F1: Cosméticos "secretos" permitiram salto de potência da Red Bull; entenda

Empresa responsável pelo lubrificante dos motores da equipe utilizou produtos orgânicos ainda pouco conhecidos na categoria

F1: Cosméticos "secretos" permitiram salto de potência da Red Bull; entenda

A velocidade de reta da Red Bull é motivo de discussão no paddock e entre os fãs da Fórmula 1 desde o GP da França, ou seja, desde que a Honda colocou o segundo motor. As medições do nível de som, de fato, indicam um salto de cerca de quinze cavalos entre Baku e Paul Ricard, de forma a eliminar a vantagem sutil do motor Mercedes.

A ExxonMobil desenvolveu um novo lubrificante Mobil 1 que foi introduzido na unidade de potência da equipe no GP do Azerbaijão. É um óleo com componentes biológicos retirados da indústria cosmética e que permitem a redução da temperatura e do atrito no contato com os metais.

Leia também:

Isso significou mais confiabilidade, com a equipe austríaca podendo levar o desempenho ao limite sem medo de quebras, algo que já trouxe muitos problemas a eles no passado.

No centro de desenvolvimento da Mercedes, em Brixworth, o desafio é entender o que os engenheiros da Honda criaram para tornar o Red Bull RB16B de Max Verstappen imparável para as flechas de prata.

O sucesso do holandês no GP da Estíria gerou mais polêmica sobre o ganho de desempenho que teria resultado da unidade RA621 H.

Christian Horner, chefe da RBR, rechaçou qualquer suposição sobre um motor avançado: "O hardware de 6 cilindros é o que foi homologado no início da temporada, sem alterações mecânicas na segunda unidade."

"É assim que se explica o desempenho de velocidade de Max, levando em consideração que no GP da Espanha o RB16B perdeu vantagem para o W12 de Lewis Hamilton justamente por causa da maior potência do motor deles."

Não há dúvida de que a aerodinâmica de Pierre Wache deliberou uma aerodinâmica particularmente baixa, enquanto os rivais alemães "viajam" de acordo com Horner: "...como se tivesse um jato no carro."

A Mercedes também perde no arrasto porque o chassi gera menos carga e, assim, tem que recorrer a asas com mais incidência, destacando deficiências de design que nunca surgiram nos sete anos anteriores.

Valtteri Bottas, Mercedes, 3rd position, in Parc Ferme

Valtteri Bottas, Mercedes, 3rd position, in Parc Ferme

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

A capacidade de reação da equipe é limitada devido ao bloqueio do desenvolvimento do carro ditado pelo teto orçamentário, enquanto na Red Bull há mudanças corrida após corrida, em um refinamento das ideias de Adrian Newey.

A Honda trabalhou na confiabilidade, desenvolvimento concedido pelo regulamento, e em estratégias de recuperação híbrida. Ao estender a vida útil da unidade de potência, os japoneses conseguiram melhorar o desempenho.

Depois do GP da Estíria, Horner deixou escapar uma pista sobre o avanço do motor: "Tínhamos um novo lubrificante ExxonMobil. Portanto, é a eles o crédito pela superioridade que Lewis indicou no motor."

A novidade foi apresentada justamente no GP do Azerbaijão: o novo Mobil 1 tem a capacidade de melhorar a película protetora que o óleo deixa nas peças metálicas, protegendo o desgaste da unidade e permitindo uma redução do atrito que, inevitavelmente, resulta em um (pequeno) aumento de potência.

O grande fator é que o lubrificante não utiliza os componentes químicos tradicionais usados ​​no campo automotivo, mas da indústria de cosméticos, encontrando novos materiais que permanecerão secretos por enquanto.

Tomek Young, gerente de tecnologia da ExxonMobil Global Motorsport, disse ao Motorsport.com: “A área oferece muitos componentes de origem natural que são adequados para nós, pois eles têm muitos benefícios, como atrito superficial reduzido, metal e melhor dispersão de calor. Essas vantagens se traduzem na capacidade de operar o motor em uma faixa mais extrema"

A empresa estuda esses produtos orgânicos há oito anos, mas apenas no ano passado eles foram introduzidos no automobilismo graças à colaboração com a Honda e a Red Bull.

O engenheiro-chefe da equipe, Paul Monaghan, acrescenta: “Se a confiabilidade do motor tiver melhorado, será mais fácil para nós usarmos apenas três unidades por ano dentro dos limites do regulamento. Isso significa ser capaz de melhorar a eficiência, o que inevitavelmente se traduz em um pequeno aumento no desempenho."

Dario Izzo, Red Bull Racing ExxonMobil at work

Dario Izzo, Red Bull Racing ExxonMobil at work

Photo by: ExxonMobil

Em essência, a RBR quer extinguir as esperanças da Mercedes. Após o golpe de Spielberg, os técnicos das flechas de prata confiaram na maior confiabilidade da unidade de Brixworth, mas se mesmo nessa questão Milton Keynes encontrou respostas legítimas, será realmente difícil parar a supremacia de Max Verstappen.

Não só isso, mas a ExxonMobil abriu uma nova linha de pesquisa que pode dar maiores vantagens no futuro: criar um monoposto que use menor superfície para o sistema de lubrificação, permitindo um formato aerodinâmico com menor resistência que pode ser hipótese em 2022.

compartilhar
comentários
F1: Entenda por que os pit stops ficarão mais lentos a partir do GP da Hungria

Artigo anterior

F1: Entenda por que os pit stops ficarão mais lentos a partir do GP da Hungria

Próximo artigo

Wolff coloca supercarros de sua coleção à venda na internet; veja modelos

Wolff coloca supercarros de sua coleção à venda na internet; veja modelos
Carregar comentários