primeiro até o final de 2026, que é quando termina o contrato dos construtores com a Dorna, e depois disso, com a entrada do novo regulamento técnico na MotoGP, a Pramac desfrutará de um novo contrato de longo prazo para se tornar uma equipe parceira com equipamentos oficiais da Yamaha, que cobrará um preço reduzido pelas motos e pagará a conta dos pilotos.

Nesse capítulo, uma das bombas do verão pode ser a chegada da estrela turca do Mundial de Superbike, Toprak Razgatlioglu, embora para isso ele tenha que se livrar de seu contrato atual com a BMW.

ROSSI na F1, AGOSTINI mulherengo, Marc, DEDO DO MEIO e +: CAUSOS de Fausto Macieira, MotoGP em ASSEN

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Histórias com Valentino Rossi, Giacomo Agostini e cia: 'causos' de Fausto Macieira e MotoGP em Assen

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE

Motorsport Business #13 – Como manter LEGADO de AYRTON SENNA com ANA SIMÕES, da Senna Brands

.

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior GP da Holanda de MotoGP: Horários e como assistir à etapa de Assen
Próximo artigo MotoGP: Em meio à ida de Marc para a Ducati, Álex Márquez segue na Gresini em 2025

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil