MotoGP: Rossi é liberado para correr no GP da Europa

Piloto italiano conseguiu entregar dois testes negativos de Covid-19 em 24 horas e está liberado para entrar no paddock

MotoGP: Rossi é liberado para correr no GP da Europa
Carregar reprodutor de áudio

Após testar positivo para Covid-19 e perder as duas provas da MotoGP em Aragón, Valentino Rossi conseguiu entregar dois resultados negativos em 24 horas e está liberado para correr no GP da Europa deste fim de semana em Valência.

O multicampeão da categoria anunciou seu diagnóstico positivo dias antes do início do GP de Aragón, primeira de duas provas no local e perdeu também o GP de Teruel, não sendo substituído por ninguém na Yamaha.

Leia também:

O piloto italiano voltou a testar positivo na terça, o que levou a montadora a convocar o piloto do Mundial de Superbike Garrett Gerloff para substituí-lo. Mas Rossi testou negativo na Itália na quinta, podendo sair de sua quarentena para viajar a Valência, onde também conseguiu um resultado negativo.

Devido ao tempo necessário para processar o resultado, Rossi ficou de fora dos treinos de sexta no circuito Ricardo Tormo. A Yamaha ainda não confirmou, mas o Motorsport.com apurou que Rossi foi liberado para correr neste fim de semana.

Gerloff chegou a participar dos testes desta sexta no lugar de Rossi, terminando o TL1 em 16º, ficando a apenas 1s5 do melhor tempo no TL2, com a pista secando. Sua participação marcou a primeira presença de um piloto americano na MotoGP desde Nicky Hayden substituiu Dani Pedrosa em Phillip Island em 2016.

A performance forte de Gerloff na tarde chegou a colocá-lo no Top 5 em uma parte da sessão antes de cair na classificação. O americano fez sua estreia no WSBK com a equipe satélite da Yamaha, a GRT, em 2020, conquistando três pódios para terminar em 11º no campeonato.

Rossi voltará à ação em meio a uma grande controvérsia envolvendo a Yamaha, após ter sido considerada culpada de usar motores ilegais no GP da Espanha, primeira etapa da temporada.

A Yamaha quebrou o regulamento de congelamento de motores antes da primeira rodada em Jerez para colocar novas válvulas nas unidades, alegando questões de confiabilidade.

Mas a Yamaha não teve apoio da Associação de Montadoras para fazer tal mudança, algo que a equipe classificou como um "descuido". Isso representou uma quebra no regulamento, perdendo 50 pontos no campeonato de construtores, com a equipe oficial e a Petronas SRT perdendo também 20 e 37 pontos, respectivamente.

A Yamaha insiste que não agiu de má fé e que as válvulas tinham um design idêntico aos homologados na pré-temporada.

A montadora ainda tem outra dor de cabeça no final de semana: Maverick Viñales, que é candidato ao título, terá que largar do pitlane em Valência após a Yamaha ser forçada a colocar um sexto motor em sua moto, ultrapassando o limite de cinco por temporada.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Pai de Verstappen 'mete a colher' e aponta quem prefere entre Pérez x Albon x Hulk para vaga da RBR

PODCAST: Hamilton blefa ou fala a verdade ao ameaçar deixar a F1?

 

compartilhar
comentários
MotoGP divulga calendário provisório de 20 etapas para 2021 com volta às Américas
Artigo anterior

MotoGP divulga calendário provisório de 20 etapas para 2021 com volta às Américas

Próximo artigo

MotoGP: Márquez e equipes repercutem falta de punição a pilotos em caso Yamaha

MotoGP: Márquez e equipes repercutem falta de punição a pilotos em caso Yamaha