Fórmula 1 GP da Grã-Bretanha

Danos no assoalho de Verstappen custaram cerca de um segundo de tempo de volta

Max Verstappen revela a escala de seus danos no assoalho depois de bater na Copse no Q1 para o GP da Inglaterra de F1

Max Verstappen, Red Bull Racing RB20

Max Verstappen foi informado de que os danos no assoalho causados por sua passagem pela brita na Copse no Q1 do GP da Inglaterra de Fórmula 1 lhe roubaram 100 pontos de downforce.

Leia também:

Em meio à ameaça de uma chuva no segmento de abertura da classificação, Verstappen estava fazendo muita força com os pneus slicks quando bateu em um trecho úmido na Copse, o que o jogou para fora do circuito e para a brita.

Embora ele tenha conseguido continuar e se recuperar para passar por cada segmento e terminar em quarto lugar no grid, seu RB20 havia sofrido danos na parte inferior que lhe tiraram o desempenho.

Perguntado se a equipe o havia informado sobre a quantidade de downforce que havia sido perdida, Verstappen disse: "Inicialmente, eram 100 [pontos], o que é muito. Reduzimos um pouco, mas era muito."

Embora não haja uma correlação exata entre a perda de pontos de downforce e o tempo de volta, geralmente se considera que 10 pontos equivalem a cerca de 0,1 segundo. Nesse caso, 100 pontos podem valer até um segundo.

Verstappen disse que o incidente na Copse se deveu ao fato de ele estar no lugar errado, na hora errada, quando a chuva caiu.

"O Q1, aquela saída, foi muito azarada", disse ele. "Saí da curva 7 em direção a Copse e começou a chover. Então, eu sabia que as pessoas à minha frente não tinham aquele trecho de chuva e, é claro, elas estavam com pneus slicks."

Max Verstappen, Red Bull Racing

Max Verstappen, Red Bull Racing

Foto de: Simon Galloway / Motorsport Images

"Eu sabia que, no Q1, precisávamos daquela volta de slicks, porque você nunca sabe se vai chover mais e, então, a sessão termina. Naturalmente, tentei manter a velocidade alta."

"Tive que pegar o cascalho, que destruiu o assoalho. Perdi várias peças do carro, embora a equipe tenha feito um bom trabalho ao tentar recuperar algumas peças e otimizar o equilíbrio entre a frente e a traseira, o que basicamente arruinou nossa classificação. Fiquei feliz por estar no Q3 com os danos que tivemos e estar em P4 é provavelmente uma surpresa positiva."

Enquanto a Red Bull trabalhava nos reparos do assoalho, Verstappen disse que o equilíbrio aerodinâmico continuava mudando - o que dificultou para ele encontrar consistência antes de uma volta final no Q3 que o levou para a segunda fila.

Perguntado sobre o esforço final, ele disse: "Ainda não foi ruim. Tive um pequeno momento na curva 4, mas, sinceramente, eles continuaram consertando o assoalho, então o equilíbrio mudava a cada volta. Eu estava mudando as coisas na minha roda a cada volta para tentar encontrar um compromisso melhor. Então, provavelmente, em alguns trechos, nós o deixamos no limite para compensar, mas ainda assim foi uma boa volta.

"Tentei ir até o limite, tentei realmente usar a pista sempre que pude, porque, naturalmente, em alta velocidade, a carga não estava lá, e eu estava indo mais devagar em algumas curvas em comparação com os treinos. Mas, sim, foi o melhor que pudemos fazer com os danos, eu acho."

Mercedes voa, Norris bate Max e GP promete ser insano; Pérez e Leclerc sofrem

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Verstappen x Norris: nasce uma nova guerra na Fórmula 1? Ouça debate

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 - Leclerc:"Sem desculpas, não temos ritmo há muito tempo"
Próximo artigo Por que a F1 terá de esperar até setembro para conhecer os planos de Newey

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil