Conteúdo especial

F1: Ferrari teve corridas 'limpas' em apenas 1/3 dos GPs de 2022, somando vexames por erros, 'barbeiragens' e quebras

Escuderia não sofreu por estratégias, falta de confiabilidade ou falhas de seus pilotos em apenas seis das 18 etapas disputadas, 'ajudando' Verstappen e RBR

The burned out car of Carlos Sainz, Ferrari F1-75, after a fire causes his retirement

Piloto da Red Bull, Max Verstappen conquistou o título da temporada 2022 da Fórmula 1 com cinco rodadas de antecedência, o que pode sugerir um amplo domínio da equipe anglo-austríaca neste ano. Entretanto, se voltarmos ao começo do campeonato, o cenário era outro: com problemas de confiabilidade e a forte concorrência de uma Ferrari impulsionada pelo monegasco Charles Leclerc, o holandês começou a disputa bastante preocupado.

O editor recomenda:

Além dos pontos perdidos pelas quebras de seu carro, Verstappen via Leclerc capitalizar o grande potencial do Ferrari F1-75, que saiu da pré-temporada como um dos modelos mais competitivos do ano -- alguns jornalistas chegaram, inclusive, a apontá-lo como superior ao monoposto da Red Bull.

Entretanto, o que se viu no decorrer do campeonato foi o rápido 'derretimento' do pacote Ferrari/Leclerc, que passou a ser amplamente batido pelo conjunto rival até em etapas nas quais a escuderia italiana parecia imbatível sob a liderança do piloto de Mônaco -- um dos exemplos mais simbólicos foi no GP da Espanha, em que Charles rumava para uma vitória e tranquila e precisou abandonar com problemas na unidade de potência, legando o triunfo a Verstappen em Barcelona.

De todo modo, a prova catalã foi apenas um dos pontos negativos do time de Maranello em 2022: além das quebras, a equipe vermelha ficou marcada por falhas de estratégia e também teve de lidar com falhas do próprio Leclerc, além de problemas de consistência de Carlos Sainz -- o espanhol converteu pole position em vitória no GP da Grã-Bretanha, mas cometeu alguns erros ao longo da temporada e não conseguiu ameaçar o companheiro na batalha interna da escuderia.

Mas, para além da falta de inspiração de sua dupla de pilotos, somada a problemas de confiabilidade e a estratégias mais do que questionáveis, quantas corridas 'limpas' a Ferrari teve até o momento, disputados 18 de 22 GPs neste ano?

Neste sentido, consideram-se corridas 'limpas' aquelas em que o time não teve quebras e nem erros estratégicos, bem como provas sem acidentes e erros crassos de seus representantes -- ritmo aquém do esperado e classificações/Sprints ruins, por exemplo, não entram nesta conta --. Para simplificar a análise, o Motorsport.com convencionou que apenas corridas seriam contabilizadas. Abaixo, você confere o 'saldo' da Ferrari na temporada, levando-se em conta as atuações de seus dois pilotos:

1. GP do Bahrein: sem incidentes e com dobradinha liderada por Leclerc

2. GP da Arábia Saudita: sem incidentes e com pódio duplo, com Leclerc à frente, em segundo

3. GP da Austrália: Leclerc venceu, mas Sainz cometeu erro na primeira volta e abandonou

4. GP da Emilia Romagna (Ímola): Sainz abandonou após ser atingido, sem culpa, por Ricciardo, mas Leclerc errou contra Pérez ao tentar ultrapassagem, terminando apenas em sexto 

5. GP de Miami: sem incidentes e com pódio duplo, com Leclerc à frente, em segundo

6. GP da Espanha: além do caso supracitado de Leclerc, Sainz erra na largada e depois abandona

7. GP de Mônaco: Ferrari erra nos pits de Sainz e Leclerc, comprometendo vitória que parecia certa

8. GP do Azerbaijão: abandonos de Sainz (problema hidráulico) e Leclerc (unidade de potência)

9. GP do Canadá: sem incidentes, mas Leclerc é só quinto, enquanto Sainz termina em segundo

10. GP da Grã-Bretanha: Ferrari arrisca, não pára Charles e ele cai de líder para quarto no fim

11. GP da Áustria: Sainz abandona com motor pegando fogo, mas Leclerc compensa e vence

12. GP da França: Leclerc abandona ao bater sozinho enquanto liderava, enquanto Sainz é penalizado por unsafe release em cima de Albon

13. GP da Hungria: erro de estratégia da Ferrari, colocando pneus duros no carro de Leclerc

14. GP da Bélgica: Ferrari pára Leclerc para trocar pneu e fazer a volta mais rápida, mas ele não consegue o giro mais veloz e é punido por excesso de velocidade no pit, perdendo a quinta posição. No começo da prova, sobreviseira de Max fica presa no duto de freio de Charles. Sainz é terceiro.

15. GP da Holanda: Sainz tem uma parada demorada porque os pneus não estavam prontos, além de ser punido por unsafe release. Leclerc é terceiro

16. GP da Itália: sem incidentes, com Leclerc em segundo e Sainz em quarto

17. GP de Singapura: sem incidentes e com pódio duplo, com Leclerc à frente, em segundo

18. GP do Japão: Sainz bate, Leclerc é punido e cai de segundo para terceiro, tornando Max bi da F1

O que pode acontecer com a Red Bull em função da quebra do teto de gastos em 2021?

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura durante nossos programas. Não perca!

Podcast: feitos da RBR podem ser 'manchados' por violação do teto de gastos?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Podcast #199 - Após bi de Verstappen, feitos da Red Bull podem ser 'manchados' por violação do teto de gastos?
Próximo artigo F1: Domínio mostra que Verstappen está "em outro planeta" em 2022, diz Horner

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil