F1: Para Ferrari, aumentar confiança dos pilotos é chave fundamental para equipe progredir

Comportamento desestabilizado do SF-23 prejudica a performance de Leclerc e Sainz na visão de Vasseur

Charles Leclerc, Ferrari SF-23, Carlos Sainz, Ferrari SF-23

A Ferrari acredita que o aumento da confiança de Charles Leclerc e Carlos Sainz com o carro é fundamental para ajudar a diminuir a diferença da escuderia italiana em relação à Red Bull na temporada 2023 da Fórmula 1.

Leia também:

 O time de Maranello teve uma primeira metade de ano desafiadora, com seu carro lutando para apresentar desempenhos consistentes nas corridas, apesar de ser rápido na classificação. No entanto, ela obteve alguns bons ganhos com as atualizações recentes e sente que está começando a se aproximar da dominante Red Bull.

O chefe de equipe da Ferrari, Fred Vasseur, acha que o mais importante para dar o passa final na luta pelas vitórias na temporada é entregar um carro que dê mais confiança aos pilotos da escuderia, uma vez que ele acredita que os dois não estão conseguindo extrair todo o potencial do carro.

Refletindo sobre a fase inicial da temporada, Vasseur disse ao Motorsport.com que o tempo de volta está diminuindo porque o comportamento do carro não inspira confiança.

"Não se tratava apenas de uma questão de desempenho puro, porque algo aconteceu e afetou a confiança dos pilotos no carro", disse Vasseur.

"Quando você entra em uma curva e tem uma perda de carga aerodinâmica, isso também causa uma perda de equilíbrio. Portanto, você começa a sentir a subviragem. Acrescente o vento, de uma volta para a outra, que nunca é o mesmo e nunca tem a mesma intensidade, e as dificuldades se acumulam."

"Não temos estabilidade no desempenho. Então, volta após volta, perdemos um pouco da performance de nossos pilotos, porque eles nunca têm as mesmas condições e perdem a confiança no carro. Temos que tentar colocar os pilotos mais no centro de nossas prioridades. Não é a maneira mais fácil ou mesmo a mais rápida [de progredir], porque seria muito mais fácil adicionar downforce em todos os lugares."

Frederic Vasseur, Team Principal and General Manager, Scuderia Ferrari, in the team principals Press Conference

Frederic Vasseur, diretor de equipe e gerente geral da Scuderia Ferrari, na coletiva de imprensa dos diretores de equipe

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

"Mas acontece que, de um fim de semana para o outro, temos desempenhos muito diferentes. Temos boas sensações em um GP e, no próximo, temos um fim de semana ruim."

Nada de copiar táticas

Com a prioridade da Ferrari de aumentar a confiança dos pilotos, Vasseur diz que é mais importante que seus engenheiros se concentrem no carro da equipe do que em copiar projetos, como fizeram os rivais.

"Estamos trabalhando para tentar melhorar onde somos fracos, porque é a abordagem correta em comparação com tentar copiar outra pessoa", disse ele. A parte mais difícil do trabalho é entender exatamente onde estão os pontos fracos e corrigi-los."

"Desse ponto de vista, demos um bom passo à frente depois da Austrália e outro depois de Barcelona, mesmo que ainda haja alguns pontos fracos, especialmente em condições extremas."

"Às vezes, quando se introduz um novo pacote e se tem pouco tempo para testá-lo, é difícil entender se você usou a configuração errada. Talvez você estivesse esperando ganhar um décimo e meio e depois vê que perdeu um décimo porque não tinha a configuração correta."

"Portanto, quando você introduz uma atualização, é essencial entender como ela é explorada. Depois, há também um impacto relacionado às condições, porque ainda somos um pouco sensíveis ao vento, especialmente quando ele é muito forte, como em Silverstone, que chegou a 50 km/h".

Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Foto de: Erik Junius

Leclerc e Sainz disseram abertamente que é difícil pilotar o SF-23 no limite com rajadas de vento porque seu desempenho pode ser imprevisível. Explicando os problemas atuais, Vasseur disse que não é tão simples lidar com essa característica, pois ela está relacionada a condições muito específicas.

"O carro é muito sensível quando há um vento diagonal", disse Vasseur. "Estamos trabalhando para tentar melhorar nessa área, porque quando o vento está de frente não temos nenhum tipo de dificuldade."

Embora o GP da Inglaterra não tenha sido uma grande corrida para a equipe, Vasseur tem confiança de que o desempenho deste fim de semana na Hungria será melhor.

"Posso dizer que andamos melhor nas curvas lentas e nas curvas de 90 graus do que nas curvas mais longas", disse ele. "Pelo menos foi isso que vimos até agora. Podemos esperar uma pole position, mas acho que o fator principal pode ser o vento. Spa também pode ser uma pista que combina bem com as características do nosso carro."

Ricciardo de volta à F1 e de Vries demitido! Red Bull injusta? O que será de Pérez?

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast Motorsport.com debate impacto do 'ressurgimento' da McLaren na F1 2023

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 - Tsunoda: "Seria incrível" ter a chance de correr pela Red Bull
Próximo artigo Pérez abre jogo sobre dificuldade de latinos em chegar à F1

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil