F1: McLaren vê menos problemas com asa traseira em 2022, mas não os descarta

Peça foi motivo de embate nos bastidores na última temporada, principalmente entre Mercedes e Red Bull, por brechas no regulamento

F1: McLaren vê menos problemas com asa traseira em 2022, mas não os descarta
Carregar reprodutor de áudio

O diretor técnico da McLaren na Fórmula 1, James Key, disse que as asas flexíveis "provavelmente se tornarão algum tipo de problema em 2022", mas acha que os novos regulamentos da FIA tornarão mais difícil explorar a aeroelasticidade. A peça foi um tópico frequente em 2021, quando duas linhas aerodinâmicas diferentes de Mercedes e Red Bull ocuparam o centro do palco.

Após o GP da Espanha, a equipe alemã estava descontente com a asa "dobrada" da rival austríaca, o que levou a testes mais rigorosos no GP da França, para desgosto dos outros times, que também foram forçados a mudar seus projetos de asa traseira para ficar dentro das regras revisadas.

Leia também:

Perto do final de uma temporada muito disputada, os papéis foram invertidos quando a Red Bull questionou o design da asa da Mercedes em várias corridas, incluindo o Brasil, acreditando ter visto "marcas de pontuação" que supostamente apontavam para uma flexão excessiva que aumentava a velocidade em linha reta.

Depois de realizar verificações adicionais durante o fim de semana do GP do Catar, a FIA disse que não encontrou nenhuma evidência de jogo sujo, mas identificou maneiras de melhorar seus métodos para realizar testes de flexão, que devem ser ajustados em 2022.

McLaren MCL35M rear wing detail

McLaren MCL35M rear wing detail

Photo by: Giorgio Piola

De acordo com o Key, os novos regulamentos técnicos para 2022, que reformulam radicalmente o design das asas e enfatizam o efeito solo, ainda fornecerão às equipes alguma margem para 'brincar' com a aeroelasticidade de seus carros.

Embora ele admita que as asas flexíveis podem se tornar "alguma forma de problema", ele acredita que os regulamentos rigorosos tornarão mais difícil para as equipes encontrar brechas, especialmente após a atenção que o tópico recebeu no ano passado.

"Acho que a sensibilidade mudou e creio que é bem entendido pelos regulamentos que foram discutidos detalhadamente sobre como gerenciar melhor os componentes que podem flexionar", disse Key. "Alguns são mais rigorosos - testes de asa traseira, por exemplo, serão um pouco mais difíceis - e algumas das coisas que aconteceram [em 2021] com essas áreas foram mantidas até 2022 e acho que há muito atenção sendo dada a isso."

"A asa dianteira em 2022 é uma coisa enorme, mas ainda tem um conjunto muito rigoroso de diretrizes sobre rigidez, então acho que sempre haverá alguns truques, mas não acho que haverá algo fácil de explorar."

“Você tem alguns componentes diferentes no carro que podem ter um certo nível de rigidez, que você pode explorar legalmente, então há várias novas ferramentas para brincar em 2022.

"Provavelmente se tornará algum tipo de problema, tenho certeza, mas não é algo que as equipes ou a FIA estão ignorando. É uma área bastante clara onde temos muito cuidado para regular corretamente para o próximo ano."

Reportagem adicional de Luke Smith e Jonathan Noble

TELEMETRIA DE FÉRIAS (Parte 2): Rico Penteado aponta favoritos para 2022

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #158 – TELEMETRIA DE FÉRIAS: Rico Penteado explica novo carro da F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST:

compartilhar
comentários
Do volante ao pit wall: Relembre a história de Toto Wolff como piloto, antes de sucesso na Mercedes
Artigo anterior

Do volante ao pit wall: Relembre a história de Toto Wolff como piloto, antes de sucesso na Mercedes

Próximo artigo

F1 - Steiner acredita que temporada difícil da Haas foi benéfica para Schumacher e Mazepin: "Aprenderam muito"

F1 - Steiner acredita que temporada difícil da Haas foi benéfica para Schumacher e Mazepin: "Aprenderam muito"