ANÁLISE F1 - Ferrari motivada: Desenvolvimento do F1-75 não para

Escuderia entende que o campeonato está perdido, mas não quer parar tentativas de superar Red Bull

Ferrari F1-75 new floor comparison

Os testes comparativos realizados por Carlos Sainz em Monza confirmaram a validade do último fundo: a opinião do espanhol e o tempo de volta corroboraram os dados das simulações. Em Maranello, portanto, decidiram não parar a evolução do carro da Ferrari desta temporada em busca de desafiar a Red Bull nas próximas temporadas.

Leia também:

O F1-75 sofre com as variações de temperatura e trabalha em uma janela estreita para transferir a energia certa para os pneus. No GP da Itália, a afinação aerodinâmica estava muito exausta. A Ferrari encontrou a chave para o problema. Monza deu um impulso à equipe, mesmo a derrota vindo no GP que comemorava o Centenário do Autódromo, após a brilhante pole position de Charles Leclerc.

Mattia Binotto traçou uma imagem precisa após o GP da Itália, confiando que o espaço para respirar concedido pelo cancelamento do GP da Rússia permitirá à Scuderia analisar os dados com força total para enfrentar a última parte da temporada com uma nova ambição.

Charles Leclerc, Ferrari F1-75

Charles Leclerc, Ferrari F1-75

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

“Ter mais dias nos permitirá uma melhor preparação para os próximos compromissos. Além do resultado, Monza nos fez entender que depois de quatro corridas difíceis estamos no caminho da recuperação”.

“A pole de Leclerc e a terceira colocação de Sainz mostram que na qualificação podemos sempre lutar pela posição na pole, enquanto na corrida a degradação dos pneus continua superior à da Red Bull. Vamos trabalhar nessa frente para melhorar, pois a temporada ainda não acabou e vamos continuar lutando pela vitória”.

Mattia Binotto, team principal Ferrari

Mattia Binotto, team principal Ferrari

Photo by: FIA Pool

Em Maranello eles querem reconectar um fio que foi interrompido no Red Bull Ring no GP da Áustria e o GP de Singapura virá na hora certa porque a pista de Marina Bay é que melhor se adapta às características do F1-75. Olhando, em vez disso, para a conclusão do campeonato, as próximas duas corridas, Suzuka e Austin, parecem mais favoráveis ​​ao RB18, enquanto as três últimas podem ser consideradas contestáveis.

Mas de onde vem esse entusiasmo recém-descoberto na Ferrari? Das respostas que vão surgindo dos dados coletados na fábrica: os técnicos não interferiram no desenvolvimento da última evolução do assoalho que foi apresentado em Paul Ricard.

Dettaglio dell'ala posteriore scarica della Ferrari F1-75 vista a Monza

Dettaglio dell'ala posteriore scarica della Ferrari F1-75 vista a Monza

Photo by: Giorgio Piola

A dúvida legítima que pairava na equipe era que as diferentes bocas dos canais Venturi sob as barrigas representavam a primeira parada de um crescimento que havia sido constante ao longo da temporada. Um alarme soou após quatro corridas em que a Ferrari apresentou degradação anômala dos pneus, em comparação com o desempenho do campeonato anterior e em comparação com o crescimento dos rivais.

A Red Bull certamente melhorou, como a Mercedes, enquanto a Ferrari parecia ter dado um passo atrás. O teste comparativo realizado por Carlos Sainz no TL1 em Monza com os dois assoalhos deu resultados precisos: a versão mais recente não está errada e representa um avanço em relação à antiga. Talvez um salto menor do que o esperado pelo menos em comparação com o do RB18, mas não havia nada a falhar.

La Ferrari F1-75 con la vernice flov-viz sulla singola beam wing e nel diffusore

La Ferrari F1-75 con la vernice flov-viz sulla singola beam wing e nel diffusore

Photo by: Giorgio Piola

E a Ferrari encontrou o cruzamento positivo de três dados diferentes: a opinião do piloto espanhol, o feedback cronométrico nas mesmas condições da pista e também confirmado pelas simulações. Então, tendo removido o dente de ter que redefinir o desenvolvimento, a atenção dos técnicos se concentrou no equilíbrio do F1-75.

O carro funciona com uma janela de uso de pneus mais estreita do que no início do ano e a degradação dos pneus, como os britânicos chamam, aumenta à medida que certos parâmetros mudam. Entre os treinos livres de sexta-feira e a corrida houve um aumento das temperaturas no asfalto o que levou a sofrer mais do que o esperado nos pneus traseiros.

A traseira começou a escorregar e ficou claro que em Maranello eles podem ter exagerado na descarga do carro para encontrar as velocidades máximas essenciais em Monza. Alguns graus de diferença na pista foram suficientes para determinar um comportamento diferente do carro que impediu Charles Leclerc de desafiar Max Verstappen em pé de igualdade. E também o ritmo de Carlos Sainz com o último composto de pneus macios no F1-75 agora vazio de gasolina foi menor do que as simulações, sinal de que ainda há trabalho a ser feito para encontrar o caminho para o sucesso.

Ferrari F1-75, dettaglio del motore 066/7

Ferrari F1-75, dettaglio del motore 066/7

Photo by: Giorgio Piola

O que vimos no "templo da velocidade" é uma Ferrari que não quer desistir da tentativa de superar a Red Bull. O campeonato mundial está perdido, mas o desejo de interromper a sequência de vitórias do campeão holandês é concreto. E Singapura representa imediatamente uma grande oportunidade: a pista da cidade combina com as qualidades de tração e aceleração do carro.

A Scuderia ainda tem algumas evoluções guardadas para tentar fechar a lacuna diante da equipe de Milton Keynes: o medo de que o fio de desenvolvimento tenha se perdido poderia bloquear as atualizações, enquanto a luz verde que veio do GP da Itália deixa esperança de que a ditadura de Verstappen possa ser interrompido por uma Ferrari com muita vontade de desferir um golpe.

Podcast #195 - Fantasma de Abu Dhabi assombra Monza: o que mudar na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Artigo anterior F1: Alexander Albon recebe alta e se recupera em casa
Próximo artigo F1: Veja os pilotos candidatos a substituir Fernando Alonso na Alpine em 2023
Assinar