Di Grassi vê F-E rivalizando com WEC: “está mais sério”

Após ser obrigado a sair do WEC depois do fim das atividades da Audi, brasileiro reconhece que é difícil conciliar os dois campeonatos

Di Grassi vê F-E rivalizando com WEC: “está mais sério”
Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport; Daniel Abt, ABT Schaeffler Audi Sport
Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport; Daniel Abt, ABT Schaeffler Audi Sport
Prof. Dr. Peter Gutzmer, Schaeffler with Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport
Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport
Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport
#8 Audi Sport Team Joest Audi R18: Lucas di Grassi, Loic Duval, Oliver Jarvis
#8 Audi Sport Team Joest Audi R18: Lucas di Grassi, Loic Duval, Oliver Jarvis
Lucas di Grassi, Audi Sport Team Joest
LMP1 Podium: race winners #8 Audi Sport Team Joest Audi R18: Lucas di Grassi, Loic Duval, Oliver Jarvis
Carregar reprodutor de áudio

O brasileiro Lucas di Grassi acredita que os pilotos terão de escolher a Fórmula E ou o WEC em um futuro próximo. As complicações começam neste ano, já que as 6 Horas de Nurburgring coincidem com a rodada dupla de Nova York da Fórmula E.

Di Grassi não terá mais este problema, já que a Audi se retirou do Endurance no fim de 2016.

Ele disse ao Motorsport.com: "Todo mundo quer ter uma formação de time completa (para a Fórmula E), e algumas equipes terão um grande problema - especialmente porque não é só uma corrida, são duas corridas.”

"Se alguns caras perderem a Fórmula E pelo WEC, essa é a escolha deles. Um carro de LMP1 pode correr com dois pilotos em uma corrida de seis horas. Fizemos isso neste ano em Nurburgring quando Benoit (Treluyer) se machucou.”

"Acho que depende de como vão estar os campeonatos. Se você não tiver nenhuma chance de título em um campeonato, mas tiver no outro, a decisão deve ser bastante fácil.”

"Mas eu não sei se os contratos dos pilotos farão com que eles priorizem um campeonato sobre o outro. Para os que dirigem para dois fabricantes diferentes, será muito mais duro.”

"No futuro, acho que eles terão que escolher um campeonato ou outro. A Fórmula E está se tornando cada vez mais séria, exigindo muito esforço e recursos. Isso inclui pilotos."

'Corridas especiais' ao lado da Fórmula E

Enquanto seu foco principal será na Fórmula E em 2017, Di Grassi diz que quer correr em alguns outros eventos esportivos chave ao longo da temporada, incluindo as 24 Horas de Le Mans.

"Tenho uma proposta para fazer as 24 Horas de Daytona,  gostaria de fazer as 24 Horas de Nurburgring e GT em Macau", revelou.

"Eu não quero fazer outro campeonato (completo) em paralelo, mas eu adoraria fazer algumas outras corridas especiais durante o ano. Então é isso que eu provavelmente vou acabar fazendo no futuro.”

"Se puder voltar a Le Mans com uma chance de vencer no geral, eu definitivamente iria. Já houve algumas conversas no paddock de algumas equipes fazerem um terceiro carro. Podem me convidar."

compartilhar
comentários
Para BMW, carros da F-E não precisam ser mais velozes
Artigo anterior

Para BMW, carros da F-E não precisam ser mais velozes

Próximo artigo

Após atentado, barreiras da F-E protegem mercados em Berlim

Após atentado, barreiras da F-E protegem mercados em Berlim
Carregar comentários