Chefe da Honda na F1 admite que fabricante saiu muito cedo da categoria

Masashi Yamamoto lamentou saída da marca, mas respeitou decisão da empresa e garantiu apoio à Red Bull a partir de 2022, quando equipe assumirá controle das unidades

Chefe da Honda na F1 admite que fabricante saiu muito cedo da categoria
Carregar reprodutor de áudio

O chefe da Honda na Fórmula 1, Masashi Yamamoto, lamenta que a fabricante japonesa tenha deixado a categoria muito cedo e espera que a marca retorne um dia.

Em outubro de 2020, a Honda anunciou que encerraria seu programa de F1 após a temporada de 2021, depois de sete anos fornecendo unidades de potência híbridas para primeiro a McLaren e depois AlphaTauri e Red Bull.

Leia também:

Isso levou a Red Bull a trazer o desenvolvimento do motor internamente em seu campus de Milton Keynes, atraindo funcionários da Honda e várias equipes rivais para liderar a nova divisão Red Bull Powertrains.

Depois de anos de dificuldades com a McLaren, a Honda finalmente fez melhorias drásticas em seus motores, o que permitiu à Red Bull competir com a Mercedes e permitir a Max Verstappen conquistar o campeonato mundial de 2021, em um confronto dramático com Lewis Hamilton.

Quando perguntado pelo Motorsport.com se a Honda deixou a F1 muito cedo, assim que começou a colher os frutos de seu trabalho, o diretor da Honda F1, Yamamoto, concordou com esse sentimento.

"Pessoalmente sim, eu concordo", disse Yamamoto. "Mas esta é obviamente uma decisão da empresa e eu entendo o caminho que a empresa quer seguir, então no final temos que aceitar isso.

“Mas sempre temos imaginação, então esperamos que um dia a Honda retorne à F1”.

Max Verstappen, Red Bull Racing, 1st position, celebrates on arrival in Parc Ferme

Max Verstappen, Red Bull Racing, 1st position, celebrates on arrival in Parc Ferme

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Enquanto Yamamoto admitiu que estava triste com a saída da Honda, ele disse que havia uma grande "satisfação em vez de alívio" em conquistar o campeonato de pilotos com Verstappen, o que significa que a Honda finalmente atingiu suas metas e não sairá com negócios inacabados.

“É claro que é triste, mas sabíamos disso desde outubro de 2020 e, portanto, sabíamos que tínhamos que pressionar por isso em 2021”, explicou.

"Nós adotamos uma mentalidade diferente e olhamos para a decisão de uma maneira diferente, tentamos dar tudo para atuar no tempo que ainda nos restava.

"Focamos em vencer o campeonato em nosso último ano e agora acho que completamos nosso trabalho na F1. Atingimos nossa meta, mesmo dentro do prazo que estabelecemos para nós mesmos.”

“Primeiro, tivemos uma parceria com a Toro Rosso e um ano depois a Red Bull entrou.”

Rico Penteado explica efeito solo dos carros da F1 em 2022

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #157 - Sucesso da F1 na Band e destaques de 2021: entrevista com editor Fred Sabino

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

 

compartilhar
comentários
F1 - Entenda a grande novidade do carro de 2022: o efeito solo
Artigo anterior

F1 - Entenda a grande novidade do carro de 2022: o efeito solo

Próximo artigo

F1: Alonso vê vantagem em ser o piloto mais velho do grid em 2022

F1: Alonso vê vantagem em ser o piloto mais velho do grid em 2022