F1: Entenda como Turquia e EUA viraram as principais dores de cabeça do calendário 2021

E apesar da F1 desconversar sobre o caso, as negociações para a entrada do Catar na vaga após o Brasil seguem aceleradas

F1: Entenda como Turquia e EUA viraram as principais dores de cabeça do calendário 2021

A Fórmula 1 pode ter publicado recentemente uma revisão do calendário da temporada 2021, mas a programação para o resto do ano segue com situação aberta. Ainda há questões sobre o destino do GP dos Estados Unidos em meio a um pico de casos de Covid-19 no Texas e as complexidades logísticas para a entrada no país, enquanto a Turquia segue sendo uma grande dor de cabeça para a categoria.

O CEO da F1, Stefano Domenicali, segue esperançoso com a possibilidade da prova de Istambul seguir adiante como o planejado, em 10 de outubro, apesar do país seguir na lista vermelha do Reino Unido.

Leia também:

No momento, cerca de mil pessoas de sete das dez equipes, além da organização da F1 e a FIA, Honda, Pirelli e a imprensa, teriam que cumprir uma quarentena obrigatória de dez dias ao retornar ao Reino Unido vindos da Turquia.

Tudo depende agora do país sair ou não da lista do governo britânico na próxima revisão, que está marcada para 16 de setembro, logo após o GP da Itália.

Durante o fim de semana na Bélgica, a F1 divulgou uma revisão do calendário, com várias mudanças programadas para facilitar a logística para o fim da temporada. Como parte desse processo, a Turquia, que estava programada para 03 de outubro, foi jogada para o fim de semana seguinte, no dia 10.

Logisticamente, isso ajuda, separando a prova do GP da Rússia. Assim, quem for a Sochi, pode voltar ao Reino Unido sem problemas e sem se preocupar com um cancelamento tardio da Turquia. A mudança também compra uma semana a mais após qualquer decisão do governo britânico sobre a zona vermelha. 

Se a Turquia não sair da lista na próxima semana, o plano provisório seria ter apenas o pessoal de montagem viajando para a Turquia, ficando fora do Reino Unido para o GP dos Estados Unidos, duas semanas depois, seja ao viajar diretamente para Austin ou com outra parada no caminho.

Porém, essa estratégia obviamente não é a melhor, e ainda precisaria de aprovação das equipes, caso se torne a única opção.

Já a prova em Austin vive seus próprios problemas, e a F1 segue negociando com as autoridades americanas sobre a quantidade de pessoas que poderão entrar no país, devido à determinação de que só entram pessoal "essencial".

No ultimo fim de semana, a F3 confirmou a mudança da última etapa de 2021 de Austin para Sochi, citando "mudanças logísticas inevitáveis que impactariam duramente os custos gerais do evento de Austin".

Já a organização da F1 fez questão de frisar que a decisão da F3 não impactaria em nada o planejamento do GP.

Valtteri Bottas, Mercedes AMG W10, leads Max Verstappen, Red Bull Racing RB15, Sebastian Vettel, Ferrari SF90, Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W10 Alex Albon, Red Bull Racing RB15, Charles Leclerc, Ferrari SF90, Carlos Sainz Jr., McLaren MCL34 and the rest of the pack tab the start

Valtteri Bottas, Mercedes AMG W10, leads Max Verstappen, Red Bull Racing RB15, Sebastian Vettel, Ferrari SF90, Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W10 Alex Albon, Red Bull Racing RB15, Charles Leclerc, Ferrari SF90, Carlos Sainz Jr., McLaren MCL34 and the rest of the pack tab the start

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Domenicali disse que o calendário atualizado divulgado em Spa segue firme no momento.

"Até aqui, é tudo o que entregamos em termos de informação", disse Domenicali ao Motorsport.com. "E, até aqui, tudo segue estável. Então vamos torcer para que não existam outras situações que tornem tudo mais crítico mas, até aqui, tudo está confirmado".

Sobre a prova em Istambul, ele disse: "Estamos monitorando a situação, e esperamos que tudo melhore. E a única coisa que sei é que as vendas estão indo bem na Turquia. E essa é uma ótima notícia".

A versão divulgada pela F1 em Spa inclui ainda uma etapa "a ser confirmada" para 21 de novembro, que ainda precisa ser oficializada como a estreia do GP do Catar, porque o evento ainda está sendo organizado.

Domenicali se recusou a atualizar sobre a situação da etapa, que será uma prova noturna.

"Como vocês sabem, confirmaremos qual será o próximo evento quando tivermos a confirmação. Se não, não teríamos anunciado como 'a confirmar'".

Mas, segundo apurado, os planos seguem a todo vapor para o evento no circuito de Losail, tradicional palco da MotoGP e que já recebeu a GP2 Asiática em 2009 e o WTCC entre 2015 e 2017.

Michael Masi, diretor de provas da F1, e o diretor esportivo Steve Nielsen visitaram a pista após o GP da Hungria e apontaram quais mudanças precisariam ser feitas para uma prova de F1.

Em meio às áreas apontadas estão as entradas dos boxes, além de barreiras e zebras, que estão em um modelo mais voltado a corridas de motos do que de carros. Os prédios temporários no paddock para uso das equipes também precisarão de melhorias.

F1 2021: Saiba CINCO fatores que MUDAM na Mercedes com RUSSELL ao lado de HAMILTON

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #129 - A aposentadoria de Raikkonen e tudo sobre o GP da Holanda

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Horner acredita que diferença entre Red Bull e Mercedes é de 0s1

Artigo anterior

F1: Horner acredita que diferença entre Red Bull e Mercedes é de 0s1

Próximo artigo

Podcast #130 - Bottas: piloto que deixou a desejar ou talento ‘sacrificado’?

Podcast #130 - Bottas: piloto que deixou a desejar ou talento ‘sacrificado’?
Carregar comentários