Análise

ANÁLISE: Por que carreira de Latifi na F1 merecia se tornar mais do que um 'meme' da internet

Canadense não seguirá com Williams em 2023; piloto foi vítima de abusos on-line após episódio em Abu Dhabi no ano passado

Nicholas Latifi, Williams FW44

Através de todas as discussões e considerações do mercado de pilotos da Fórmula 1 para 2023, o futuro de Nicholas Latifi, ou de fato, a falta de futuro com a Williams, sempre foi dita como certo.

Já no fim da primavera, quando começavam a surgir os primeiros rumores do plano da Alpine de colocar Oscar Piastri na Williams para o próximo ano, a escrita parecia estar na parede para Latifi. Suas dificuldades na pista significavam que não havia muito para fortalecer seu caso de manter sua direção na equipe na temporada seguinte, tornando a confirmação de que seu contrato não seria estendido um anúncio sem surpresa.

Leia também:

Mas a notícia da a Latifi a oportunidade de agora dar os próximos passos em sua carreira como piloto e oferecer um encerramento. Sua três temporadas na F1 não deram os resultados que ele queria, mas também incluíram algumas circunstâncias extremamente difíceis: uma pílula difícil de engolir depois de tantos anos se preparando para dar o passo e realizar seu sonho de ser um piloto da maior categoria do automobilismo.

Nicholas Latifi se juntou ao grid em 2020 com uma quantidade considerável de provas em seu currículo, tanto em sessões privas como oficiais, e demonstrou na F2 que tinha ritmo para dar o próximo passo. No entanto, como a Williams ainda se recuperava da desastrosa temporada de 2019, afastada do resto do grupo da F1, sempre seria difícil para ele causar impacto.

Isso antes de considerar que a temporada se complicou por conta da COVID, o que atrasou sua estreia até julho e além do fato de que Latifi tinha um talento como George Russell para lidar do outro lado da garagem. Não foi um ponto de partida fácil para um novato.

A estreia de Latifi na F1 em 2020 veio depois que a pandemia empurrou o início do ano para julho

A estreia de Latifi na F1 em 2020 veio depois que a pandemia empurrou o início do ano para julho

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Os primeiros avanços chegaram no ano passado quando a Williams começou a encontrar mais rendimento, voltando para a parte traseira do meio campo. A corrida de pernas para o ar na Hungria permitiu a Latifi conquistar sues primeiros pontos na F1 com o sétimo lugar, dando a equipe sua primeira pontuação em mais de dois anos.

As lágrimas de Russell podem ser o acordo primordial desse dia, mas os esforços de Latifi também foram chave. Outro ponto se seguiu em Spa quando chegou a chuva e interrompeu o processo, dando a ele o nono lugar depois de uma classificação sólida no sábado.

E então Abu Dhabi aconteceu.

O impacto do final da temporada passada na F1 como um todo é bem conhecido, mas Latifi é às vezes um nome esquecido na história. Quando começaram as consequências começaram, se viu submetido a ridículas acusações, abusos e até mesmo ameaças de morte, cuja gravidade o fez temer por sua própria segurança. Era doentio pensar que um piloto de corridas que simplesmente cometeu um erro tinha que ser objeto de ataques tão cruéis nas redes sociais.

Latifi pode ter trabalhado para tentar seguir em frente desde Au Dhabi, mas é mais fácil dizer do que fazer. Teria um grande impacto mental em qualquer um, não importa o quão forte ela possa ter se tornado em seu treinamento como atleta de elite. Em uma entrevista recente no The High Performance Podcast, o chefe da Williams, Jost Capito, disse que pensava que os efeitos de Abu Dhabi haviam afetado a performance do canadense no início da temporada.

“Foi extremamente difícil”, disse Capito. “Quem não passou por isso não tem ideia de como é. Mesmo se você desligar sua mídia social, você está em contato com outras pessoas que ainda a veem. Você sabe que está acontecendo e você simplesmente não pode fugir.

“Tenho certeza de que isso afetou sua pilotagem. Estou convencido desse fato. Eu posso entender e é por isso que lhe demos confiança e o apoiamos durante toda a temporada.”

Latifi was subjected to threats and abuse after his crash caused the title-deciding safety car at Abu Dhabi

Latifi was subjected to threats and abuse after his crash caused the title-deciding safety car at Abu Dhabi

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

A luta de Latifi pela forma em comparação com seu companheiro de equipe continuou mesmo quando Russell foi substituído por Alex Albon. Ele ficou perplexo com o carro, desabafando sua frustração depois do Canadá dizendo que “não havia realmente nada de agradável” em sua corrida. Uma mudança de chassi em Silverstone deu a ele o conforto que não tinha anteriormente, e ele esperava que a Williams o julgasse a partir de então - mas quando Nyck de Vries alcançou os pontos em Monza como substituto tardio, parecia ser o último prego no caixão para as esperanças de Latifi de ficar por 2023.

Poucos podem adoçar os resultados da Latifi nos últimos três anos. Mas ele merecia mais do que sua carreira na F1 se tornar uma espécie de meme, seja piadas que remetem a Abu Dhabi, o apelido de 'GOATifi', ou tirando sarro de algumas de suas performances de qualificação, tudo em busca de influência nas mídias sociais.

Não está claro o que o futuro reserva para Latifi. Ele desfrutou de vínculos com uma equipe na F1 desde 2018, quando fez sua estreia nos treinos da Force India enquanto ainda corria na F2. Uma grande mudança acontecerá agora se ele procurar opções em outras categorias. O canadense disse em Zandvoort que não estava pensando muito em opções fora da F1 até saber o que o futuro reservava para a Williams.

Mas espero que ele possa se juntar à longa lista de pilotos que, depois de ver suas carreiras em GPs estagnarem, desfrutam de sucesso em outros lugares, seja na Indy, na Fórmula E ou nas corridas de carros esportivos. Existem muitas opções para ele.

O foco agora será que Latifi aproveite as últimas corridas com a Williams, absorva a experiência de correr na F1 e, se ainda estiver perseguindo algum tipo de redefinição mental ou alívio devido ao impacto do abuso que enfrentou Abu Dhabi, encontre essa paz de espírito.

VÍDEO: O rumor sobre da Matta comandar a Audi na F1

Podcast #196 - Após recorde, qual Alonso ficará para a história da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Williams confirma que Latifi está fora da equipe em 2023
Próximo artigo F1: Ferrari avalia novo assoalho na esperança de melhora em Singapura

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil