F1: Pérez precisa se tornar 'Mr. Sábado' para contornar fraqueza na Red Bull; entenda

Classificação continua sendo um problema para o mexicano em 2021

F1: Pérez precisa se tornar 'Mr. Sábado' para contornar fraqueza na Red Bull; entenda

Em Mônaco, Sergio Pérez teve talvez sua melhor corrida na Fórmula 1 até o momento, desde que se juntou à equipe Red Bull, subindo do nono para a quarta posição.

O mexicano apresentou um bom desempenho em Monte Carlo ao controlar os pneus nas primeiras voltas e, depois, ao implantar ritmo suficiente para saltar três carros após o pit stop.

Leia também:

No entanto, a classificação continua sendo uma fraqueza para Pérez em 2021, enquanto ele tenta se adaptar com o RB16B. O segundo lugar no grid de largada em Ímola sugeriu um progresso inicial, mas posteriormente ele tem lutado.

Em Mônaco, as coisas pareciam promissoras depois que ele ficou em quinto lugar no Q2, mas no Q3 as coisas se complicaram.

"Foi um desastre", explicou. 

"Estávamos fazendo bons progressos na classificação e no Q2 demos um bom passo. Mas a pista estava esfriando e mudamos nossa abordagem para o Q3."

“Os pneus estavam muito frios. E então, na segunda tentativa, a volta estava indo bem até que eu peguei muito tráfego. E eu basicamente perdi muito tempo por volta nisso."

"Eu certamente deveria ter melhorado o que fiz no Q2 em um décimo ou dois."

Em vez disso, ele se viu encalhado em nono, a frustrantes 0s997 de distância de seu companheiro de equipe Max Verstappen.

No domingo, Charles Leclerc foi impedido de largar devido à um problema no eixo de transmissão proveniente da batida que sofreu na classificação, o que deu a Pérez uma posição.

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B

Photo by: Erik Junius

A equipe sabia que a única maneira de progredir seria correr mais do que os que estavam à frente e dar algumas voltas rápidas e, para fazer funcionar, 'Checo' teve que empregar suas habilidades de gerenciamento de pneus e estender a vida útil das borrachas macias o máximo possível.

Atrás de Sebastian Vettel, ele fez exatamente isso, recuando e deixando uma lacuna que ele poderia fechar quando quisesse.

"Os pneus estão com boa aparência neste estágio, apenas mantenha a vida para quando precisarmos", disse o engenheiro Hugh Bird.

Hamilton, em sexto, parou na volta 29, seguido por Pierre Gasly na volta 30 e Vettel na volta 31. Pérez então recebeu a mensagem, "OK, ar livre, vamos aproveitar."

Naquele momento, eram seus 'velhos' macios contra os novos duros daqueles que haviam feito o pit stop. Ele cravou uma volta com tempo de 1min14s552 (até o momento, o mais rápido de todos) e então fez 1min14s670.

Bird disse a ele: "Este ritmo é bom, tirou três décimos de Seb no setor um, cinco décimos no setor dois."

Na volta 33, a Red Bull chamou Verstappen para o pit stop. Pérez, portanto, passou para reivindicar a liderança, embora por um breve período.

"Como estão os pneus?", Foi perguntado por Bird. "Estou perdendo um pouco a retaguarda esquerda", respondeu o mexicano.

Esse foi um gatilho para a parada. Ele foi chamado no final da volta 34, tendo dado três voltas a mais do que Vettel, e saiu dos boxes com segurança à frente do piloto da Aston Martin - e de dois outros carros que ele corria. O abandono de Bottas deu outro impulso.

"OK Checo, bom trabalho, atualmente em P4, saltamos Vettel, Gasly e Hamilton", disse o engenheiro.

Checo perguntou: "Quem é o próximo?"

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B, Antonio Giovinazzi, Alfa Romeo Racing C41

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B, Antonio Giovinazzi, Alfa Romeo Racing C41

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Talvez desconfiado de que Pérez estava se adiantando um pouco, já que Lando Norris estava aproximadamente oito segundos à frente, Bird tentou acalmar: "É só administrar o combustível, vamos tirar um pouco o pé, pegou o Vettel em dois segundos."

Na verdade, o mexicano fechou com sucesso em Norris. A passagem dependeu de um erro do piloto da McLaren, mas nenhum aconteceu.

Pós-corrida, Bird resumiu: "Você fez um ótimo trabalho ao economizar os pneus para quando precisávamos deles, fez funcionar quando recebemos o ar limpo de Vettel."

Foi uma grande corrida para Pérez, e seu quarto lugar ajudou a Red Bull a assumir a liderança do campeonato de construtores.

"Estou satisfeito com o resultado", disse.

“Acho que quando formos para Abu Dhabi, ninguém vai se lembrar dessa corrida. É tudo sobre o campeonato. É um campeonato tão longo que minimizar os dias ruins e sair forte de um dia ruim vai ser fundamental."

"E hoje, conseguimos fazer isso. E só mostra que o ritmo está lá no domingo, só tenho que resolver o meu sábado."

Checo admitiu que ainda havia frustração com a sua posição inicial dada a velocidade que conseguiu mostrar na corrida.

“Acho que é apenas uma parte da minha adaptação, como você vê com outros pilotos. É uma temporada muito especial nesse aspecto. A troca de pilotos, normalmente no passado, não foi tão grande."

"Mas este ano, com tantas variáveis ​​por aí, ficou mais difícil." 

O piloto da escuderia austríaca admitiu que o bom resultado na classificação em Ímola foi uma "variável" e disse que não está "totalmente em casa com o carro".

“Em Ímola consegui me colocar na segunda fila, na minha segunda corrida, já em uma pista tão difícil. Mas a progressão não veio aos sábados. São apenas as variáveis. Sempre que houver é um pouco variável. Ainda não estou totalmente em casa com o carro, mas posso ver a luz no fim do túnel."

O Azerbaijão é a próxima etapa, onde Pérez terminou em terceiro em 2018.

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Baku não é uma pista típica e, portanto, as três corridas na França e na Áustria serão mais úteis para a curva de aprendizado do mexicano, especialmente com duas provas consecutivas no último local.

"Acho que será muito, muito, muito importante ir a mais lugares, especialmente à Áustria. Fazer dois finais de semana de corrida que realmente aceleraria meu aprendizado."

Depois de Mônaco, a Red Bull lidera o campeonato de construtores por 1 ponto sobre a Mercedes, e Pérez tem que dar uma contribuição consistentemente maior.

"Acho que ele está achando os sábados mais difíceis do que os domingos", disse Horner após a corrida.

“Em geral, o ritmo de corrida dele tem sido muito, muito forte. Então, acho que aos sábados, precisamos trabalhar com ele para ajudá-lo a se sentir confortável, mas isso virá."

“Vocês podem ver a maioria dos pilotos, provavelmente com exceção de Carlos [Sainz] que mudou de equipe este ano, eles demoraram um pouco para ganhar velocidade. Acho que os pneus estão mais complicados também este ano, que lança em outra dinâmica. Mas ele está chegando lá, e uma performance como a de hoje ajuda nisso."

“Checo fez grandes corridas este ano. No Bahrein, ele estava muito forte. O seu ritmo de corrida na última etapa em Barcelona foi muito forte. O seu ritmo de corrida em Portimão foi bom."

"Portanto, não há dúvidas sobre isso, ele apenas tem que se classificar bem", concluiu.

F1: Entenda como SUSPEITA de batida PROPOSITAL implodiu amizade entre HAMILTON E ROSBERG

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: O que a liderança inédita de Verstappen representa na F1?

 

compartilhar
comentários
F1: Estilo de pilotagem "especial" da McLaren atrapalha adaptação de Ricciardo

Artigo anterior

F1: Estilo de pilotagem "especial" da McLaren atrapalha adaptação de Ricciardo

Próximo artigo

F1 - Alonso: "Um novo campeonato começa para mim" a partir da França

F1 - Alonso: "Um novo campeonato começa para mim" a partir da França
Carregar comentários