Últimas notícias

F1: Pilotos tecem duras críticas ao asfalto do circuito em Austin

Max Verstappen chegou a e enfatizar que o asfalto em COTA não "está no nível da F1"

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19

O tricampeão mundial, Max Verstappen, acha que a instabilidade do asfalto no Circuito das Américas, em Austin, "não está no nível da F1" e pede mais recapeamento para o GP dos Estados Unidos de Fórmula 1 do próximo ano.

Leia também:

Reclamações dos pilotos de F1 e MotoGP sobre a qualidade do asfalto se tornou um tema recorrente nos últimos anos. Em resposta às críticas, os promotores da corrida repavimentaram algumas áreas em 2022 e neste fim de semana - especificamente nas curvas 12, 14 e 16.

Mas o piloto da Red Bull, que conquistou sua 50ª vitória neste domingo, sente o asfalto da pista precisa de mais uma revisão. “Precisa ser refeito porque no momento parece que é mais adequado para um carro de rali", disse o tricampeão mundial.

“Em um carro de F1 provavelmente você nem vê isso tanto porque, claro, estamos colados ao chão por causa do downforce, mas os solavancos e saltos que temos em alguns lugares é demais. Não está no nível da F1."

"Eu adoro esta pista, o traçado é incrível, mas definitivamente precisamos de um asfalto novo e precisa ser muito mais suave para os próximos anos, porque já pedimos isso há alguns tempo e realmente não tem sido assim."

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19

Photo by: Red Bull Content Pool

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19

Os 'solavancos' de Austin, que se tornaram uma preocupação maior para a F1 desde a mudança para carros de baixa altura e efeito solo em 2022, fizeram a primeira vítima na corrida de domingo, quando Fernando Alonso teve que abandonar após quebrar o assoalho de seu Aston Martin.

"A pista é brutal aqui. É realmente muito difícil", explicou o chefe da equipe, Mike Krack. “E havia uma parte do assoalho, à direita, que estava quebrada, com meio metro de comprimento. Sabemos que este é um circuito difícil, você vem aqui, reforça tudo, fortalece os dutos de freio, fortalece os defletores, você fortalece tudo que pode fortalecer.”

Após a corrida, Lewis Hamilton, da Mercedes, e Charles Leclerc, da Ferrari, foram desclassificados por desgaste excessivo nas pranchas do assoalho de seus carros, que também se acredita ser resultado da superfície áspera.

O formato de sprint do fim de semana passado também significou que as equipes ficaram presas às regras do parque fechado após a única sessão de treinos na sexta-feira e não puderam ajustar as configurações para compensar o desgaste adicional das pastilhas de derrapagem sem perder posição no grid.

Falando antes de ser excluído da corrida, Hamilton disse: “Gosto de alguns solavancos porque acrescentam personalidade ao circuito, mas são muitos. Da última curva até a linha de largada, por exemplo, é tranquilo. Mas há outras áreas que com certeza poderiam ser corrigidas e melhoradas."

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

OUÇA: Pérez e até Marko na 'corda bamba' da RBR. Andretti-Ferrari na F1? Caos pré-EUA

Artigo anterior ANÁLISE F1: As questões técnicas e políticas por trás das desclassificações de Hamilton e Leclerc nos EUA
Próximo artigo GP do México de F1: Horários e como assistir à etapa da Cidade do México
Assinar