Para Gil de Ferran, perfeição da F1 afugenta fãs

Ex-diretor esportivo da BAR-Honda, brasileiro que também fez grande carreira nos Estados Unidos como piloto, afirma que gostaria de ver uma Fórmula 1 com maior fator humano

Para Gil de Ferran, perfeição da F1 afugenta fãs
Gil de Ferran
Gil de Ferran
Gil de Ferran
Gil de Ferran, Kenny Brack
Gil de Ferran

Campeão duas vezes da Indy e uma vez das 500 Milhas de Indianápolis, Gil de Ferran, 47 anos, deu seu parecer sobre o que acontece hoje na maior categoria do automobilismo mundial.

Para ele, a Fórmula 1 acabou vítima de sua própria competência: "A F1 sempre será o topo do automobilismo mundial. Só que é tudo muito perfeito, parece que não há fator humano. Ao longo dos anos, muitos investimentos foram feitos, com tudo de melhor, a ponto de quase chegar à perfeição. O objetivo foi eliminar o erro, as dificuldades", declarou ao Auto Motor und Sport.

Entendendo que algo poderia ser feito, o brasileiro, que já foi dirigente da BAR-Honda, sugeriu o caminho de volta: "Qualquer passo para trás nesse sentido seria bom, na minha opinião. Infelizmente as pessoas não querem ver isso. Acredito que os pilotos da F1 de hoje trabalham duro para conseguir a 'corrida perfeita', mas isso é difícil para quem está vendo do outro lado. Talvez eu consiga enxergar as razões, justamente por ter sido piloto, mas é difícil para um espectador comum."

"Mesmo quando eu era piloto, todos sonhávamos com a corrida perfeita. Começar na pole, fazer uma boa largada, guiar sem erros, cuidar dos pneus, ter um bom ritmo e finalmente ganhar a prova."

Mesmo com grandes discussões sobre o assunto, incluindo pilotos de outras gerações avaliando o que acontece atualmente na categoria e com pesquisas com fãs acontecendo, de Ferran afirma que um pouco de independência na tomada de decisões não faria mal:

"Henry Ford disse uma vez que se tivesse perguntado às pessoas o que elas queriam, ele receberia como resposta 'cavalos mais rápidos'. Se Steve Jobs fizesse o mesmo, ninguém teria dito a ele que gostariam do smartphone."

E conclui: "O que quero dizer é que embora seja importante saber o que o fã da F1 quer, você tem que dar às pessoas aquilo que os donos do negócio decidem."

compartilhar
comentários
"Sauber vai melhorar com as atualizações", diz Ericsson
Artigo anterior

"Sauber vai melhorar com as atualizações", diz Ericsson

Próximo artigo

Haas quer uma equipe competitiva

Haas quer uma equipe competitiva
Carregar comentários