Horner afasta chances de trazer nova montadora e acena para Renault: "A nova diretoria trouxe uma mudança de ares"

Chefe da Red Bull falou sobre o desafio de encontrar uma nova fornecedora de motores após o anúncio de saída da Honda

Horner afasta chances de trazer nova montadora e acena para Renault: "A nova diretoria trouxe uma mudança de ares"

O anúncio da saída da Honda da Fórmula 1 ao final de 2021 deixou a Red Bull na complicada situação de achar uma nova fornecedora de motores para a nova era do Mundial. E o chefe da equipe, Christian Horner, afastou a possibilidade de buscar uma nova montadora devido aos altos custos de desenvolvimento e acabou dando um aceno positivo à Renault.

Em entrevista à Servus TV, Horner explicou sobre a situação complicada que a Red Bull se encontra no momento e falou sobre como a saída da Honda deveria ser tratado pela F1 como um alerta para o futuro.

Leia também:

Perguntado sobre a possibilidade de saída de Max Verstappen da equipe no futuro dependendo da situação da fornecedora de motores, Horner deixou claro que não existe uma cláusula do tipo em seu contrato.

"Não há nada do tipo em seu contrato. Os contratos entre piloto e equipe são privados mas definitivamente não há nenhuma cláusula relacionada a motores no documento. Ele é competitivo, se sente confortável na equipe e acredita no programa da Honda".

"Acho que ele também vê que a Honda trouxe evoluções do motor. Isso é encorajador, obviamente. Então vamos dar mais um passo adiante no próximo ano. Ele está animado por isso e ainda temos um longo caminho até 2022".

Sobre o futuro, Horner admite que é preciso começar a pensar já sobre quem será a próxima fornecedora, destacando a importância de encontrar uma parceira que ajude a equipe a desafiar a Mercedes.

"Precisamos começar a pensar já para os motores de 2022. Precisamos de uma resposta até o fim do ano. Obviamente precisamos considerar todas as opções. Mas, no final, o Sr. Mateschitz [dono da Red Bull] deve decidir como procederemos. É importante para nós termos potência suficiente para lutar contra a Mercedes nos próximos anos".

"Eu entendo as pessoas acharem que vamos falar com a Renault. Desde a separação, a Renault mudou. A nova diretoria trouxe novos ares e mudanças. As coisas estão evoluindo".

"Já o custo de se trazer uma nova montadora no regulamento atual é simplesmente alto demais. Então não teremos novas montadoras até a chegada de um novo motor, provavelmente, 2026. Os custos são exorbitantes".

"A FIA e a Liberty precisam atacar isso. Eles fizeram um ótimo trabalho com o chassi. Agora precisamos homologar motores, além de teto orçamentário nessa área também".

Perguntado sobre uma liberdade completa para a produção de motores, Horner afirmou que a saída da Honda deveria ser um alerta para FIA e Liberty para pensar sobre o futuro.

"Estamos trabalhando nisso há muitos anos. Há conceitos realmente interessantes. Acredito que a Fórmula 1 tem que olhar para além do horizonte. A saída da Honda do esporte deveria servir como um alerta para a Liberty e a FIA. Eles precisam decidir, nos próximos seis a doze meses qual será o caminho a ser traçado para 2026 em diante".

Red Bull RB16

(Temporada 2020)

Red Bull Racing-Honda RB16
Motor: Honda
Combustível: ExxonMobil
Pneus: Pirelli

Pilotos:

33 - Max Verstappen

23 - Alexander Albon

Alonso é TAXATIVO sobre seus rivais Hamilson e Schumacher e "se compara" a algoz Vettel; veja

PODCAST: Kimi Raikkonen, 'apenas' um grande personagem ou um verdadeiro campeão?

 

compartilhar
comentários
F1: Albon diz que precisa ganhar confiança com carro da Red Bull para melhorar

Artigo anterior

F1: Albon diz que precisa ganhar confiança com carro da Red Bull para melhorar

Próximo artigo

Honda se diz disposta a seguir cooperando com Red Bull após saída da F1

Honda se diz disposta a seguir cooperando com Red Bull após saída da F1
Carregar comentários