Kubica: Temporada 2019 da F1 valeu a pena por "encerrar capítulo"

Polonês afirmou que retorno improvável foi oportunidade para encerrar sua história na F1 e mira futuro em outras categorias

Kubica: Temporada 2019 da F1 valeu a pena por "encerrar capítulo"
Carregar reprodutor de áudio

Robert Kubica afirmou que seu retorno à Fórmula 1 em 2019 "encerrou um capítulo" e que "valeu a pena" apesar do ano complicado que teve com a Williams nesta temporada, já que a equipe britânica teve problemas técnicos e se viu andando no fundo do grid.

Leia também:

Kubica era um dos destaques da Fórmula 1 até 2011, quando sofreu um acidente em uma prova de rali em que teve um dos braços severamente ferido. No entanto, o polonês fez um inesperado retorno depois de oito anos afastado das pistas e embora tenha tido um desempenho inferior ao do companheiro de equipe, George Russell, conseguiu somar o único ponto da Williams no ano.

O vencedor do GP do Canadá de 2008 disse que embora a temporada não tenha sido o que ele e a Williams esperavam para seu retorno "quase impossível", foi "definitivamente uma conquista".

"Eu estava meio que dividido, e acho que voltando à Fórmula 1 eu encerrei um capítulo, o qual provavelmente tenha sido o mais importante da minha vida", disse o polonês quando questionado como avaliava a temporada".

"Olhando para o período em que passei com as circunstâncias do que aconteceu e qual a conseqüência do acidente em 2011, é claro, quando você volta à F1, reabre ou continua um capítulo, que provavelmente é difícil de se avaliar, porque o ano foi muito complicado".

"Você vive para conquistar e voltar à Fórmula 1 e quer fazer o melhor nas corridas, quer entregar, quer correr, e isso é algo que mais senti falta neste ano".

Perguntado se ele achava que seu retorno tinha valido a pena, Kubica disse: "Não vou dizer que valeu a pena ou não" antes de acrescentar: "Sou uma pessoa que está vivendo desafios, que está tentando alcançar os objetivos e tentando encontrar qual é o seu caminho".

"Eu queria tentar ver se conseguia pilotar e se podia voltar, apesar de estar ausente há muito tempo e ter limitações. [Mas] se tiver que responder se valeu a pena, Eu digo sim".

Após deixar a Williams no fim da temporada, Kubica afirmou ainda estar negociando seu futuro. O mais provável é que o polonês feche contrato com alguma equipe do DTM e possivelmente exerça papel de piloto de testes na F1.

Quer ver Fórmula 2, Fórmula 3, Indy e Superbike de graça? Inscreva-se no DAZN e tenha acesso grátis por 30 dias a uma série de eventos esportivos. Cadastre-se agora clicando aqui.

Do alto do pódio ao fim do grid; relembre a carreira de Robert Kubica na F1:

Chegada à F1
Chegada à F1
1/27
Robert Kubica foi promovido com a BMW Sauber, com quem deteve o papel de piloto de reserva durante as primeiras corridas da temporada de 2006. Ele chegou aos 21 anos de idade.

Foto de: XPB Images

GP da Hungria 2006
GP da Hungria 2006
2/27
Robert Kubica estreou na F1 substituindo Jacques Villeneuve na equipe da BMW Sauber. Ele terminou em sétimo, mas foi desclassificado porque seu carro estava 2 quilos abaixo do peso mínimo de acordo com os regulamentos. Na imagem, um momento de seu primeiro fim de semana em que ele perdeu a asa da frente.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP da Itália 2006
GP da Itália 2006
3/27
Em apenas seu terceiro GP na F1, Robert Kubica conquistou o primeiro pódio de sua carreira, acompanhando Michael Schumacher (Ferrari) e Kimi Raikkonen (McLaren).

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP do Canadá 2007
GP do Canadá 2007
4/27
Robert Kubica, com o BMW Sauber F1.07, sofreu um terrível acidente depois de tocar a roda traseira direita da Toyota de Jarno Trulli. Ele foi de um lado para o outro do circuito, atingindo as duas paredes e dando vários giros. Ele perderia a próxima corrida, em Indianápolis, onde Sebastian Vettel estreou como seu substituto.

Foto de: Andrew Ferraro / Motorsport Images

GP da Malásia 2008
GP da Malásia 2008
5/27
Kubica ficou em segundo no GP da Malásia em 2008, no segundo pódio de sua carreira, o primeiro dos oito que ele alcançaria durante aquela temporada.

Foto de: Hazrin Yeob Men Shah

GP de Mônaco 2008
GP de Mônaco 2008
6/27
Naquela que foi sua segunda participação no GP de Mônaco, Kubica subiu ao pódio com Hamilton e Massa.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP do Canadá 2008
GP do Canadá 2008
7/27
O melhor dia para Kubica e Sauber na F1. Juntos, eles venceram o GP do Canadá, com uma dobradinha para o time. O polonês tornou-se líder do Mundial por quatro pontos sobre Lewis Hamilton, um dos pilotos envolvidos no acidente na saída do pitlane, que colocou a corrida a favor de Kubica.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP do Brasil 2009
GP do Brasil 2009
8/27
Kubica encerraria 2009 alcançando seu único pódio naquele ano em uma temporada em que a equipe da BMW Sauber deu um grande passo para trás antes de a montadora alemã deixar a F1.

Foto de: Andrew Ferraro / Motorsport Images

GP da Austrália 2010
GP da Austrália 2010
9/27
Kubica ficou em segundo no teste inicial da temporada 2010, o GP da Austrália, em sua estreia com a equipe Renault, a mesma com a qual anos atrás ele havia testado pela primeira vez uma F1.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP de Mônaco 2010
GP de Mônaco 2010
10/27
Em 2010, pela segunda vez em sua carreira, Kubica subiu ao pódio no GP de Mônaco. Ele ficou em terceiro depois de ter conseguido começar na primeira fila do grid.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP da Bélgica 2010
GP da Bélgica 2010
11/27
O último pódio de Robert Kubica até agora foi no GP da Bélgica em 2010, no qual terminou em terceiro.

Foto de: XPB Images

GP de Abu Dhabi 2010, um adeus inesperado
GP de Abu Dhabi 2010, um adeus inesperado
12/27
A corrida que encerrou a temporada de 2010 foi a última disputada por Robert Kubica na Fórmula 1 antes de seu retorno em 2019.

Foto de: XPB Images

Teste para começar 2011 antes da tragédia
Teste para começar 2011 antes da tragédia
13/27
Robert Kubica ia disputar a temporada de 2011 com a equipe Lotus Renault e ele esteve na primeira sessão de testes de pré-temporada em Valência. Esta foto é de 3 de fevereiro daquele ano, apenas três dias antes de seu infeliz e grave acidente no rali que quase o levou a ter sua mão direita amputada.

Foto de: XPB Images

Fim da primeira passagem
Fim da primeira passagem
14/27
Ele foi substituído na equipe e tentou se preparar para retornar em 2012, algo que não seria possível devido a suas limitações físicas.

Foto de: XPB Images

O que teria acontecido com sua carreira?
O que teria acontecido com sua carreira?
15/27
Anos depois, Kubica revelou que havia assinado um contrato com a Ferrari para 2012 . Ele teria sido companheiro de seu amigo Fernando Alonso e estaria em um time capaz de conquistar vitórias e lutar pelo título.

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Retornar a um carro de F1 seis anos depois
Retornar a um carro de F1 seis anos depois
16/27
Sem opções na Fórmula 1, Kubica voltou aos ralis e testou em diversas categorias (GT, Fórmula E, WEC...). A Renault permitiu que ele fizesse um teste em Valência, em junho de 2017, com o carro de 2012. Ele deu 115 voltas e começou a avaliar suas opções.

Foto de: Renault F1

Segundo teste
Segundo teste
17/27
Um mês depois, em Paul Ricard, Kubica deu 90 voltas.

Foto de: Renault F1

Seu teste mais real
Seu teste mais real
18/27
Kubica foi confirmado pela Renault para disputar o teste pós-GP da Hungria 2017, seu primeiro teste de fogo.

Foto de: Sutton Motorsport Images

Ao volante de um carro contemporâneo
Ao volante de um carro contemporâneo
19/27

Com o # 46 no RS17 da Renault, Kubica foi o quarto no seu retorno. Deu mais de 140 voltas com o volante modificado para se adaptar às suas condições. Ele deixou uma impressão muito boa e abriu novamente a possibilidade de um retorno em 2018.

Foto de: Sutton Motorsport Images

O estado do seu braço
O estado do seu braço
20/27
"Há pessoas dizendo que o piloto está em uma mão, não estou dirigindo com uma mão", ele precisou esclarecer. "Eu acho que é impossível competir em uma F1 com apenas uma mão, mas eu tenho algumas limitações e, de certa forma, meu corpo geralmente compensa, o que não é ruim."

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Descartado pela Renault, aos olhos da Williams
Descartado pela Renault, aos olhos da Williams
21/27
A Renault escolheu Carlos Sainz e fechou a porta para Kubica. No entanto, a Williams notou-o e acrescentou-o à lista de pilotos candidatos para ser companheiros de equipe de Stroll em 2018.

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Teste com a Williams
Teste com a Williams
22/27
Kubica fez com o carro de 2014 o que a Williams descreveu como um "teste bem-sucedido". A equipe britânica queria avaliar o status do piloto e analisar suas opções.

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Teste oficial com a Williams
Teste oficial com a Williams
23/27
Após dois dias privativos ao volante do Williams FW40 de 2017, Kubica disputou os testes de final de temporada em Abu Dhabi. A Williams o declarou "apto" para competir na Fórmula 1.

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Completa o sonho ... no meio do caminho
Completa o sonho ... no meio do caminho
24/27
Kubica conseguiu retornar à Fórmula 1 em 2018, mas não como titular. A Williams optou por Sirotkin e o polonês teve que se contentar em ser um piloto reserva. "Eu fui honesto demais ao falar sobre minhas limitações", lamentou Robert.

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Seu papel como testador
Seu papel como testador
25/27
Durante 2018 ele jogou os testes de pré-temporada e apareceu em sessões de treinos livres, mantendo sua candidatura para ser titular em 2019.

Foto de: Sutton Motorsport Images

Volta para a Fórmula 1 em tempo integral
Volta para a Fórmula 1 em tempo integral
26/27

Com a saída de Stroll e depois de deixar de lado Sirotkin, a Williams queria um parceiro experiente para o jovem Russell, que assinou para 2019. Robert foi finalmente escolhido e nove anos depois se tornou parte do grid.

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Seu segundo debute
Seu segundo debute
27/27
Seu retorno não foi o desejado. Depois de uma série de fracassos e problemas, ele foi o último em classificação e corrida na Austrália. A tônica se manteve ao longo do ano, exceto no GP da Alemanha, em que Kubica pontuou.

Foto de: Joe Portlock / Motorsport Images

Siga o Motorsport.com Brasil no TwitterFacebookInstagram e Youtube.

compartilhar
comentários
"Hamilton ainda é melhor que Verstappen", afirma Helmut Marko
Artigo anterior

"Hamilton ainda é melhor que Verstappen", afirma Helmut Marko

Próximo artigo

Análise técnica: Red Bull evolui chassi e avança com motor Honda

Análise técnica: Red Bull evolui chassi e avança com motor Honda