Mercedes explica confusão por pit stop de Hamilton no fim do GP

Britânico fez ponto extra pela volta mais rápida e superou companheiro Bottas, que terminou em terceiro

Mercedes explica confusão por pit stop de Hamilton no fim do GP
Carregar reprodutor de áudio

No final do GP da Hungria de Fórmula 1, o vencedor Lewis Hamilton, da Mercedes, fez um pit stop para colocar pneus novos e fazer a volta mais rápida da prova, ganhando o ponto extra em Hungaroring.

Entretanto, segundo o chefe da equipe alemã, houve uma “confusão” ao planejar a parada final do piloto britânico em Budapeste. De acordo com Toto Wolff, porém, o time pode aprender com o ocorrido.

Leia também:

O hexacampeão liderava com quase 30s de vantagem para o holandês Max Verstappen, da Red Bull. A 10 voltas do fim, a Mercedes informou Hamilton que estava planejando o pit stop final para fazê-lo disputar o ponto extra.

Entretanto, houve uma indefinição quanto aos compostos de pneus a serem colocados no carro do britânico, de modo que o piloto foi instruído a aguardar por uma decisão do engenheiro de corrida Pete Bonnington.

No final da volta 66, Hamilton foi chamado para os boxes para colocar um novo conjunto de pneus macios, o que lhe permitiu registrar a volta mais rápida da corrida e marcar o ponto extra em Budapeste.

Questionado pelo Motorsport.com sobre a indefinição anterior à última parada do hexacampeão mundial, Wolff explicou que a equipe havia mudado de planos quanto a fazer uma parada tardia na manhã anterior à largada.

"Nossa comunicação não foi boa em relação a isso", admitiu o dirigente austríaco, que comanda o time desde a temporada 2013. "De manhã, concordamos que não iríamos tentar uma volta mais rápida, pois correríamos muito risco.”

"A chamada para o pit na volta 60, também para nos protegermos contra um eventual carro de segurança, certamente seria a decisão certa, mas a diferença [para a Red Bull de Verstappen] nunca foi suficientemente confortável.”

“Voltaríamos apenas um, dois ou 2,5 segundos à frente, depois pegaríamos o tráfego dos retardatários. Então, nós nos comunicamos com Lewis. No final, foi um pouco confuso, mas, a algumas voltas no final, ele fez a volta mais rápida. Acho que há muito a aprender com a conversa no rádio que tivemos”, concluiu o reflexivo Wolff, cujo discurso foi complementado por fala de Hamilton após o GP da Hungria.

"Temos que ponderar os riscos. Não forcei tanto, foi uma volta totalmente controlada. Já perdi um campeonato por um ponto, eu sei o quão crucial é maximizar a cada momento”, disse mencionando o título perdido para o finlandês Kimi Raikkonen em 2007.

"Estamos em um ano em que não sabemos como será a cofiabilidade, não sabemos quão longa será a temporada”, ponderou Hamilton. Por ora, o calendário da categoria em 2020 é composto por mais sete etapas, mas há expectativa por provas complementares.

PÓDIO: Bastidores do GP da Hungria com comentários de di Grassi e Rico Penteado

compartilhar
comentários
F1: Livre após investigação, Albon diz que se divertiu durante GP da Hungria
Artigo anterior

F1: Livre após investigação, Albon diz que se divertiu durante GP da Hungria

Próximo artigo

Stroll vê GP da Hungria positivo para equipe e defende: "O pódio era uma possibilidade hoje"

Stroll vê GP da Hungria positivo para equipe e defende: "O pódio era uma possibilidade hoje"