ANÁLISE: A Red Bull tem motor para lutar pelo título mundial?

compartilhar
comentários
ANÁLISE: A Red Bull tem motor para lutar pelo título mundial?
Por:
21 de mar de 2019 16:18

Time austríaco surpreende e se anima com primeiro pódio em parceria com a Honda, mas ainda gera dúvidas quanto a performance real

O primeiro pódio da Honda na era híbrida impulsionou um grande entusiasmo na Red Bull. Seu consultor de esporte a motor, Helmut Marko, também inclui agora o seu time principal entre as equipes que almejam o título mundial, embora o RB15 tenha ficado a mais de 22 segundos da Mercedes de Valtteri Bottas no GP da Austrália.

Também importante, a equipe de Milton Keynes demonstra à Renault que, mesmo com a motorização japonesa, é capaz de alcançar resultados hoje que no ano passado eram impensáveis.

Helmut Marko festeja terceiro lugar da Red Bull

Helmut Marko festeja terceiro lugar da Red Bull

Photo by: Steven Tee / LAT Images

O que surpreende é que Marko insiste que a Red Bull está correndo "para tentar vencer o campeonato mundial". Um desejo que deve deixar Max Verstappen feliz. O holandês de 21 anos espera há alguns anos ter um carro com o qual possa brigar pelo título mundial para tentar ser o campeão mais jovem da história.

Membro da Red Bull Racing acerta espelho de Max Verstappen

Membro da Red Bull Racing acerta espelho de Max Verstappen

Photo by: Erik Junius

Desde o início do inverno, Marko vem afirmando que a parceria com a Honda trará resultados extraordinários, longe do que vimos nos últimos cinco anos com a Renault. "Agora podemos projetar o carro ideal", disse à Gazzetta dello Sport. ”Então nos sentamos com os engenheiros para estudar como fazer com o resfriamento do motor. Antes de pegarmos o motor, tivemos que adaptar o carro".

Em suma, Helmut queria sublinhar a transição. Mas ao mesmo tempo que o pódio de Verstappen merece todo a repercussão que gerou, deixa no ar a pergunta se o RB15 é realmente um carro vencedor.

Max Verstappen, Red Bull Racing, festeja o primeiro pódio da Honda na era híbrida

Max Verstappen, Red Bull Racing, festeja o primeiro pódio da Honda na era híbrida

Photo by: Jerry Andre / Sutton Images

Não só para ganhar um GP (no ano passado o RB14 com a unidade de potência da Renault ganhou quatro), mas para lutar pelo campeonato mundial. Porque ao lado do desastre da Ferrari, a Red Bull realmente desafiou a Mercedes.

A Ferrari acabou errando totalmente em sua abordagem para Melbourne, ao decidir levar um carro ‘errado’ para o Albert Park, mas questiona-se como isso transforma em favorito para o campeonato mundial um time que chegou a mais de 22 segundos do vencedor Valtteri Bottas. E Max Verstappen, com um carro em perfeitas condições, não conseguiu ultrapassar Lewis Hamilton, que tinha um problema em seu assoalho.

A Red Bull não deve ser subestimada, mas no momento não parece ter as ferramentas para assustar a Mercedes. Entretanto, o cenário pode mudar durante a temporada, quando os japoneses levarão o motor para a pista com o esperado aumento de potência.

Red Bull Racing RB15, detalhe do motor RA619 Honda

Red Bull Racing RB15, detalhe do motor RA619 Honda

Photo by: Giorgio Piola

Alguns meios de comunicação, na euforia do pódio da Red Bull, estimaram que o motor japonês de seis cilindros estaria a 10 cv do novo motor Mercedes. Algo que, francamente, parece muito otimista.

Que Honda ultrapassou a unidade da Renault, é mais do que nunca possível. Mas ainda não está a altura de Ferrari e Mercedes, o que não significa que o interessante RA619H não possa evoluir no segundo e terceiro propulsores.

Red Bull Racing RB15

Red Bull Racing RB15

Photo by: Erik Junius

Em contraste, a Red Bull está dando o máximo no desenvolvimento do RB15. O carro desenhado por Adrian Newey parece bem nascido, com algumas soluções aerodinâmicas muito interessantes.

Red Bull RB15: novo bargeboard

Red Bull RB15: novo bargeboard

Photo by: Mark Sutton / Sutton Images

Em Milton Keynes, os engenheiros continuaram o desenvolvimento dos bargeboards que se conectam aos desviadores de fluxo nas laterais. Em Melbourne, a solução tentada no fim do teste de Barcelona – destruída por Pierre Gasly ao bater na segunda semana – foi vista nos RB15s.

Red Bull RB15: parte frontal do chassi

Red Bull RB15: parte frontal do chassi

Photo by: Giorgio Piola

O trabalho de refinamento executado no duto-S também foi muito preciso. Na apresentação do carro, o ponto havia despertado a curiosidade, mas na Austrália observou-se como sob o chassi uma quilha está colocada para resfriar a eletrônica, enquanto mais acima você vê a saída do duto-S.

Red Bull Racing RB15: detalhe da lateral da asa dianteira

Red Bull Racing RB15: detalhe da lateral da asa dianteira

Photo by: Giorgio Piola

Na asa dianteira, o corte na parte superior da borda lateral foi uma modificação para Melbourne. A Red Bull utilizou a ideia da Ferrari, de que é melhor deixar o ar passar fora das rodas dianteiras (conceito conhecido como in-wash).

Próximo artigo
Russell: Não quero apenas disputar com Kubica, mas entendo momento

Artigo anterior

Russell: Não quero apenas disputar com Kubica, mas entendo momento

Próximo artigo

F1: Hakkinen vê semelhanças entre sua evolução e a de Bottas

F1: Hakkinen vê semelhanças entre sua evolução e a de Bottas
Carregar comentários
Seja o primeiro a receber as últimas notícias