Fórmula 1 GP do Canadá

F1: Ainda há esperança para Magnussen na Haas?

Dinamarquês precisa igualar as performances de Hulkenberg para tentar manter sua posição na equipe norte-americana

Kevin Magnussen, Haas

Kevin Magnussen esperava que a temporada de 2024 da Fórmula 1 fosse muito mais tolerante, depois que 2023 trouxe desafios que dificultaram a Haas de conseguir pontos no campeonato.

O VF-23 do ano passado foi um tanto peculiar, embora tenha mostrado grande velocidade durante a classificação sob o 'comando' de Nico Hulkenberg, os problemas de gerenciamento dos pneus foi uma grande 'pedra no calo' durante as corridas. Os pilotos afirmaram que, para chegar ao final com estratégias convencionais, tiveram que parar de competir com os carros ao redor da Haas e efetivamente depositar suas esperanças na sorte.

Leia também:

O carro deste ano tem uma perspectiva diferente, o que deu à equipe muito mais presença na luta por pequenos pontos. Mais uma vez, porém, foi Hulkenberg quem recebeu a maior parte dos elogios. O alemão não só encontrou um bom equilíbrio na classificação, como também conseguiu converter esse equilíbrio em pontos.

Magnussen, no entanto, teve dificuldades. O dinamarquês não conseguiu aproveitar a mesma veia de ritmo de classificação que Hulkenberg parece encontrar com muito mais facilidade e, portanto, suas corridas foram comprometidas.

Seus esforços defensivos foram dignos de elogios ou mancharam sua reputação, dependendo de quem você perguntar, mas é justo dizer que eles seriam muito menos necessários se seus resultados de classificação estivessem à altura.

Mesmo em comparação com os anos mais magros da Haas em 2019 e 2023, Magnussen avalia que o primeiro terço de 2024 foi o início de ano "mais frustrante" que ele já experimentou. Quando os carros estavam ruins, Magnussen podia contar com a possibilidade de se adaptar aos golpes, agora, mesmo com um maquinário competitivo, ele tem tido dificuldade para aproveitar o desempenho disponível.

"Esse foi provavelmente o início de ano mais frustrante que já tive, parece uma luta difícil o tempo todo. Não está funcionando. Espero que possamos dar a volta por cima. Temos um pacote forte. Então, temos que usá-lo."

Foto de: Erik Junius

Deixando de lado o acidente em Mônaco com Pérez, Magnussen também tem sido empregado como o 'protetor' de Hulkenberg mais do que gostaria. Ele aceitou esse papel, não com grande entusiasmo, mas mesmo assim não o fez com meias medidas.

Ajudar Hulkenberg a criar uma janela de pitstop em Jeddah carimbou sua eficácia nessa função. Além disso, ele superou o alemão duas vezes, especialmente nas corridas em que a Haas não parecia ter muita força em uma volta.

No entanto, ele também foi eliminado no Q1 quatro vezes e ainda não chegou à fase final nenhuma vez - algo que Hulkenberg conseguiu em quatro ocasiões em 2024. Magnussen se recusa a atribuir isso à sorte. Ele está ciente de que há algo dentro de si mesmo impedindo o progresso, algo para o qual ele busca uma resposta.

"Detesto dizer que tive azar, porque muitas vezes você tem algo a dizer e, mesmo que as coisas não estejam acontecendo do seu jeito e você sinta que não está tendo sorte, você tem isso como desculpa. Só temos que manter a cabeça fria e ser positivos em relação ao pacote forte que temos - e tentar fazer com que tudo dê certo."

Se a classificação é o principal problema, então vamos analisar as diferenças entre os dois pilotos da Haas. China e Miami são os dois exemplos mais evidentes, já que em ambos Hulkenberg apareceu no Q3 e Magnussen não conseguiu passar do Q1.

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Magnussen é menos consistente. Ele é melhor em manter mais velocidade nas curvas, mas o destemor o prejudica com muita frequência - e são erros isolados que custam tempo, em vez de uma total falta de ritmo. Talvez haja uma desconexão entre o piloto e o carro, ou talvez um esteja levando o outro muito além de seus limites.

A natureza não sentimental da F1 significa que, à medida que Magnussen sente a pressão para encontrar uma solução, mais pressão é colocada sobre ele, pois o mercado de pilotos aumenta de intensidade. Sabe-se que a Haas está considerando Esteban Ocon para uma vaga em 2025, enquanto Oliver Bearman provavelmente está interessado na outra vaga que será deixada por Hulkenberg no próximo ano.

Para afastar a ameaça de Ocon e demonstrar à Haas que continua sendo o piloto certo para a função, Magnussen precisa fazer uma grande descoberta. O melhor momento para isso: o GP do Canadá é a próxima melhor oportunidade. O problema é que ele só pontuou uma vez no Circuito Gilles Villeneuve: em 2014, quando terminou em nono lugar pela McLaren.

Magnussen, pelo menos, tem a continuidade a seu favor, algo que a Haas valorizou muito em seu período na F1. Se ele começar a se equiparar a Hulkenberg em suas aparições no Q3 e a bater consistentemente na porta do top 10, ao mesmo tempo em que gerencia sua pilotagem para garantir que não corra o risco de ser banido devido aos 10 pontos em sua licença, ele se colocará em uma posição muito melhor.

Não será fácil, mas será a diferença entre correr na F1 em 2025 e procurar outro lugar para continuar sua carreira de piloto.

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast Motorsport.com debate: Como demissão de Ocon impacta no mercado da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Cotado na Alpine para 2025, Doohan fará TL1 pela equipe no Canadá
Próximo artigo F1: Vencedor do GP do Canadá ganhará troféu criado por inteligência artificial

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil