Análise

MotoGP: Que obstáculos a Yamaha precisa superar para voltar a ter uma equipe satélite em 2025

Depois de garantir o futuro de Fabio Quartararo com a Yamaha, Lin Jarvis tem a missão de trazer de volta a equipe satélite da empresa japonesa no próximo ano

Valentino Rossi, Petronas Yamaha SRT, Lin Jarvis, 9 time world Champion bikes

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

Após 26 temporadas no comando da Yamaha, Lin Jarvis revelou neste fim de semana, em entrevista ao Motorsport.com, que 2024 será seu último ano como executivo mais sênior da marca na MotoGPAntes de encerrar esse capítulo, o britânico conseguiu prorrogar o contrato de Fabio Quartararo, o principal pilar do projeto, até o final de 2026.

Leia também:

Tendo garantido o 'sim' do 'Diabo', os esforços do dirigente agora estão concentrados em recuperar a equipe satélite da qual a Yamaha abriu mão no final de 2022, após não renovar com a RNF, que assinou com a Aprilia. Em um momento em que a análise dos dados da moto se tornou um elemento-chave na evolução dos protótipos, ter apenas duas M1s no grid é uma desvantagem óbvia que Jarvis está tentando corrigir.

No entanto, para realizar esse desejo, ele precisa convencer uma das equipes independentes, um obstáculo considerável, levando em conta que as únicas opções disponíveis seriam trocar a Ducati com a qual correm pela Yamaha.

É claro que a mudança não parece ser a mais brilhante, considerando a diferença de desempenho entre as duas. Até alguns meses atrás, a maioria das indicações sugeria que a  VR46 Racing Team era a estrutura certa para a aliança que a fábrica de Iwata está buscando. Especialmente por causa da ligação entre Valentino Rossi e o fabricante japonês, do qual ele ainda é a imagem.

No entanto, a realidade é que a equipe baseada em Tavullia está a um passo de estender seu compromisso com a Ducati pelos próximos dois anos (2025 e 2026), com a opção de ir ainda mais longe. Esse último não é um detalhe trivial, já que é agora que as peças estão sendo colocadas no tabuleiro que começará a ser jogado em 2027, quando os novos regulamentos técnicos entrarem em vigor, marcados pela redução do deslocamento do motor (para 850 cc) e pela limitação da aerodinâmica.

Davide Tardozzi, Team manager Ducati Team, saluda a Uccio Salucci. VR46 están muy cómodos con motos Ducati

Davide Tardozzi, gerente da equipe Ducati Team, cumprimenta Uccio Salucci. Os VR46 são muito confortáveis nas motos Ducati.

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

"Ainda estou otimista de que podemos ter uma equipe satélite novamente em 2025, porque é isso que queremos. Até onde eu sei, a VR46 e a Ducati ainda não formalizaram nada. Alcançar nosso objetivo seria a melhor notícia para o campeonato e para a Yamaha", concordou Jarvis em um bate-papo com o Motorsport.com em Austin.

Apesar das esperanças do chefe da Yamaha, a oferta que a VR46 recebeu de Borgo Panigale atende a quase todas as ambições da tribo Rossi. Alessio Salucci, seu empresário e braço direito de "Il Dottore", reconheceu isso de forma tão contundente para o escritor destas linhas. "A Yamaha é minha segunda casa. Mas, desde o início, o que eles deveriam nos oferecer é uma moto mais competitiva. A Ducati é uma ótima moto e seu desempenho é muito alto. Devemos isso aos nossos parceiros. A mudança não é fácil", comentou Uccio.

O único "porém" aos olhos de Salucci é que a empresa sediada em Bolonha não lhe dá a possibilidade de ter uma Desmosedici de fábrica nas próximas duas temporadas, já que a Pramac tem esse status exclusivamente. Pelo menos por enquanto.

Com a VR46 praticamente fora da equação, o foco da Yamaha agora é tentar recrutar a equipe de Paolo Campinoti e, para isso, usará a carta emocional. O Motorsport.com entende que Pramac tem até depois das férias de verão para executar uma opção que lhe dá o direito de renovar unilateralmente com a Ducati até 2026. Se ele assinar, manterá o privilégio de ser a única equipe com suporte de fábrica da marca italiana por mais duas temporadas. Depois de 2027, ele perderia essa exclusividade e, com ela, uma das duas motos oficiais - ele manteria uma -.

Dejará Paolo Campinoti, propietario de Pramac Racing, a Ducati para irse con Yamaha

O proprietário da Pramac Racing, Paolo Campinoti, deixará a Ducati e irá para a Yamaha.

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Por mais doloroso que esse rebaixamento possa ser, é difícil imaginar a Pramac considerando abrir mão de seu status atual. Aquele que lhe permite vencer corridas e lutar pelo título, e que lhe garante uma visibilidade que ele perderia se decidisse se juntar à Yamaha. Caso ele opte pela segunda opção, a VR46 provavelmente herdará essa posição cobiçada até 2026, passando de nenhuma M1 de fábrica para duas.

O relacionamento entre a Pramac e a VR46 tem sido tenso nos últimos tempos, e isso faz com que a Ducati esteja aberta a qualquer possibilidade. "Honestamente, não temos ideia do que a Pramac pode decidir", diz uma voz autoritária dos escritórios da Ducati no Circuito das Américas (COTA). Mudar das motos vermelhas para as azuis não é uma mudança simples do ponto de vista operacional, especialmente considerando a quantidade de recursos que a Ducati aloca para cuidar da Pramac, que não tem uma grande infraestrutura."

Se Campinoti optar por aproveitar o bom momento pelo qual sua equipe está passando, a Yamaha terá que olhar para o outro lado, e isso provavelmente o levará a tentar persuadir a Gresini. Ao mesmo tempo, a equipe de Faenza está tentando convencer a Ducati a fornecer a eles uma Desmosedici oficial em 2025, com a intenção de usá-la como um chamariz para Marc Márquez ficar.

Essa é uma possibilidade que parece improvável nesta fase de um filme em que há muitos que aspiram a um tratamento tão favorável por parte do construtor que domina o Campeonato Mundial, que, por sua vez, busca reduzir ao máximo seu investimento no campeonato.

Embora seja verdade que a Gresini estendeu seu contrato até o final de 2025, também é verdade que há uma cláusula de liberação vinculada a uma indenização. Nesse ponto, resta saber se a Yamaha estaria disposta a pagar o preço para colocar quatro M1s de volta no grid. A diferença de potencial que pode ser vista atualmente na pista entre a Ducati e a Yamaha explica perfeitamente o "overbooking" de pedidos que a primeira tem, e a escassez deles que a segunda sofre.

Una de las promesas 'confidenciales' que le ha hecho Yamaha a Fabio Quartararo es que en 2025 habrá equipo satélite

Uma das promessas "confidenciais" que a Yamaha fez a Fabio Quartararo é que em 2025 haverá uma equipe satélite.

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

Viñales FAZ HISTÓRIA, Acosta BRILHA e Márquez cai: CAOS da MotoGP nos EUA e o que vem pela frente...

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Tudo sobre o INSANO GP em Austin e as projeções da MotoGP 2024 no PÓDIO CAST #6

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior "Não me surpreende": Márquez aponta fator que levou Quartararo a renovar com Yamaha na MotoGP
Próximo artigo MotoGP: Márquez coloca nome de 'foguete' na lista de candidatos ao título em 2024

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil