Fórmula 1 GP da Grã-Bretanha

O que mudou - dentro e fora da F1 - no período de jejum de Hamilton

Dentro e fora do esporte, saiba o que rolou nesses 945 dias

Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1 Team, 1st position, celebrates on the podium with Champagne

Lewis Hamilton conquistou uma vitória emocionante no GP da Grã-Bretanha do fim de semana passado, ao terminar um jejum de 945 dias sem vencer na Fórmula 1.

Foi a 104ª vitória de sua carreira, com o 103º triunfo de Hamilton ocorrendo 56 GPs antes, na Arábia Saudita em 2021 – tornando-se a nona maior diferença entre vitórias na história da F1. 

Assim, o heptacampeão mundial derramou lágrimas diante da bandeira quadriculada, depois de também conquistar a nona vitória no GP de casa diante de sua vibrante torcida. 

Leia também:

Então, o que é diferente agora de quando Hamilton venceu a penúltima rodada da temporada de 2021 em Jeddah? Aqui estão alguns exemplos. 

Mudanças na F1 desde a última vitória de Hamilton 

Carros com efeito solo

Grande parte do sucesso de Hamilton veio durante a era turbo-híbrida, que começou em 2014 – um ano depois de ele ter feito uma mudança para a Mercedes. Isso porque o fabricante alemão se adaptou melhor à mudança e Hamilton superou o companheiro de equipe Nico Rosberg para um segundo campeonato mundial em 2014. 

Isso deu início a uma corrida dominante para o britânico, que conquistou cinco dos seis títulos seguintes, vencendo 62 GPs durante esse período, enquanto perdeu a coroa de 2016 para Rosberg. 

Hamilton estava definido para um oitavo campeonato recorde em 2021, enquanto liderava o final da temporada de Abu Dhabi até que uma polêmica decisão do diretor de corrida Michael Masi entregou a vantagem ao rival pelo título Max Verstappen, que venceu. 

E essa continua sendo a última batalha de Hamilton pelo campeonato desde então, já que a temporada seguinte viu a reintrodução de carros de efeito solo que não eram vistos na F1 há 40 anos. 

No entanto, esta foi uma mudança regulamentar que a Mercedes não conseguiu superar, já que o primeiro carro de efeito solo da equipe - o W13 - era muito difícil de guiar e com o chamado porpoising. Este era um termo que muitos não conheciam na época da vitória de Hamilton em Jeddah.

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Photo by: Simon Galloway / Motorsport Images

Isso resultou em apenas uma vitória para a Mercedes naquela temporada – George Russell no GP do Brasil – já que a equipe também adotou o design sem sidepod, que era o oposto do eventual campeão mundial Red Bull. 

As coisas só pioraram para a Mercedes na temporada seguinte, já que não venceu pela primeira vez em 12 anos, enquanto a Red Bull dominou em 21 dos 22 GPs. 

Também não melhorou muito inicialmente em 2024, já que Hamilton começou sua última temporada na Mercedes sem pódios nos primeiros nove GPs, mas as atualizações no meio da temporada melhoraram o carro, levando à primeira vitória do britânico na era do efeito solo. 

Mudanças no calendário da F1 

A temporada de 2021 da F1 contou com um recorde de 22 GPs, com Catar e Arábia Saudita fazendo sua estreia no calendário, enquanto a Holanda encerrou sua ausência de 35 anos. 

Embora essas pistas permaneçam na F1 hoje, com o calendário de 2024 tendo apenas duas a mais, ainda parece muito diferente de como era há três anos. Os Estados Unidos, por exemplo, sediaram apenas um GP, já que Miami e Las Vegas se juntaram a Austin no calendário como parte dos planos da F1 para aumentar sua popularidade na América. 

A China também voltou ao calendário durante a seca de vitórias de Hamilton, já que antes de 2024 atuou pela última vez em 2019 devido ao COVID-19. O britânico bateu o recorde de seis vitórias no Circuito Internacional de Xangai, mas o GP de 2024 não foi tão bom para ele, pois terminou em nono, apesar de ter subido ao pódio na corrida sprint. 

Hamilton também tem um bom histórico em Suzuka, com cinco vitórias, mas o GP do Japão ficou ausente do calendário de 2021 devido à pandemia. Retornou no ano seguinte, mas Hamilton ainda não subiu ao pódio em Suzuka desde seu retorno.

Charles Leclerc, Ferrari F1-75, Max Verstappen, Red Bull Racing RB18, Lewis Hamilton, Mercedes W13, Sergio Perez, Red Bull Racing RB18, George Russell, Mercedes W13, the rest of the field at the start

Charles Leclerc, Ferrari F1-75, Max Verstappen, Red Bull Racing RB18, Lewis Hamilton, Mercedes W13, Sergio Perez, Red Bull Racing RB18, George Russell, Mercedes W13, the rest of the field at the start

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Vários circuitos também saíram do calendário durante a seca de vitórias de Hamilton, já que 2021 foi a última vez que Portugal, Rússia e Turquia acolheram um GP. Portugal e a Turquia retornaram originalmente como um evento único durante a temporada de 2020, atingida pela COVID, mas sediaram mais uma corrida no ano seguinte, enquanto a F1 parou de visitar a Rússia após a invasão na Ucrânia em fevereiro de 2022. 

A F1 também visitou a França na época da última vitória de Hamilton antes de Silverstone, já que o Circuito Paul Ricard fez parte do calendário até o término de seu contrato, no final de 2022. 

A ordem do calendário também mudou significativamente, já que o GP da Arábia Saudita é agora em março e não em dezembro, Baku é em setembro e não em junho, enquanto Spa-Francorchamps não acontece mais depois das férias de verão. 

Mudanças no grid da F1 

As duas últimas vitórias de Hamilton vieram com um companheiro de equipe diferente, já que Valtteri Bottas fez parceria com ele na Mercedes em 2021, mas ele se juntou à Alfa Romeo – agora Sauber – em 2022, após ser substituído por George Russell, que anteriormente estava na Williams. 

Na verdade, a Williams mudou sua formação completa desde então, já que Nicholas Latifi é agora um piloto aposentado aos 29 anos, estudando na London Business School. 

Na verdade, nenhum dos atuais pares da Williams estava no grid no momento da vitória de Hamilton em Jeddah, já que Alex Albon era o piloto reserva da Red Bull enquanto Logan Sargeant estava na F3. 

Oscar Piastri e Zhou Guanyu também fizeram sua estreia na F1 depois, enquanto os veteranos Nico Hulkenberg e Kevin Magnussen retornaram ao grid após um período afastados.

Oscar Piastri, McLaren MCL38, Lewis Hamilton, Mercedes F1 W15

Oscar Piastri, McLaren MCL38, Lewis Hamilton, Mercedes F1 W15

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Muitos outros também deixaram a F1 durante esse período, já que o ex-piloto da Alfa Romeo, Antonio Giovinazzi, está agora no WEC. A formação totalmente novata que a Haas tinha em 2021 não existe mais, já que Mick Schumacher e Nikita Mazepin, que marcaram zero pontos naquela temporada, não competem mais na F1. 

O número de campeões mundiais no grid também caiu nos últimos três anos, com Kimi Raikkonen se aposentando no final de 2021, enquanto 2022 foi a última temporada de Sebastian Vettel. Isso deixa Hamilton como o segundo piloto mais velho da F1, atrás de Fernando Alonso, de 42 anos, ambos dois dos três campeões mundiais no grid de 2024 ao lado de Verstappen. 

Mudanças na gestão das equipes 

A formação principal da equipe de F1 também passou por uma grande reformulação nos últimos três anos, já que oito dos 10 construtores têm um novo chefe, restando apenas Christian Horner, da Red Bull, e Toto Wolff, da Mercedes. 

A Aston Martin foi a primeira equipe a mudar de chefe após 2021, com Mike Krack substituindo Otmar Szafnauer em janeiro de 2022, com o primeiro se mudando para a Alpine um mês depois. 

As próximas mudanças não aconteceram até dezembro daquele ano, quando Frederic Vasseur trocou a Alfa Romeo pela Ferrari após a saída de Mattia Binotto e Andrea Stella substituiu Andreas Seidl na McLaren. 

Alfa Romeo e Williams também mudaram de chefe de equipe, quando James Vowles deixou seu cargo de diretor de estratégia de automobilismo na Mercedes para substituir Jost Capito na equipe britânica em janeiro de 2023, enquanto a equipe de Hinwil optou por um conjunto menos convencional. 

Frederic Vasseur, Team Principal, Alfa Romeo Racing and Mattia Binotto, Team Principal, Ferrari

Frederic Vasseur, Team Principal, Alfa Romeo Racing and Mattia Binotto, Team Principal, Ferrari

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Tinha acabado de nomear Seidl como seu CEO e em vez de contratar um chefe de equipe tradicional, o alemão começou a supervisionar uma estrutura de gestão composta por Alessandro Alunni Bravi, Xevi Pujolar, Beat Zehnder, com Bravo atuando como seu 'representante da equipe'. 

Apenas quatro meses após essas nomeações, AlphaTauri – agora RB – anunciou que Franz Tost seria substituído por Laurent Mekies da Ferrari no final de 2023. Houve então mais mudanças na Alpine, com a saída de Szafnauer por “acordo mútuo” em julho de 2023 e foi substituído por Bruno Famin. 

O período entre 2023/2024 foi um pouco mais tranquilo, já que Haas foi o único time a mudar seu chefe, com Gunther Steiner sendo substituído por Ayao Komatsu depois que a equipe americana terminou em último lugar na classificação de 2023. 

Portanto, houve muitas remodelações administrativas durante a seca de vitórias de Hamilton e o heptacampeão mundial também terá um novo chefe assim que ingressar na Ferrari em 2025. 

Mudanças fora da F1 desde a última vitória de Hamilton 

Não foi apenas a F1 que mudou durante a seca de vitórias de Hamilton, pois muita coisa é diferente em outros lugares. 

Quatro primeiros-ministros no Reino Unido 

Quando Hamilton venceu o GP da Arábia Saudita de 2021, Boris Johnson era primeiro-ministro do Reino Unido depois que os conservadores reivindicaram uma vitória esmagadora sobre o Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn nas eleições gerais de 2019. 

Mas, em setembro de 2022, Johnson foi destituído do cargo de líder do partido Conservador após uma pesada derrota nas eleições suplementares de junho em meio a vários escândalos como o Partygate.

Assim, os conservadores realizaram a sua própria eleição de liderança e Liz Truss sucedeu Johnson como primeira-ministra, mas durou apenas 50 dias - o segundo mandato mais curto da história depois de Arthur Wellesley (23 dias) em 1834. 

O homem que ela derrotou nas eleições de liderança, Rishi Sunak, tornou-se, portanto, o terceiro primeiro-ministro de 2022 e assumiu as chaves do número 10 de Downing Street apenas dois dias depois de Hamilton ter conquistado o segundo lugar no GP dos Estados Unidos.

Max Verstappen, Red Bull Racing, 2nd position, Peter Bonnington, Senior Race Engineer, Mercedes-AMG F1 Team, Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1 Team, 1st position, Lando Norris, McLaren F1 Team, 3rd position, on the podium

Max Verstappen, Red Bull Racing, 2nd position, Peter Bonnington, Senior Race Engineer, Mercedes-AMG F1 Team, Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1 Team, 1st position, Lando Norris, McLaren F1 Team, 3rd position, on the podium

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

O mandato de Sunak durou muito mais tempo do que seu antecessor, já que o homem de 44 anos esteve no cargo por 1 ano e 255 dias antes de perder confortavelmente as eleições gerais de 2024 para Keir Starmer, do Partido Trabalhista, somando quatro primeiros-ministros desde que Hamilton venceu uma corrida pela última vez. 

Mas a contagem terminou em quatro, já que o Partido Trabalhista foi votado apenas dois dias antes de Hamilton vencer o GP da Grã-Bretanha, encerrando uma semana agitada para o Reino Unido. 

Monarquia  

O Reino Unido também tinha um monarca diferente quando Hamilton venceu em Jeddah, já que a Rainha Elizabeth II ainda estava no comando. 

Mas, no meio de todas as mudanças de primeiro-ministro em 2022, a Rainha faleceu em 8 de setembro, encerrando o seu reinado de 70 anos – o mais longo da história. 

Hamilton, que terminou em quarto lugar no GP da Holanda apenas quatro dias antes, prestou homenagem à Rainha nas redes sociais, descrevendo-a como “uma líder icônica, uma inspiração e uma presença tranquilizadora para a maior parte, senão todas, de nossas vidas”. 

Na verdade, os dois se conheceram em várias ocasiões, quando a Rainha concedeu a Hamilton seu MBE em 2009, 12 anos antes de ele receber o título de cavaleiro de seu filho e sucessor, o Rei Charles III. 

Co-proprietário do Denver Broncos da NFL 

Hamilton costuma escapar para as montanhas do Colorado durante o período de férias e o estado americano é a casa do Denver Broncos, da NFL.

Lewis Hamilton, Mercedes-AMG

Lewis Hamilton, Mercedes-AMG

Photo by: Erik Junius

Em agosto de 2022, Hamilton se juntou ao grupo de proprietários do tricampeão do Super Bowl que acabara de ser comprado pela família Walton-Penner por US$ 4,65 bilhões. 

Quando a notícia foi anunciada, Hamilton disse: “Estou entusiasmado por me juntar a um grupo incrível de proprietários e fazer parte da história dos Broncos! " 

Desde então, ele visitou Denver para torcer por seu time, mas o apoio de Hamilton não trouxe sucesso em campo, já que a última aparição nos playoffs do Broncos ocorreu em 2015, quando venceu o Super Bowl 50.

CHANTAGEADO POR BRIATORE, Tarso avalia volta de Flavio, QUASE IDA À FERRARI, Alonso, Mantiqueira e +

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Hamilton se arrependerá da troca Mercedes-Ferrari? Felipe Baptista opina

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Após revés 'contra' Hamilton, Verstappen cobra Red Bull, que elogia Tsunoda em meio a crise de Pérez
Próximo artigo F1: Bottas confirma conversas com Mercedes, mas quer contrato plurianual

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil