F1: Brown detona Red Bull por incentivar pilotagem 'perigosa' de Verstappen

Zak Brown, chefe da McLaren, expressou sua decepção com a Red Bull

Zak Brown, McLaren Racing

O CEO da McLaren, Zak Brown, criticou a Red Bull e o chefe da equipe de Fórmula 1, Christian Horner, por "incentivar" Max Verstappen a continuar pilotando de forma agressiva.

Em meio às consequências da colisão entre Verstappen e Lando Norris no GP da Áustria do último fim de semana, Brown disse que há aspectos que a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) pode melhorar para garantir que tais incidentes sejam tratados de forma mais adequada no futuro.

Leia também:

Mas ele também acredita que um aspecto que o deixou desconfortável foi a maneira como a Red Bull agiu ao defender Verstappen, tanto com sua postura nas mensagens de rádio da equipe quanto nas entrevistas após o evento.

Brown chegou ao ponto de sugerir que isso segue uma tendência da equipe de não respeitar as regras da F1. Falando antes do GP da Inglaterra sobre o que aconteceu na Áustria, Brown disse: "Também estou desapontado com uma equipe tão grande como a Red Bull, que a liderança quase incentiva isso, porque você ouve no rádio o que foi dito."

"Todos nós temos a responsabilidade de informar aos nossos pilotos no pit wall o que fazer e o que não fazer na corrida e, por isso, acho que precisamos respeitar os regulamentos. Vimos que houve falta de respeito - seja em relação a regulamentos financeiros ou esportivos, na pista, problemas com pais e coisas do gênero. Acho que não é assim que devemos correr."

"Precisamos orientar nossos pilotos sobre o que é certo ou errado, e acho que se isso tivesse sido abordado antes, talvez o incidente não tivesse ocorrido."

Max Verstappen, Red Bull Racing RB20

Max Verstappen, Red Bull Racing RB20

Foto de: Andy Hone / Motorsport Images

"Portanto, é um incidente de corrida que eu acho que poderia ter sido evitado se o pit wall e os comissários estivessem mais atentos ao que os regulamentos dizem que você pode e não pode fazer."

Perguntado se seus comentários sobre o fato de a Red Bull não respeitar os regulamentos era algo que ele falaria diretamente com Horner, Brown disse: "Esse é o papel da FIA. Eu realmente não tenho nenhum interesse em falar com Christian."

Embora Norris e Verstappen tenham concordado em seguir em frente com o que aconteceu na Áustria, Brown acredita que há melhorias que podem ser feitas na forma como os incidentes podem ser tratados.

Em particular, ele acha que é preciso haver mais consistência nas decisões dos comissários, o que talvez só possa ocorrer com a nomeação de profissionais.

"Ao refletirmos sobre o fim de semana, e acho que isso é algo com o qual a FIA concorda, precisamos investir mais em nossa equipe de comissários para ter maior consistência e aplicação dos regulamentos", disse ele.

"Acho que ter comissários em tempo parcial é um trabalho muito difícil. É bastante complexo e, portanto, fazê-lo em tempo parcial no nível em que a F1 se encontra é difícil. Max e Lando estavam apenas brigando, como era de se esperar, e até que alguém diga a Max que isso é contra os regulamentos, ele não saberá o contrário."

"Por isso, acho que os comissários perderam oportunidades de tomar nota."

LANDO lidera TL2, MAX é SÓ 7º! Sainz na Mercedes e Ricciardo na RBR? Mercado agitado

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Verstappen x Norris: nasce uma nova guerra na Fórmula 1? Ouça debate

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Red Bull estuda ‘troca’ de Pérez por Ricciardo
Próximo artigo ANÁLISE F1: Os destaques dos treinos desta sexta-feira em Silverstone

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil