Análise
Fórmula 1 GP de Singapura

F1: Red Bull: Singapura será um teste decisivo para os freios

A equipe de Milton Keynes trabalhou duro no canto da roda para isolar o calor produzido pelo sistema de freios com o desejo de criar fluxos dentro das cestas de carbono para fins aerodinâmicos. Os técnicos da Pierre Wache desenvolveram formas e materiais para uma planta que está dando excelentes resultados após as dificuldades iniciais devido ao superaquecimento

Red Bull RB18 front brake comparison

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica de Giorgio Piola

A Fórmula 1 retorna a Singapura no próximo fim de semana. A pista da cidade de Marina Bay apresenta vários obstáculos que os engenheiros tiveram que avaliar cuidadosamente durante a preparação para a 17ª rodada do campeonato mundial.

A categoria fez a sua última corrida no país asiático em 2019 devido ao efeito da COVID, então as equipes devem redescobrir as instalações onde correm à noite com monopostos que usam o efeito solo.

Para a Brembo, a pista de Singapura é relatada como a mais seletiva para o sistema de frenagem de todo o campeonato: o número mais impressionante é que os pilotos passarão quase um quarto do tempo da volta freando (22% contra 21% de Monte Carlo).

Detalhe dos soquetes de freio dianteiros do Red Bull RB18

Detalhe dos soquetes de freio dianteiros do Red Bull RB18

Photo by: Uncredited

Entre os 15 pontos de travagem que caracterizam este circuito, 4 são particularmente exigentes e o ritmo acelerado (como evidenciado pela média de velocidade da volta perto dos 190 km/h) e a falta de espaço adequado para arrefecimento (a reta mais longa é apenas 832 metros) o tornam um dos mais difíceis devido ao desgaste do material de fricção (discos e pastilhas).

O desafio técnico entre Red Bull e Ferrari também se joga neste terreno específico, área em que a equipe austríaca dedicou muita energia durante a temporada, já que com a adoção de rodas de 18 polegadas, em vez das tradicionais 13 polegadas, a abordagem dentro do canto mudou completamente.

Graças aos aros maiores, os discos de carbono também cresceram em diâmetro, agora medindo um máximo de 328 mm na frente, 50 mm a mais que no ano passado. A FIA impôs que os orifícios de resfriamento devem ter um diâmetro de 3 mm, enquanto anteriormente não havia limites e os orifícios nas almofadas foram proibidos.

A evolução do freio dianteiro do Red Bull RB18

A evolução do freio dianteiro do Red Bull RB18

Photo by: Uncredited

Se somarmos a tudo isso que as capas das rodas na parte externa das rodas passaram a ser obrigatórias para proibir a saída de ar quente e fluxos para fins aerodinâmicos, é fácil entender como o cenário em termos de freios mudou com o novo regulamento.

A abordagem da pesquisa aerodinâmica na curva mudou completamente: até o ano passado os técnicos tentavam transferir o calor dos freios para os pneus através do aquecimento da roda, agora os engenheiros trabalham na direção oposta, tentando isolar a temperatura do disco na esperança de encontrar um efeito aerodinâmico mínimo na cesta de carbono que envolve o sistema de freios.

Red Bull RB18: aqui está a tampa do disco de carbono e a pinça escura para um tratamento anti-calor

Red Bull RB18: aqui está a tampa do disco de carbono e a pinça escura para um tratamento anti-calor

Photo by: Giorgio Piola

Não deveria ter sido surpreendente, portanto, ver novas carenagens de disco aparecerem no RB18 que foram atualizadas ao longo da temporada tanto em termos de forma quanto no uso de materiais isolantes. A primeira fase foi tornar o sistema eficiente em detrimento do peso, na segunda fase houve uma busca por clareamento com a adoção de coberturas de compósito ao invés de titânio.

Além disso, a Red Bull também trabalhou em tratamentos químicos: a pinça dianteira Brembo também está disponível com um revestimento térmico reconhecível pela cor mais escura que favorece uma melhor dispersão do calor.

Sngapura, portanto, torna-se um banco de testes fundamental sobre a eficácia dos desenvolvimentos feitos em sistemas de frenagem: vamos nos preparar para descobrir mais inovações projetadas especificamente para esta pista tão seletiva.

BEBEDEIRA e ZOEIRA: Rubinho e Massa citam Kimi, Schumi e Alonso como PARÇAS. Mas quem são os CHATOS?

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura durante nossos programas. Não perca!

Podcast #197 - Na berlinda, qual será o futuro de Ricciardo e Schumacher?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 descarta sugestão de Vettel sobre retorno dos motores V10; entenda o motivo
Próximo artigo F1 AO VIVO: Acompanhe o primeiro treino livre para o GP de Singapura em Tempo Real

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil