MotoGP
14 ago
Evento encerrado
21 ago
Evento encerrado
R
GP da Grã-Bretanha
27 ago
Canceled
15 out
Próximo evento em
12 dias
R
GP de Aragón
16 out
Próximo evento em
13 dias
R
GP da Austrália
23 out
Canceled
R
GP de Teruel
23 out
Próximo evento em
20 dias
R
GP da Malásia
29 out
Canceled
R
GP da Europa
06 nov
Próximo evento em
34 dias
R
GP de Valência
13 nov
Próximo evento em
41 dias
R
GP de Portugal
20 nov
Próximo evento em
48 dias

Lorenzo revela que retorno à MotoGP em 2021 com Ducati quase aconteceu, mas diz que "carreira chegou ao fim"

compartilhar
comentários
Lorenzo revela que retorno à MotoGP em 2021 com Ducati quase aconteceu, mas diz que "carreira chegou ao fim"
Por:

Tricampeão da MotoGP falou também sobre o panorama da temporada 2020 com a ausência de Marc Márquez no grid

Ao longo de 17 temporadas como piloto na MotoGP, se teve mais alguma coisa que caracterizou Jorge Lorenzo além do seu tricampeonato na categoria rainha (2010, 2012 e 2015), era a sua honestidade - uma qualidade que não está muito presente no paddock e que nem sempre jogou a seu favor. 

Em uma entrevista exclusiva ao Motorsport.com, feita no último final de semana durante o GP de San Marino em Misano, Lorenzo revelou que esteve próximo de confirmar seu retorno à MotoGP em 2021 com a Ducati, mas que agora sua carreira está definitivamente encerrada, e analisa a situação atual do campeonato, incluindo a falta de Marc Márquez no grid.

Leia também:

"Não vou negar, em alguns momentos sinto falta de correr", disse. "A sensação de vencer é única e impossível de replicar. Mas outras coisas, como acidentes e o nervosismo pré-corrida não sinto nenhuma falta".

"Tenho que aceitar que não podemos ter tudo na vida e eu cheguei em um ponto que, após todas as minhas conquistas, os negativos superam os positivos. Por isso que decidi que era a hora de curtir tudo que conquistei". 

Sobre os rumores da Ducati, ele disse que houve uma "possibilidade muito real que quase se concretizou" e disse que a história de que ele havia se oferecido à equipe não aconteceu desse jeito.

"Durante a paralisação, recebi uma ligação de Gigi Dall'Igna [Gerente geral da Ducati] me desejando parabéns, e no final da conversa, por curiosidade, perguntei sobre o futuro da equipe e os pilotos".

"Pouco depois, Michele Pirro me mandou uma mensagem, brincando, mas com um fundo de verdade, perguntando se eu queria voltar à Ducati. Eu comecei a considerar a ideia, talvez pelo isolamento".

"Começamos a negociar, mas quanto mais isso avançou, mais eu comecei a repensar. Depois de dias de deliberação, eu disse não para Gigi. Fiquei mal porque eu deixei ele em uma situação ruim com a fábrica, algo que poderia ser evitado".

"A verdade é que sempre serei grato pela fé que eles demonstraram em mim mas, naquele momento, eu senti que precisava pensar em mim, e cheguei à conclusão de que ser um piloto de corrida não é mais para mim".

"Acho que posso dizer que minha carreira chegou ao fim, mas quero me manter envolvido com o esporte de algum modo".

Sobre a temporada atual, Lorenzo disse que a falta do piloto mais forte do grid, Márquez, teve um impacto no pensamento dos pilotos, criando uma temporada mais imprevisível.

"A Dorna fez um ótimo trabalho com o regulamento nos últimos anos, criando mais paridade entre as montadoras. Isso fica evidente nos tempos de volta e na distribuição de vitórias".

"É claro que a falta do piloto mais forte do grid tem um impacto nos demais. A falta de Marc fez outros pilotos acreditarem que eles têm uma chance genuína de serem campeões mundiais".

Lorenzo falou sobre os problemas atuais da moto da Honda e se a montadora precisa repensar o conceito da moto, algo que foi pedido por ele em 2019 e ainda falou sobre a chegada de Pol Espargaró à equipe oficial em 2021.

"Não acho que era a prioridade da Honda quando eles assinaram comigo, fazer uma moto mais fácil, mas, se eu tivesse ficado, eles teriam conseguido isso. A verdade é que Márquez tem um estilo inimitável e, a cada ano, a moto se adapta mais e mais para ele e se afasta dos demais".

"Acredito que Pol sempre acreditou que poderia fazer um bom trabalho na Honda e atingir um nível similar de Marc. Mas não acho que será nada fácil para ele, mas não seria a primeira vez que alguém me surpreenderia".

Sobre Viñales, Lorenzo disse que esperava mais do espanhol da Yamaha com a ausência de Márquez.

"Eu esperava mais dele antes do início da temporada porque ele estava forte no fim de 2019 e na pré-temporada. Parecia que ele tinha encontrado a confiança e a convicção para dar o passo adiante".

"Porém, isso não aconteceu ainda, e ele teve azar nas duas corridas da Áustria. Ele não sofre com falta de talento e velocidade mas, para vencer títulos, você precisa de tudo no lugar".

Após citar as corridas da Áustria, Lorenzo concluiu a entrevista falando sobre os acidentes no Red Bull Ring e como elas mostram que o esporte ainda tem muitos riscos.

"Esses episódios nos lembram que há muito risco em nosso esporte. Acidentes como aqueles podem mudar sua vida em um segundo. É por isso que, assim que você atinge os objetivos que havia determinado para si próprio, a coisa inteligente é fazer uma avaliação séria para decidir se vale ou não o risco".

RETA FINAL: Hamilton investigado, polêmica sobre relargada e má fase da Ferrari, com Rafael Suzuki

PODCAST: Vitória de Gasly prova que F1 é ambiente 'onde os fracos não têm vez'?

 

MotoGP: Rossi diz que Academia VR46 "criou cobras" após dobradinha em Misano

Artigo anterior

MotoGP: Rossi diz que Academia VR46 "criou cobras" após dobradinha em Misano

Próximo artigo

MotoGP: Viñales lidera teste em Misano marcado pela ausência de Morbidelli

MotoGP: Viñales lidera teste em Misano marcado pela ausência de Morbidelli
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria MotoGP
Pilotos Jorge Lorenzo
Equipes Ducati Team
Autor Oriol Puigdemont