Diretor da Mercedes elogia desenvolvimento do W12: “Ideal para o teto orçamentário”

Diretor técnico da Mercedes explica como as prioridades de desenvolvimento de um monoposto mudaram na era da Covid-19

Diretor da Mercedes elogia desenvolvimento do W12: “Ideal para o teto orçamentário”

O diretor técnico da Mercedes, James Allison, fez um balanço do andamento dos trabalhos na sede de Brackley duas semanas após a apresentação do W12, marcada para 2 de março.

Alisson explicou de que forma as prioridades de desenvolvimento do carro mudaram com a pandemia do coronavírus: "Com o limite de gastos, temos que fazer com que os componentes individuais durem mais tempo. Nosso objetivo é oferecer um W12 imediatamente competitivo. A abordagem com a qual trabalhamos no carro de 2021 mudou ".

Leia também:

É um momento de grandes mudanças na Fórmula 1, e o diretor técnico revelou alguns dos desafios que as equipes enfrentam no que diz respeito ao teto orçamentário, revelando aspectos surpreendentes.

Neste contexto, o projeto de 2022, iniciado há algumas semanas, já está bem apresentado, um desafio que verá o corpo técnico empenhado ao longo da temporada. O jogo é importante, porque quem conseguir chutar melhor que o adversário no próximo ano terá uma vantagem enorme.

James, como está indo o trabalho no local?

“Estamos vivendo um ano diferente do normal. Tudo parece estar indo muito bem, mas há uma voz que continua zumbindo em nossas cabeças que diz 'esquecemos algo?'. Isso porque nos anos anteriores, nesta época do ano, tivemos uma montanha de peças novas que foram para a sede de Brackley para dar forma ao novo carro, e tudo aconteceu de última hora, com prazos muito curtos.”

“Hoje é diferente porque usamos a maioria dos componentes do W12 no ano passado, então, em vez da atividade agitada habitual, estamos engajados em um trabalho de gerenciamento para verificar apenas as novas peças."

“E essa mudança de ritmo nos preocupa, como se houvesse o risco de perder algo no caminho. Por isso, repassamos os procedimentos duas ou três vezes para ter certeza de que está tudo em ordem”.

A atmosfera também é diferente? Como você descreve o clima de Brackley?

“Nesta frente também é um ano atípico devido à Covid-19 que exige muitas mudanças, mas existem alguns aspectos que simplesmente não mudam. Estamos nos aproximando do início de uma nova temporada, com a habitual mistura de entusiasmo e ansiedade que antecede os primeiros vereditos da pista.”

“Só neste momento é possível começar a entender se o trabalho realizado é capaz de nos garantir um carro competitivo. Afinal, essa estrutura existe para um propósito muito específico: produzir um carro de corrida capaz de almejar os objetivos mais elevados, e que pode ser capaz de ganhar vitórias e títulos mundiais.”

“Nesta fase do ano espera-se ter feito tudo o que é necessário, há sempre o receio de que a pista dê vereditos decepcionantes, ou seja, o receio de não ter feito o suficiente, uma sensação estranha porque se mistura com a empolgação do momento formando um coquetel de sensações que faz parte da F1, e é algo com que você aprende a conviver.”

Quais foram os principais desafios que você enfrentou após o final da temporada de 2020?

“Todos os departamentos da empresa estão muito ocupados nesta época do ano, por isso é difícil especificar um único desafio ou mesmo um pequeno número de atividades que podemos identificar como particularmente exigentes.”

"Mas se eu realmente tenho que escolher um departamento, é o aerodinâmico, porque as regulamentações definitivas chegaram relativamente tarde e na verdade foram elas que tiveram um impacto importante no novo carro.”

“Muito da nossa atenção nas últimas semanas e meses tem estado centralizada em tentar perceber qual é o efeito das alterações introduzidas no regulamento técnico nos principais campos de fluxo em torno do carro e em como tentar recuperar o desempenho perdido.”

"Passamos um tempo intensivo no túnel de vento e em nossa estrutura aerodinâmica computacional tentando descobrir como voltar ao desempenho que tínhamos antes.”

“Depois que o trabalho no departamento de aerodinâmica estiver concluído, ele deve ser traduzido em componentes que são construídos no tamanho real para serem montados no carro.”

Nos últimos doze meses, toda a F1 teve que mudar sua rotina de trabalho devido à Covid-19. Que impacto isso teve no design e na produção do W12?

"Não é fácil se mover em um período de pandemia, mas devemos reconhecer que tivemos muita sorte, desde o ano passado, quando a F1 tomou decisões que provaram ser muito eficientes."

“Entre elas está aquela que nos permitiu construir o monoposto de 2021 sem ter que recomeçar de uma ‘folha em branco’, já possuindo componentes fundamentais como chassi e caixa de câmbio, e isso fez ser muito mais fácil para nós.”

“Outro aspecto que tem nos ajudado é ter estruturas com grandes espaços disponíveis, isso tem nos permitido expandir garantindo o distanciamento social de que precisávamos.”

Uma das grandes novidades em 2021 é a introdução do teto orçamentário. Quanto trabalho foi necessário para se adaptar às novas regulamentações financeiras?

“2021 é um ano de grandes mudanças e entre elas se destaca a legislação que impõe um teto de gastos às equipes. As grandes equipes tiveram que se adequar aos orçamentos que as equipes intermediárias costumam gastar e, no nosso caso, isso significou uma nova gestão do programa de F1.”

"Isso significa, por exemplo, entender como podemos fazer os componentes do nosso carro durarem mais, como fabricá-los mais baratos e como garantir que manteremos o mesmo tipo de desempenho que tínhamos antes, apesar de nosso orçamento geral ter caído."

“É um grande desafio e o estudo e construção do carro é apenas parte dele. Começaremos a temporada com vários pontos de interrogação a mais do que o normal, porque não podemos prever se teremos acidentes ou quantos componentes confiáveis teremos.”

“Com estes regulamentos, torna-se uma grande vantagem ter um carro muito competitivo desde o início da temporada, porque ficará mais barato se não exigir grandes desenvolvimentos ou grandes correções. Mas, como mencionamos, estamos todos começando com um pé de igualdade e todos teremos as mesmas armas disponíveis.”

Entretanto, já começaram os projetos para o carro de 2022. Como está o andamento?

“A temporada ainda não começou, nenhum carro entrou na pista, mas já estamos começando a pensar muito seriamente em 2022. No próximo ano haverá uma revolução total nos regulamentos técnicos nos quais o novo carro será baseado, tudo que vimos nas pistas nos últimos anos será definitivamente colocado de lado para ser substituído por um carro que tem um objetivo técnico completamente diferente: tentar aproximar as pessoas das corridas.”

“Essa mudança é tão grande que exige o comprometimento de praticamente todos os recursos técnicos disponíveis em 2021, tudo dentro dos limites do teto orçamentário e eventuais problemas a serem enfrentados no carro que estreará em algumas semanas. É um verdadeiro desafio, difícil, mas também emocionante.”

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

F1: Saiba TUDO que envolve os LANÇAMENTOS dos CARROS da TEMPORADA 2021

Podcast #088 - F1 na Band e o 'fico' de Hamilton: o que esperar de 2021?

 

 

compartilhar
comentários
F1: McLaren acredita que equipes conseguirão recuperar downforce perdido com mudanças no regulamento

Artigo anterior

F1: McLaren acredita que equipes conseguirão recuperar downforce perdido com mudanças no regulamento

Próximo artigo

F1: Ferrari renova com Shell e eleva relação para "parceria de inovação"

F1: Ferrari renova com Shell e eleva relação para "parceria de inovação"
Carregar comentários