MotoGP: As solicitações de Márquez à Ducati após os testes

O piloto de testes da Ducati estava atento aos comentários de Marc Márquez durante seu primeiro teste com a Ducati e não ouviu nenhum pedido específico do campeão espanhol.

Marc Marquez, Gresini Racing

Marc Marquez, Gresini Racing

Gold and Goose / Motorsport Images

Michele Pirro teve um lugar na primeira fila para assistir à tão esperada estreia de Marc Márquez na Ducati na semana passada em Valência. Um fiel piloto de testes da marca italiana, Pirro esteve envolvido em todos os desenvolvimentos da Desmosedici desde que assumiu seu posto em 2013 e acompanhou seu progresso até o título conquistado por Pecco Bagnaia no ano passado e seu segundo nesta temporada da MotoGP

Leia também:

Quando Pirro viu um octacampeão mundial chegar na máquina que ele conhece como a palma da mão, ele não teve dúvidas: era "indiscutível" para ele que a dupla Márquez-Ducati funcionaria muito bem. E os tempos logo provaram isso, já que o espanhol, que havia deixado a Honda dois dias antes, imediatamente se estabeleceu como um dos homens mais rápidos na pista.

"O aspecto positivo é que Márquez confirmou - que são sempre os tempos que contam - que a Ducati é uma moto versátil. Mesmo para um piloto importante como Marc Márquez, as sensações foram positivas", disse Michele Pirro em uma entrevista à GPOne.

O italiano, que não foi para a pista naquele dia, entrou no box da Gresini para se aproximar de Márquez e ouvir seu tão esperado feedback. "Ele não falou muito, mas acho que o rosto dele e o fato de ter dado cerca de cinquenta voltas, sem correr grandes riscos, é a melhor resposta para o que você quer saber", sugere Pirro, maliciosamente, quando perguntado sobre os comentários do novato.

"Como piloto da Ducati e, acima de tudo, como piloto de testes, sabendo que tenho de transmitir informações e sensações aos técnicos, tive a preocupação de perguntar a ele o que poderia ser melhorado. E vamos apenas dizer que, no momento, a folha de papel permaneceu muito em branco", acrescenta.

"Há uma satisfação nisso, porque quando cheguei à Ducati, cabia a nós copiar os fabricantes japoneses, e hoje a situação se inverteu. Doze anos se passaram para chegarmos a essa condição."

Marc Márquez não pode falar publicamente sobre a Ducati até que seu contrato com a Honda termine em 31 de dezembro, mas as câmeras de televisão capturaram alguns de seus comentários nos boxes. Ele descreve a Desmosedici como menos física do que a Honda, mas também a necessidade de adaptar sua pilotagem para corresponder à sua fluidez e ser menos agressivo.

A moto que Marc Márquez pilotará é uma Ducati GP23, a última versão usada por Johann Zarco nesta temporada, que não incorpora algumas das atualizações recebidas por Pecco Bagnaia, Enea Bastianini e Jorge Martín, que foram consideradas potencialmente não confiáveis. A equipe de fábrica e os pilotos da Pramac Racing terão acesso a um modelo 2024, cujos primeiros testes encantaram o campeão que está de saída.

Motorsport Business #7 – SLAVIERO: TCR se tornou GRANDE SOLUÇÃO para FABRICANTES, EQUIPES e PILOTOS

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior MotoGP: Quartararo dá 'ultimato' para Yamaha; confira
Próximo artigo MotoGP: Marc Márquez é candidato à vaga na Ducati em 2025, e diretor entende "risco" com escolha; entenda

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil