F1: União Europeia retira sanções sobre Nikita Mazepin; entenda

Piloto celebrou decisão: "Este é certamente um marco crucial"

#98 99 Racing Oreca 07 - Gibson: Nikita Mazepin

JEP / Motorsport Images

O ex-piloto da Fórmula 1 Nikita Mazepin viu as sanções contra ele retiradas pelo Tribunal Geral da União Europeia.

Em uma decisão tomada nesta quarta-feira, a União Europeia disse que não poderia justificar a permanência do ex-piloto de F1 da Haas em uma lista de indivíduos que sofreram sanções impostas como resultado da invasão russa na Ucrânia em 2022.

Leia também:

Na altura, Mazepin e o seu pai, Dmitry, foram apontados como pessoas sujeitas a medidas restritivas, que incluíam o congelamento de fundos e a proibição de entrar no território dos Estados-Membros.

Essa decisão veio logo depois que Mazepin foi demitido pela equipe Haas na véspera da temporada de 2022, quando a equipe de propriedade americana anunciou que havia rescindido seu contrato de piloto, e o de seu patrocinador, a Uralkali, por causa da invasão.

Mazepin, que desde então voltou a correr na Asian Le Mans Series, há muito pressionava para ser removido das listas de sanções em todo o mundo, mas sem sucesso.

No entanto, a UE mudou agora a sua posição e disse que Mazepin deveria ser retirado da lista de sanções, uma vez que não havia provas de que existissem quaisquer laços com o seu pai para além dos familiares.

E embora a empresa Uralkali de seu pai já tivesse patrocinado suas atividades de corrida anteriormente, seu apoio não era mais um fator, já que ele havia perdido a direção na Haas.

#98 99 Racing Oreca 07 - Gibson: Nikita Mazepin

#98 99 Racing Oreca 07 - Gibson: Nikita Mazepin

Photo by: JEP / Motorsport Images

Uma declaração emitida pelo Tribunal Geral argumentou que colocar Mazepin na lista de sanções – simplesmente por causa da associação com o seu pai – era errado.

“O Tribunal Geral recorda que o critério de ‘associação’, aplicado em relação a Nikita Mazepin, abrange pessoas que estão, de um modo geral, ligadas por interesses comuns.

“De acordo com jurisprudência constante, este critério implica a existência de um vínculo que vai além de uma relação familiar, estabelecido à luz de um conjunto de indícios suficientemente específicos, precisos e consistentes.

“Nas circunstâncias do presente caso, o Tribunal Geral considera que o Conselho não cumpriu o seu ónus da prova para estabelecer tal ligação. A associação entre Nikita Mazepin e o seu pai não é de forma alguma estabelecida do ponto de vista econômico ou de capital ou pela existência de interesses comuns que os ligassem no momento em que os atos de manutenção foram adotados.”

Mazepin saudou a mudança, embora seja improvável que mude alguma coisa materialmente em sua tentativa de voltar à F1.

“Estou extremamente encorajado pela decisão de hoje e grato ao Tribunal Europeu por um julgamento justo do meu caso”, disse ele num comunicado. "Este é certamente um marco crucial."

ALPINE PODE VENDER EQUIPE E COMPRADOR JÁ É COTADO

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast: Verstappen fora da Red Bull? Drugo tem chances em 2025?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Presidente da FIA é inocentado após investigação sobre interferência na F1
Próximo artigo ANÁLISE: O que deu errado no carro de 2024 da Alpine F1?

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil