ANÁLISE: Por que tensão entre Red Bull e Mercedes não diminuirá?

Relação entre as melhores equipes da atualidade ficou mais desgastada após incidentes na Grã-Bretanha e Hungria e, provavelmente, não tranquilizará

ANÁLISE: Por que tensão entre Red Bull e Mercedes não diminuirá?
Carregar reprodutor de áudio

Será que a tensão entre Red Bull e Mercedes na Fórmula 1 diminuirá após as férias de verão da categoria e os ânimos dos incidentes em Silverstone e Budapeste ficarem mais calmos?

Antes do GP da Hungria, os chefes das duas melhores equipes do grid sugeriram que querem deixar as coisas particulares para trás, depois que os comissários da FIA decidiram não levar adiante o recurso da escuderia austríaca para aumentar a punição a Lewis Hamilton pela colisão na Grã-Bretanha.

Leia também:

"Não era a resposta que esperávamos, mas aceitamos e agora fechamos o capítulo e seguimos em frente", comentou Christian Horner, da Red Bull.

"Acho que a F1 precisa de conteúdo e polêmica e, contanto que seja em torno do esporte, pode ser bastante divertido", disse Toto Wolff, da Mercedes.

O chefe da equipe alemã continuou: "No entanto, existem certos limites que precisamos respeitar. O esporte deve se unir e não criar mais polarização, principalmente em uma categoria que não pode estar mais orgulhosa dessa fase de diversidade e igualdade."

"Precisamos apenas acertar as palavras e, portanto, tentar diminuir a tensão ao invés de aumentar", acrescentou.

A realidade é que essas palavras em particular representam apenas uma trégua superficial em uma batalha que deve continuar não apenas até o final desta temporada, mas também nos próximos anos.

Para a Mercedes em 2021, a meta é alcançar não apenas um oitavo campeonato mundial para Hamilton, mas também o oitavo consecutivo para a equipe. A dor de perder no último ano das regras atuais seria intensa.

Lewis Hamilton, Mercedes in the garage

Lewis Hamilton, Mercedes in the garage

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

A Red Bull, por sua vez, não ganha desde seu último título com Sebastian Vettel em 2013. A equipe sabe que finalmente tem um carro que pode dar a Verstappen o primeiro campeonato que ele claramente merece e é também o último ano com a Honda como fornecedora.

Ambas as equipes estão cientes de que os regulamentos de 2022 representam uma reinicialização completa e, embora seu nível de recursos e impulso geral signifiquem que eles provavelmente continuarão a liderar, isso não é de forma alguma garantido. Nenhuma das escuderias querem que o troféu escape sem luta.

Nesse contexto, é compreensível que o acidente de Silverstone, com perda de pontos e um impacto de US$ 1,8 milhões (cerca de R$ 9,5 milhões) no gasto máximo do orçamento do time de Milton Keynes tenha se tornado seu foco.

Horner e Wolff estão no centro da tempestade. Eles são duas personalidades poderosas que não conseguiram se tornar pilotos de corrida, mas, ajudados por estar no lugar certo na hora certa quando assumiram suas funções atuais, se estabeleceram como fortes líderes fora da pista.

Ambos estão longe de serem os primeiros chefes a se enfrentarem. Em 1976, Teddy Mayer, da McLaren, e Daniele Audetto, da Ferrari, lutaram tanto quanto seus respectivos pilotos James Hunt e Niki Lauda, ​​e nos anos posteriores, representando as mesmas equipes, Ron Dennis e Jean Todt mal bebiam juntos.

Mesmo desde aquela era de Michael Schumacher vs. Mika Hakkinen, as apostas tornaram-se cada vez maiores. O campeonato mundial sempre foi o objetivo, mas agora as escuderias são muito maiores, com mais funcionários e há mais dinheiro para ganhar e gastar.

De certa forma, Horner e Wolff carregam responsabilidades imensas sobre os ombros, mais do que seus predecessores, e isso, por sua vez, aumenta a pressão sobre eles.

"A F1 é um negócio competitivo", disse Christian na quinta-feira. "Na pista e fora dela. Obviamente, este ano já vimos sagas sobre as asas flexíveis, dos pit stops, entre outros problemas que vocês nem estão cientes. A competição é acirrada. E em uma disputa como a que estamos agora, tudo se resume a ganhos marginais e não deixar pedra sobre pedra."

"É a primeira vez que a Mercedes ocupa esta posição na era híbrida. Nosso foco é tentar obter o máximo de desempenho possível de nossos pilotos, dos carros e de toda a equipe. Acho que o time fez um trabalho fenomenal na primeira metade do ano, e agora tudo depende do que fizermos na segunda parte."

Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing

Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

"Eu acho que a rivalidade será intensa, e espero que não haja precedentes do que aconteceu no GP da Grã-Bretanha, mas é inevitável em um esporte como este, com o que está em jogo, que haja forte competição dentro e fora da pista, porque isso é Fórmula 1."

"E, no final das contas, os que mais se beneficiam disso são os espectadores, ao verem uma disputa esperançosamente boa e justa."

Acima de tudo, os chefes de equipe protegem seus próprios funcionários e, naturalmente, os pilotos estão no topo da lista. Assim como Horner ficou decepcionado com a percepção de falta de respeito por parte das comemorações de Hamilton em Silverstone enquanto Verstappen estava no hospital, Wolff ficou frustrado com o que viu como comentários injustamente críticos de Christian e Helmut Marko sobre o britânico.

"Suas emoções estão altas", disse Horner. "É por isso que é esporte. Acho que todos temos direito a uma opinião e a principal preocupação era a segurança de nosso piloto."

Após a decisão dos comissários da FIA de não levar adiante o recurso da escuderia austríaca de estender a punição de Lewis na Grã-Bretanha, a Mercedes foi rápida na resposta em suas redes sociais: "Esperamos que esta decisão marque o fim de uma tentativa concertada pela alta cúpula da Red Bull para manchar o bom nome e integridade esportiva de Lewis Hamilton ".

Essa foi uma mensagem bastante direta.

"Acho que queríamos trazer um pouco de respeito de volta à discussão", explicou Wolff. "Entendemos que as emoções podem estar intensas e é sempre uma questão de perspectiva e percepção, mas sentimos que essa linha foi ultrapassada."

"As observações que foram feitas durante e após o GP em Silverstone foram apenas elaboradas mais detalhadamente no documento e nem sempre olhando apenas para o incidente, mas dando-lhe um sabor mais amplo. E isso estava além de outras coisas, apenas um passo longe demais."

"Acho que comentários feitos, sem dúvida por emoção, vão diretamente contra um heptacampeão mundial. Palavras como amador não deveriam ter lugar."

Wolff esperava um pedido de desculpas a Hamilton?

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes AMG

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes AMG

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

"Todo mundo precisa decidir se quer se desculpar ou não", disse Wolff. "Não depende de mim e nem Lewis gostaria de exigir qualquer pedido."

Horner afirmou não estar muito preocupado com o ponto de vista de seu rival: "Acho que a declaração da Mercedes é um pouco antagônica, digamos assim? Eu realmente não li muito sobre isso."

“Nunca foi nada pessoal sobre um único piloto, e sim sobre os eventos que aconteceram e uma competição entre dois caras. Não é individual para ninguém. Se fosse qualquer outro, a reação teria sido idêntica."

"Mesmo um heptacampeão mundial comete erros ou faz julgamentos errados. Isso é apenas um fato da vida. Portanto, em nenhum momento isso foi direto para Lewis e teria sido igual a qualquer piloto e equipe do grid."

E quanto ao resto da temporada? No final das contas, é tudo sobre o que acontece no caminho certo. Está nas mãos de Verstappen e Hamilton para mantê-la justa - ambos são os melhores da atualidade e são perfeitamente capazes de correr roda a roda, no limite, mas sem ultrapassá-lo, como demonstraram em várias corridas no início do campeonato.

"É o automobilismo: perigoso, e por isso que acho que o respeito e a cabeça fria precisam prevalecer na pista", comentou Wolff. “Acho que é um grande campeonato e vamos continuar assistindo."

“Creio que a narrativa que é sempre emocionante quando há tanta rivalidade entre grandes pilotos. Como sabemos pela vida, nunca está 100% certo ou errado. Quando você olha os comentários é bastante dividido: 50% dizem que Lewis foi o culpado [em Silverstone] e 50% falam que foi Max. Portanto, todos terão sua própria percepção."

Horner concorda com as altas expectativas de Toto: "Estamos prontos para uma segunda metade do ano fascinante. É inevitável que esses dois comecem bem próximos nas 12 ou 13 corridas restantes. Obviamente vimos o resultado daquele incidente e só espero que não tenha um papel significativo no resultado do mundial e dos próximos GPs."

"Queremos boas provas. Duras e justas, e acho que é exatamente isso que gostaríamos de ver no equilíbrio deste campeonato."

Independente do que Hamilton e Verstappen façam no circuito, é improvável que as coisas fiquem mais silenciosas nos bastidores.

"É uma competição", afirmou Horner. "Todos os departamentos estão disputando contra a Mercedes. Os pilotos e equipes viram a intensidade até agora neste ano. Tenho certeza que o segundo semestre será tão bom quanto o primeiro."

F1 2021: Verstappen SUPERIOR a Hamilton? Holandês se gaba de ser MAIS RÁPIDO; veja debate

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast – A primeira metade do campeonato da F1 foi a mais incrível dos últimos anos?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
ANÁLISE: Como Hamilton ajudou Norris a ter mais autoconfiança
Artigo anterior

ANÁLISE: Como Hamilton ajudou Norris a ter mais autoconfiança

Próximo artigo

F1: Aston Martin perde recurso contra desclassificação de Vettel do GP da Hungria; equipe pode apelar

F1: Aston Martin perde recurso contra desclassificação de Vettel do GP da Hungria; equipe pode apelar