F1: Marko diz que México "não é muito mais seguro" do que ataques na Arábia Saudita

Consultor esportivo da Red Bull disse que Sergio Pérez estava um pouco mais "assustado" com situação dos ataques na Arábia, mas ficou surpreso porque "viver na Cidade do México não é muito mais seguro"

F1: Marko diz que México "não é muito mais seguro" do que ataques na Arábia Saudita
Carregar reprodutor de áudio

A sessão de sexta-feira do GP da Arábia Saudita de Fórmula 1 teve uma segunda história que mudou o cenário, com um ataque terrorista em uma instalação petroquímica perto do circuito de Jeddah.

No final do primeiro treino livre, uma nuvem de fumaça preta pôde ser vista do circuito. Isso veio de uma explosão que ocorreu nas instalações da petrolífera local da Aramco.

Leia também:

A Fórmula 1 atrasou o início da segunda sessão de treinos em meio às consequências do ataque posteriormente responsabilizado pelos houthis. Isso levou a uma reunião de emergência entre o CEO da F1, Stefano Domenicali, e os pilotos, bem como os chefes de equipe, para atualizá-los sobre o que estava acontecendo.

A nuvem de fumaça e seus efeitos foram percebidos da pista por alguns pilotos que estavam no primeiro treino, como Max Verstappen, que, segundo as palavras de Helmut Marko, consultor de automobilismo da Red Bull, o avisou por rádio.

“Isso não nos afetou diretamente. Max nos enviou uma mensagem de rádio. Ele pensou que seu carro estava pegando fogo porque havia um forte cheiro de queimado. Então verificamos todos os dados e não era isso. Mas ele notou o cheiro de queimado da explosão”, disse o austríaco à rede Sky Alemanha antes de mencionar o que a F1 explicou a eles.

“Em seguida, fomos informados de que um drone havia sido enviado do Iêmen. Os sauditas têm um sistema de defesa aérea e por algum motivo o drone não foi interceptado e então veio o ataque. Acho que o momento é deliberado. Os rebeldes sabem que terão muito mais publicidade na F1.”

Marko acrescentou que os pilotos têm encarado a situação de forma diferente e explicou a reação de Verstappen e Sergio Pérez.

“Max está um pouco mais relaxado sobre isso. Pérez está um pouco assustado, mas morar na Cidade do México não é muito mais seguro.”

“Temos a pandemia, temos a guerra na Europa e agora temos um ataque de míssil de fato a 20 quilômetros de nós. Não é mais normal ou legal."

Pérez não tem residência no México na capital do país, mas em seu estado natal, Jalisco.

Sobre os passos a seguir nas próximas horas, Helmut Marko indicou que o "correto" seria continuar com o fim de semana e confiar nos sistemas de segurança da Arábia Saudita.

“Como esses ataques de drones foram mencionados, acho que são frequentes. Eles têm um sistema de defesa muito bom. Agora temos que descobrir por que não funcionou. Afinal, não é o primeiro drone. Mas é o primeiro a atacar em larga escala. Não devemos deixar o terror intimidar completamente a vida normal. Devemos olhar agora e, se a segurança for garantida nos próximos dois dias, devemos continuar."

F1 AO VIVO: Veja TUDO dos treinos na Arábia Saudita em meio a BOMBARDEIO em Jeddah | SEXTA-LIVRE

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #169 - TELEMETRIA: Rico Penteado aponta o que GP na Arábia terá de diferente

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

compartilhar
comentários
SEXTA-LIVRE: Veja tudo dos treinos na Arábia Saudita em meio a bombardeio em Jeddah
Artigo anterior

SEXTA-LIVRE: Veja tudo dos treinos na Arábia Saudita em meio a bombardeio em Jeddah

Próximo artigo

F1 recebeu garantias que GP da Arábia Saudita será em segurança, diz Domenicali

F1 recebeu garantias que GP da Arábia Saudita será em segurança, diz Domenicali