Potência, combustível eficiente e 'super motor': como a Ferrari pode estar um passo à frente das rivais na F1 2022

Primeiros testes da unidade de força da escuderia indicaram recuperação de pelo menos 20 cavalos após introdução do etanol, que 'assombra' fabricantes

Potência, combustível eficiente e 'super motor': como a Ferrari pode estar um passo à frente das rivais na F1 2022
Carregar reprodutor de áudio

Boas notícias chegam de Maranello: não só o motor Superfast está dando resultados positivos, mas também o centro de pesquisas ao qual a Shell confiou o estudo do combustível E10 para a Ferrari, com uma gasolina que tornou possível encontrar a potência que todos os fabricantes perderam com a introdução do etanol. A escuderia homologa um motor que parece capaz de desafiar Mercedes e Honda.

A novidade pode parecer uma surpresa no final do ano, mas na Fórmula 1 as reviravoltas a nível técnico não existem, pois as melhorias de desempenho são apenas fruto de muito trabalho. No nível da unidade de potência, os construtores decidiram que a grande mudança para 2022 seria a introdução do combustível E10 nos monopostos de efeito solo, ou seja, uma mistura de 90% de compostos fósseis e 10% de etanol.

Leia também:

A entrada do etanol obrigou os engenheiros a redesenhar as câmaras de combustão dos 6 cilindros. Com isso, a perda de potência de cerca de 20 cavalos, estimada por Mattia Binotto, é o campo de pesquisa em que todos os fabricantes (Mercedes, Ferrari, Honda e Renault) estão trabalhando para fechar uma lacuna que, é claro, afetou a todos da mesma maneira.

Pelas poucas notícias filtradas da Ferrari, tudo indica que o motor de 2022, pronto para ser homologado e congelado até 2025, teria superado de forma brilhante os valores de potência do 065/6 que encerrou o campeonato, tanto pelas qualidades de design da unidade projetada pelo engenheiro Wolf Zimmermann, sob a direção técnica de Enrico Gualtieri, e pelas qualidades químicas do mais recente combustível desenvolvido pela Shell.

Charles Leclerc, pilota Ferrari F1, al Shell Trackside Lab

Charles Leclerc, pilota Ferrari F1, al Shell Trackside Lab

Photo by: Ferrari

A gigante do petróleo holandesa foi elevada a 'parceira da inovação' desde fevereiro, quando foi renovado o acordo plurianual que a vincula à escuderia, função que não é mais apenas de patrocinadora e fornecedora de gasolina e lubrificantes, mas também com um papel fundamental na análise e estudo de combustíveis ecológicos para a F1 do presente e do futuro.

O primeiro exemplo desta estreita colaboração é a resposta rápida com que o centro de pesquisa encarregado do E10 para a Ferrari conseguiu superar a desvantagem de 20 cavalos estimada por Binotto no Superfast.

Resumindo, não houve apenas trabalho no novo motor em uma tentativa de preencher a lacuna de potência entre a Mercedes e a Honda, mas o desafio se expandiu para todos os campos que podem contribuir para o desempenho. E a habilidade do mundo da F1 é tanta que supera qualquer dificuldade ou problema com pesquisa e inovação.

Nas bancadas de teste dos motores de gestão desportiva finalmente respira-se um ar de confiança: os resultados obtidos são ainda superiores aos definidos no projeto. O salto inquestionável de qualidade, porém, terá que ser medido com o trabalho que os adversários fizeram. Portanto, as primeiras respostas sobre a competitividade efetiva da Ferrari devem ser obtidas nos testes de pré-temporada.

Un rifornimento della Ferrari 312B nel 1970: la collabirazione con la Shell è sempre stata importante per la Scuderia

Un rifornimento della Ferrari 312B nel 1970: la collabirazione con la Shell è sempre stata importante per la Scuderia

Photo by: Rainer W. Schlegelmilch / Motorsport Images

GIAFFONE fala da SAÍDA DA F1 DA GLOBO PARA A BAND, comenta QUÍMICA com colegas e aborda CAOS de 2021

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #155 - Piores da F1 2021: Quais pilotos/equipes decepcionaram? Masi é consenso?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: McLaren pode dar oportunidades a estrela da Indy em 2022; entenda
Artigo anterior

F1: McLaren pode dar oportunidades a estrela da Indy em 2022; entenda

Próximo artigo

F1: Button espera ter mais tempo com a Williams após restrições da Covid-19 em 2021

F1: Button espera ter mais tempo com a Williams após restrições da Covid-19 em 2021
Carregar comentários