Fórmula 1
06 mai
Próximo evento em
59 dias
20 mai
Próximo evento em
73 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
87 dias
10 jun
Próximo evento em
94 dias
24 jun
Próximo evento em
108 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
115 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
129 dias
29 jul
Próximo evento em
143 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
171 dias
02 set
Próximo evento em
178 dias
09 set
Próximo evento em
185 dias
23 set
Próximo evento em
199 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
206 dias
07 out
Próximo evento em
213 dias
21 out
Próximo evento em
227 dias
28 out
Próximo evento em
234 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
270 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
279 dias

Vettel afirma que "falhou" com Ferrari ao não vencer Mundial

O tetracampeão fez uma extensa análise sobre os pontos altos e baixos que marcaram os seis anos de relacionamento com a equipe italiana

compartilhar
comentários
Vettel afirma que "falhou" com Ferrari ao não vencer Mundial

Na véspera de sua última corrida com a Ferrari na Fórmula 1, Sebastian Vettel admitiu que falhou com a equipe ao não atingir o objetivo determinado para si próprio: vencer novamente o Mundial de Pilotos.

Vettel assinou com a Ferrari a partir da temporada 2015 e foi vice-campeão em 2017 e 2018, perdendo o título para Lewis Hamilton. O alemão venceu 14 GPs com a equipe, colocando-o como o terceiro maior vencedor da Escuderia, atrás das 72 de Michael Schumacher e as 15 de Niki Lauda.

Leia também:

Apesar de apresentar estatísticas respeitáveis ao longo de seis temporadas com a Ferrari, em uma era dominada pela Mercedes, Vettel disse que isso não é suficiente, já que faltou o prêmio maior.

"Isso não muda nada. Falhei. Tínhamos a ambição e o objetivo de vencer o campeonato. E não fizemos, é uma reflexão honesta. Não acho que falar isso em voz alta muda muita coisa".

"Tínhamos a nossa frente uma combinação equipe / piloto muito forte, uma das mais fortes que já vimos. Mas nosso objetivo era ser mais forte que eles. E, nesse sentido, falhamos. Como disso, há razões para isso".

"Tivemos corridas boas e ruins, em alguns momentos ficamos próximos e em outros estávamos distantes. Há muitos motivos, mas no geral, não vejo isso como injusto, é apenas a verdade. Não há nada de errado em expressar isso".

Vettel minimizou o impacto da pressão de representar a Ferrari e cumprir as expectativas dos tifosi.

"Não sei se compro essa história da pressão. Acredito que a pressão é algo que você coloca em si próprio. Como eu disse, eu tinha uma missão clara e um objetivo de vencer. Obviamente eu tinha uma ligação emocional forte com a equipe, crescendo com as vitórias de Michael na TV. Então foi um momento especial quando assinei com a equipe".

"Mas a pressão, acho que sim, existe, da Itália, dos fãs e mais. No final, eu sempre coloco a expectativa mais alta possível para mim mesmo e sou meu maior crítico se não consigo atingi-los".

"Então fiquem tranquilos: quando eu bati com o carro na Alemanha [em 2018], eu estava brigando comigo mesmo antes dos tifosi".

"Sei que parece algo legal e acrescenta um certo drama a tudo. Mas definitivamente não vou apresentar desculpas aqui por não ter conquistado isso ou aquilo. Acho que, se você é ambicioso o suficiente para vencer e tem como objetivo vencer e ir bem, você é também o primeiro a perceber que não depende da pressão externa".

"Mas, tendo dito isso, cada um age de um modo. Para mim não foi uma única coisa que me segurava".

Sebastian Vettel, Ferrari SF71H, walks away from his car after crashing out from the lead

Sebastian Vettel, Ferrari SF71H, walks away from his car after crashing out from the lead

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Vettel insistiu que o incidente na Alemanha não foi um ponto determinante em seu relacionamento com a equipe.

"Não, acho que tive uma montanha russa com a equipe ao longo dos anos, muitas coisas aconteceram. Em termos do momento criado naquele ano, não ajudou. O erro foi pequeno, mas com um impacto enorme e uma penalização ainda maior".

"Mas definitivamente tivemos mais coisas acontecendo em 2018. Tivemos a morte do Sr. [Sergio] Marchionne, a mudança na liderança de Maurizio [Arrivabene] para Mattia [Binotto], então 2018 talvez tenha sido um ano decisivo para muitas coisas".

"Não sei se podemos reduzir tudo a apenas um episódio. Obviamente em 2016 perdemos James [Allison] por conta de conflitos pessoais do momento. E agora, olhando para o passado, dá para ver várias coisas que deveríamos ter conduzido melhor.

"Mas tudo acontece por um motivo. Acredito que o principal, de minha parte, é garantir que aprendi com isso, cresci com isso, em momentos como Hockenheim e momentos fora da pista".

"No geral, me sinto agora mais confortável e em uma situação melhor em comparação com os anos anteriores mas, certamente, naquele momento, as coisas não foram tão fáceis e óbvias".

Todas as notícias sobre o GP de Abu Dhabi de F1 você acompanha no Motorsport.com e em nosso canal no YouTube. Fique por dentro de todas as novidades e análises, além de conferir nossos programas e vídeos!

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Hamilton retorna e Mercedes passeia nos treinos de sexta em Abu Dhabi; veja debate sobre F1 e Stock

PODCAST: 'Show' de Russell pode gerar problema para Mercedes?

 

Wolff: Bottas tem "apoio incondicional" da Mercedes

Artigo anterior

Wolff: Bottas tem "apoio incondicional" da Mercedes

Próximo artigo

Q4: A grande pole de Verstappen no GP de Abu Dhabi com comentários de Lipe Paíga e Bruno Tarulli

Q4: A grande pole de Verstappen no GP de Abu Dhabi com comentários de Lipe Paíga e Bruno Tarulli
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Sebastian Vettel
Equipes Scuderia Ferrari
Autor Adam Cooper