F1: Wolff diz que W13 pode brigar na frente em 2022 após treinos em Miami

Chefe da Mercedes reafirmou a crença no conceito do carro de 2022 e que todos estão no caminho certo desta vez

F1: Wolff diz que W13 pode brigar na frente em 2022 após treinos em Miami
Carregar reprodutor de áudio

A Mercedes acredita que o fim de semana do GP de Miami ofereceu um vislumbre de que o conceito de 'zeropod' pode permitir que ela se junte à luta da frente da Fórmula 1 este ano.

O fabricante de automóveis alemão trouxe uma série de atualizações para o evento de Miami, incluindo uma placa final da asa dianteira revisada e um pacote de asa traseira de baixo downforce.

Leia também:

Esses ajustes ajudaram George Russell a liderar o segundo treino na sexta-feira, já que a equipe desfrutou de seu dia mais competitivo da temporada até agora.

Mas, apesar das escolhas de configuração da Mercedes para sábado, significando uma queda de rendimento, com Lewis Hamilton terminando em sexto no grid, o chefe da equipe, Toto Wolff, expressou algum otimismo sobre o progresso.

E tendo permanecido firme até agora em sua crença de que o conceito do W13 funcionaria quando a equipe chegasse ao topo, ele permaneceu firme que Miami provou que a equipe está certa em manter sua fé no carro.

Questionado em que ponto a Mercedes abandonaria a ideia e mudaria o foco para o próximo ano, Wolff disse: “Acreditamos que nosso conceito tem potencial para corrermos na frente. Mas também é um conceito sensível.

“Uma vez na janela, pode funcionar muito bem, mas é muito difícil colocá-lo nessa janela, porque o assoalho, obviamente, é muito mais exposto do que os outros carros.

“Ainda estamos acreditando nessa direção, que está certo, e teremos outro conjunto de dados [na corrida] e em Barcelona que serão bons para o trabalho de correlação do teste com nosso carro de lançamento.

“Aí vem o momento em que temos que decidir o que vamos fazer para o próximo ano. Mas não funciona dizer que você está dispensando uma temporada para se concentrar na próxima, porque são os mesmos regulamentos.

“Só acho que nosso entendimento cresce a cada dia, já dissemos que este é mais um final de semana experimental. Sexta foi bom, sábado não.”

George Russell, Mercedes W13

George Russell, Mercedes W13

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

A forma da equipe este ano foi limitada pelo potencial do W13. E embora tenha experimentado mais quiques que na sexta-feira, Wolff disse que a mudança de configuração que o desencadeou ajudou sua compreensão em termos do que liga e desliga o fenômeno.

“Na sexta-feira, tivemos um vislumbre do desempenho do carro se o colocarmos no lugar certo”, disse ele.

“O principal foi, mais uma vez, administrar o porpoising – e isso foi bom na sexta-feira. Então tentamos algo que não parecia uma grande mudança e afetou muito o carro e [nos colocou] para trás.

“No final da classificação, os pilotos sofreram novamente com os saltos nas zonas de frenagem e no que os pneus estão fazendo, com a consequência de terminarmos em sexto e 12º.

“O aprendizado é exponencialmente difícil no momento, mas esperávamos que fosse melhor.”

F1 AO VIVO: Merc LUTA por reação, RBR enfrenta PROBLEMAS do TL2 e Ferrari mantém favoritismo | Q4

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST - Russell surpreende e lidera em Miami; Verstappen com problemas e Sainz bate 

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

compartilhar
comentários
F1: Entrevista “perdida” sobre Gilles Villeneuve, morto há 40 anos, detalha relacionamento com companheiro e Enzo Ferrari
Artigo anterior

F1: Entrevista “perdida” sobre Gilles Villeneuve, morto há 40 anos, detalha relacionamento com companheiro e Enzo Ferrari

Próximo artigo

F1 - Ocon critica falta de proteção após batida "inaceitável" de 51G: "A FIA deveria prezar mais pela segurança"

F1 - Ocon critica falta de proteção após batida "inaceitável" de 51G: "A FIA deveria prezar mais pela segurança"