Análise

F1: A história real por trás da ida de Piastri à McLaren

Batalha entre equipe de Woking e Alpine pelo australiano começou muito antes de se tornar a principal notícia das férias de verão

Oscar Piastri, Reserve Driver Alpine F1

A batalha entre McLaren e Alpine pelos serviços de Oscar Piastri em 2023 dominou as notícias da Fórmula 1 nas últimas semanas. Embora, em última análise, fosse uma questão para a Junta de Reconhecimento de Contratos (JRC) e custasse à Alpine quase £ 540.000 em taxas legais, também incluía a situação que às vezes levava a insultos pessoais.

Leia também:

Piastri tem enfrentado acusações de falta de "integridade" pelo diretor da Alpine, Otmar Szafnauer, por ter virado as costas ao time que ajudou a orientar sua carreira como parte de sua jovem Academia de Pilotos desde 2020. Piastri também foi alvo de críticas do chefe de equipe da Mercedes, Toto Wolff, que fez observações pontuais sobre 'integridade' e 'carma'.

Do outro lado da mesa, a McLaren enfrentou uma reação nas redes sociais pela forma como fechou um acordo com Piastri para 2023, enquanto ainda tinha Daniel Ricciardo sob contrato firme.

Mas com a poeira agora assentada sobre o caso, e ambos os lados tendo que apresentar à JRC sua verdade sobre a situação, surgiu uma imagem mais clara do que realmente aconteceu e a situação é muito diferente do que alguns presumiram.

O Motorsport.com falou com vários insiders que têm bom conhecimento dos procedimentos e desenvolvimentos, e a realidade é que ao invés do caso Piastri ser um caso de um jovem piloto implacável e sua equipe de gestão traindo uma equipe, era mais uma questão de eles se sentirem decepcionados e concluírem que não tinham outra opção a não ser procurar em outro lugar ou arriscar não conseguir nada.

E da perspectiva da McLaren, ela era culpada apenas por perseguir a formação de pilotos mais competitiva possível quando uma oportunidade única em uma geração caiu em suas mãos.

Os argumentos da JRC

Oscar Piastri, Alpine A521

Oscar Piastri, Alpine A521

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Entende-se que o caso entre a Alpine e a JRC girou em torno de saber se um acordo de "Folha de Termos" - mapeando vagamente os planos da Alpine para Piastri entre 2020 e 2023 - que foi apresentado à Junta de Reconhecimento de Contratos, deveria ter sido tratado como um contrato definitivo.

Este documento havia sido originalmente enviado ao Piastri e ao empresário Mark Webber em 15 de novembro de 2021 como parte de uma correspondência detalhando a resposta da equipe a ele.

Na época (e acordado em e-mails subsequentes), Alpine e Piastri/Webber ficaram claros que a melhor maneira de progredir a partir desta "Folha de Termos" era resolver dois contratos separados: um para ser reserva em 2022 e outro como piloto titular na Fórmula 1 para 2023/2024.

Em uma carta que o CEO da Alpine, Laurent Rossi, enviou naquela data, ele prometeu que um acordo adequado para presença de Piastri na F1 seria enviado em breve: "Com o objetivo de executar o mesmo o mais tardar 10 dias úteis após o recebimento do mesmo."

No entanto, não houve nenhum acordo - nem para o acordo de reserva, nem para um contrato de corrida - e entende-se que houve uma frustração crescente de Webber e da equipe de Piastri sobre os atrasos.

Na correspondência entre Webber e a equipe jurídica da Alpine nas semanas seguintes, ficou cada vez mais claro que as coisas não estavam acontecendo tão rapidamente quanto o ex-piloto de F1 gostaria. Isto foi inicialmente atribuído a 'gargalos' no sistema causados pela falta de recursos e, em seguida, mais atrasos à medida que a equipe se preparava para o lançamento de seu novo carro.

Em meio à construção do A522, no final de fevereiro, a equipe prometeu que as questões seriam definidas. Webber perguntou se o contrato poderia ser resolvido até 1º de março para que a equipe de Piastri pudesse ter tempo de avaliá-lo antes de assinar - antes da abertura da temporada no GP do Bahrein. Em 2 de março, foi prometido a Webber que o contrato estaria com ele mais tarde naquele dia.

Dois dias depois, no entanto, Webber recebeu um 'Projeto de Acordo de Piloto Reserva', com uma observação de que os detalhes de um contrato para piloto titular na F1 em 2023/2024 seguiriam na semana seguinte.

Este último acordo não chegou, pois em um primeiro momento foi explicado que houve atrasos causados pela organização de um papel de piloto reserva compartilhado com a McLaren que havia sido acordado com a Alpine.

Com a temporada da F1 se aproximando e a Alpine, obrigada pelo Pacto de Concórdia a apresentar uma solicitação de superlicença à JRC se Piastri poderia correr na pista, propôs que o arranjo para piloto reserva fosse aceito aprovado para que a superlicença fosse classificada. Então, um acordo separado para piloto de corrida titular em 2023 e 2024 poderia seguir em uma data posterior.

Fernando Alonso, Esteban Ocon, Oscar Piastri, Alpine

Fernando Alonso, Esteban Ocon, Oscar Piastri, Alpine

Photo by: Alpine

Com o contrato do piloto reserva não assinado pelo piloto ou pela equipe naquele momento, a Alpine enviou devidamente ao JRC, em 14 de março, um documento contendo a "Folha de Termos" de novembro de 2021 assinada por ambas as partes.

A equipe havia adicionado uma etiqueta no topo declarando que era um "Heads of Terms (documento que estabelece os principais termos de um acordo comercial alcançado entre as partes em uma transação) legalmente vinculativo", embora o que deveria sem um contrato fechado em um envelope selado e separado (para ser usado somente em uma disputa JRC) não tenha sido assinado e não apresentavam essas palavras.

Esta "Folha de Termos" também foi fundamentalmente intitulada como "Sujeito a contrato" e estabelecia o plano "provável" para Piastri ser um piloto reserva por um ano antes de ter uma vaga em potencial em 2023. Os documentos apresentados referiam-se especificamente apenas à função de piloto reserva em 2022 e não mencionavam quaisquer extensões ou opções a serem estendidas.

Um dia depois, a Alpine finalmente envio para Webber e Piastri sua proposta "Acordo F1", sem nada definido em termos de equipes para 2023 e além.

Isso só aconteceu em 19 de maio, quando Piastri recebeu uma proposta para assinar um contrato de quatro anos de 2023 a 2026. Mas, crucialmente, isso não era exclusivamente para correr pela Alpine, onde suas esperanças estavam depositadas. O cronograma estabelecido para ele era correr pela Williams em 2023.

Então, obviamente aguardando os planos originais da Alpine para Fernando Alonso, em 2024 Piastri ficaria na Williams para uma segunda temporada ou retornaria à Alpine se o espanhol deixasse a F1. Para 2025, foi decidido que Piastri teria um contrato firme de dois anos para correr na Alpine até o final de 2026.

Foi essa oferta - que não deu a Piastri nenhuma esperança de um futuro de curto prazo na Alpine - que se acredita ter sido a gota d'água para fazê-lo decidir não assinar e prosseguir. Em vez disso, Webber e Piastri concordaram que o melhor caminho a seguir era procurar em outro lugar – com as conversas informais já tendo começado com a McLaren nessa fase.

Fontes revelaram que a decisão da JRC observou que: "A Alpine estava hesitando sobre um contrato de piloto de F1 para o Sr. Piastri nos oito meses anteriores e agora eles estavam propondo um contrato de quatro anos começando com um acordo de empréstimo de dois anos com Willians.”

As conversas com a McLaren avançaram e, com a equipe compreendendo que já havia informado a Daniel Ricciardo, já em maio, que estava analisando outras opções para 2023, um acordo preliminar entre a equipe de Woking e Piastri foi assinado em 4 de junho. Entende-se que isto deveria inicialmente estar em um papel não especificado para 2023, no caso de Ricciardo ficar, mas obviamente com a intenção de que Piastri se aproximasse se uma separação ocorresse.

Com McLaren e Piastri satisfeitos ao saberem que ele não estava vinculado em outro lugar, com base no fato da Alpine ter apresentado ao JCR apenas a "Folha de termos Sujeito a Contrato" e as conversas com Ricciardo acelerando na direção clara de uma separação de caminhos, o contrato com a McLaren foi assinado em 4 de julho - sujeito a uma vaga para ele.

A postagem subsequente de Ricciardo no Instagram, em 13 de julho, sobre estar totalmente comprometido com a McLaren para 2023 deve, portanto, ser vista mais como uma tática de negociação. Isso teria como objetivo fortalecer sua mão quando se tratasse dos termos de uma rescisão, em vez de ser uma arma fumegante sobre ele não saber o que a McLaren estava fazendo nos bastidores - mesmo que ele não tivesse conhecimento específico sobre as datas das negociações realizadas com Piastri.

Com o contrato da McLaren para 2023 em vigor, Piastri manteve a cabeça baixa enquanto a equipe começava a finalizar os termos de sua separação com Ricciardo – que queria concluir antes de anunciar seus planos futuros de pilotos.

Entretanto, o assunto foi arrastado para o domínio público quando Alpine perdeu Alonso para Aston Martin no início das férias de verão e então anunciou Piastri para 2023 - levando o jovem a postar o infame tweet de que ele não estaria correndo pela equipe e desencadeando a eventual audiência da JRC.

A decisão final

Oscar Piastri, Alpine A521

Oscar Piastri, Alpine A521

Photo by: Jerry Andre / Motorsport Images

No final, a decisão da JRC foi unânime. A "Folha de Termos" sendo rotulada como "Sujeito a Contrato" significava que estava longe de ser válida e, sem que nada mais tivesse sido apresentado pela Alpine, a conclusão óbvia era que a McLaren era a única equipe com um contrato genuíno para 2023 e mais além.

Curiosamente, como um ato final de conflito entre Alpine e Piastri, a equipe argumentou ao CRB que o australiano deveria engolir seus próprios honorários legais de mais de £ 120.000, pois achavam que ele não era parte do processo.

O CRB rejeitou isso, pois sentiu que ele tinha todo o direito de ser representado. Uma outra reclamação da Alpine sobre o custo dos representantes legais da McLaren ser “excessivo” também foi descartada.

Seguindo em frente

Para a Alpine, além da perda da Piastri e dos custos legais totais de todas as partes que ela deve arcar, haverá lições importantes a aprender no futuro sobre como ela lida com seus pilotos e seus contratos. Cabe destacar que Szafnauer só se juntou à equipe no início de março, momento em que a situação já estava difícil: e pode não ter sido uma prioridade para ele focar em documentos já depositados na JRC.

Pressionado sobre o que seria a resposta da Alpine aos eventos, Szafnauer disse em Zandvoort: "Tudo isso aconteceu em novembro do ano passado, então acho que é fácil culpar as pessoas que não estão mais aqui, mas esse não é o meu estilo.

“A coisa certa a fazer é dar uma olhada no que aconteceu, entender onde estavam as deficiências e corrigi-las para o futuro.”

Embora pareça não haver debate sobre os aspectos legais da questão Piastri, entende-se que para Szafnauer permanece um sentimento desconfortável em relação à moral de como as coisas aconteceram.

Do lado da McLaren, embora encantada por ter conquistado um dos talentos em ascensão mais brilhantes que vimos em anos, ainda há uma sensação de desconforto sobre como Piastri foi injustamente pintado em alguns lugares nas últimas semanas, embora não pudesse dizer nada em público para defendê-lo.

Como o chefe da equipe Andreas Seidl disse em Zandvoort: “Acho que fiquei um pouco surpreso com alguns dos comentários que li também de pessoas que não tinham conhecimento detalhado do que realmente estava acontecendo.

“Acho que alguns desses comentários também foram inadequados, injustos e simplesmente não respeitando o que estava acontecendo.

"Se eu me vejo em tal situação, se só sei o que acontece de um lado, tento ficar longe de fazer comentários sobre ela. E acho que isso também é importante mencionar a fim de proteger Oscar".

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior GP da Itália de F1: Horários e como assistir etapa de Monza, que pode consagrar título de Drugovich na F2 e final da F3
Próximo artigo F1: Marko também se reuniu com Enzo Fittipaldi para 2023; entenda

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil