Últimas notícias

ANÁLISE F1: Ferrari encerra desenvolvimento do F1-75

Mattia Binotto oficializou que com a estreia do assoalho usado no Japão, a equipe não trará nenhum outro desenvolvimento técnico já que a escuderia italiana gastou todo o orçamento desta temporada e está se concentrando apenas no próximo carro

Ferrari F1-75 new floor, Japanese GP

Giorgio Piola

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica de Giorgio Piola

A Ferrari não planeja mais desenvolver o F1-75 neste restante de temporada na Fórmula 1. A equipe escuderia italiana desviou todos os recursos humanos, técnicos e financeiros para o carro do próximo ano, depois que o fundo modificado foi visto em Suzuka fazendo sua estreia em ambos os carros no GP do Japão.

Leia também:

Mesmo que a chuva tenha dificultado a primeira saída do tão esperado elemento aerodinâmico, os indícios que os técnicos de Maranello tiraram foram positivos, então não houve dúvidas em usar o fundo que Carlos Sainz teve a oportunidade de testar em Fiorano durante o Teste de demonstração de 15 km que antecedeu o GP de Singapura.

Os rumores foram confirmados pelo próprio Mattia Binotto, chefe da equipe: "O fundo representa o mais recente desenvolvimento desta temporada". A escuderia, portanto, chegou a gastar o último "troco" concedido pelo teto orçamentário, de modo que os pilotos disputarão as quatro rodadas restantes da temporada 2022 com o material que está à disposição dos engenheiros dirigidos por Enrico Cardile.

Ferrari F1-75: ecco il nuovo fondo a confronto con quello di Singapore

Ferrari F1-75: ecco il nuovo fondo a confronto con quello di Singapore

Photo by: Giorgio Piola

A última geração do fundo é reconhecível pelo design diferente da antepara mais externa que altera significativamente a tendência do fluxo. O bordo de fuga superior foi elevado e agora ainda mais longo com uma adição na parte final do desviador de fluxo. As intervenções diziam respeito à forma inferior.

O alvo? Gerenciar a turbulência que é gerada com a rotação da roda dianteira e que suja o fluxo dos fluxos dentro dos canais Venturi. Foi desde o início do campeonato que a aerodinâmica de Diego Tondi se comprometeu a buscar a máxima eficiência nessa delicada área do carro para encontrar desempenho.

Ferrari F1-75 il nuovo fondo portato al GP del Giappone

Ferrari F1-75 il nuovo fondo portato al GP del Giappone

Photo by: Giorgio Piola

Ferrari F1-75 il vecchio fondo visto sino a Singapore

Ferrari F1-75 il vecchio fondo visto sino a Singapore

Photo by: Giorgio Piola

Na frente das rodas traseiras, no entanto, foi observado o movimento do tirante que bloqueia a flexão do pavimento desde o final do piso, até a rampa do extrator traseiro. O que parecia ser o deslocamento banal de um acessório, na verdade está associado a uma disposição diferente das fibras com o mesmo desenho, sinal de que as deformações programadas dos materiais mudaram com respostas muito diferentes naquela área do fundo.

A Ferrari parece ter encontrado boas performances em Suzuka, mas a F1-75 continua a registar um desgaste anómalo dos pneus dianteiros: enquanto os dois pilotos da Red Bull terminaram as 28 voltas do mini-GP do Japão com pneus intermédios ainda esculpidos, Charles Leclerc chegou ao final com a frente direita muito desgastada, praticamente lisa.

O vermelho sofre com o superaquecimento do trem dianteiro o que limita o desempenho em qualquer stint independente dos compostos utilizados, sinal de que há algo de endêmico no carro que os técnicos ainda não entenderam. Sem encontrar uma solução adequada para este problema, é difícil pensar que a Ferrari possa voltar ao sucesso antes do final do campeonato.

Mattia Binotto deu a entender que, talvez, Charles Leclerc tenha exagerado ao forçar os pneus intermediários nas primeiras voltas, mas o monegasco no molhado não quis deixar Max Verstappen escapar. Cabe aos engenheiros encontrar a causa do "mal escuro" e colocar o piloto em condições de extrair todo o valor do F1-75, um carro bem nascido do qual a Scuderia nunca conseguiu, se não no início da temporada, para aproveitar ao máximo seu potencial.

Os riscos que a Red Bull corre em função da quebra do teto de gastos

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura durante nossos programas. Não perca!

Podcast: feitos da RBR podem ser 'manchados' por violação do teto de gastos?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Verstappen acreditava que seria bicampeão mundial após GP da França
Próximo artigo F1: Apenas um piloto foi bicampeão com mais vitórias que Verstappen

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil