F1: Quem manda? Entenda nova estrutura de comando da Mercedes

Daimler, Toto Wolff e Ineos possuem 33% das ações da equipe, mas ainda é a empresa alemã que detém o maior poder de decisão

F1: Quem manda? Entenda nova estrutura de comando da Mercedes
Carregar reprodutor de áudio

Após uma longa negociação, que durou durante o segundo semestre de 2020, a Mercedes anunciou no dia 18 de dezembro a entrada da gigante química Ineos.

A nova estrutura societária da equipe foi concluída após a venda pela fabricante alemã (Daimler) de 27% de suas ações (de 60 para 33%) e a redistribuição de 10% pertencente a Niki Lauda. Agora, Daimler-Mercedes, Wolff e Ineos possuem um terço das ações cada.

Leia também:

A operação Daimler-Mercedes parecia uma desvinculação parcial do programa de F1, segundo alguns, devido ao desinteresse do CEO, Ola Kallenius, pelo automobilismo.

Mas, na realidade, as coisas são muito diferentes. Pouco ou nada mudou nas rédeas da equipe, as decisões são tomadas nos gabinetes habituais com a única diferença de que, há um ano, Kallenius está sentado à mesa ao invés de Dieter Zetsche.

O nome do chassi ainda é Mercedes, já que é o nome da equipe que leva para a pista, então nada mudou em termos de participação da marca.

Apesar de ter agora menos ações, a fabricante permanece tendo um papel muito importante nas decisões estratégicas.

A reputação de uma empresa tão prestigiosa é exposta em troca do controle sobre as decisões estratégicas das quais a Daimler não quer abrir mão.

O caso da falta de anúncio da renovação de contrato de Lewis Hamilton é uma confirmação de como o papel da Daimler continua muito forte.

Os altos pedidos econômicos feitos por Hamilton não se encaixam bem em um momento em que toda a alta administração da Mercedes (mas especialmente da Daimler) aceitou um corte de salário e, portanto, uma negociação que está destinada a dar certo.

Quem acredita que Kallenius perdeu o poder na reorganização da equipe, vive enganado. Enquanto a concorrente se chamar Mercedes, a fabricante alemã manterá um poder de decisão considerável, nunca superado por uma aliança teórica Wolff-Ineos.

Soma-se a isso o controle total dos programas na sede de Brixworth, onde as unidades de potência da Mercedes são projetadas, construídas e operadas pela equipe oficial e clientes.

É então 100% propriedade da Daimler, que nunca foi objeto de negociações de transferência (embora parciais), confirmando a importância que a F1 continua a ter no topo do grupo alemão até hoje.

 

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

 

RED BULL dá passo importante para assumir controle de MOTORES da HONDA, mas ainda depende da FIA

PODCAST: Chico Serra esclarece rivalidade com Piquet, amizade com Senna e briga com Raul Boesel

 

compartilhar
comentários
Marko coloca futuro da Red Bull em dúvida na F1 sem congelamento de motores
Artigo anterior

Marko coloca futuro da Red Bull em dúvida na F1 sem congelamento de motores

Próximo artigo

F1: Insultos de Verstappen no GP de Portugal são usados em campanha

F1: Insultos de Verstappen no GP de Portugal são usados em campanha