Wolff: abordagem conservadora da Ferrari na China nos ajudou

compartilhar
comentários
Wolff: abordagem conservadora da Ferrari na China nos ajudou
Por:

Para chefe da Mercedes, equipe alemã foi beneficiada por conservadorismo da Ferrari em relação à regulagem do motor italiano após problemas de confiabilidade

Podium: second place Sebastian Vettel, Ferrari
Kimi Raikkonen, Ferrari SF16-H
Kimi Raikkonen, Ferrari SF16-H and Jolyon Palmer, Renault Sport F1 Team RS16 battle for position
Kimi Raikkonen, Ferrari SF16-H
Kimi Raikkonen, Ferrari SF16-H
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 Team W07
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 Team W07
Sebastian Vettel, Ferrari SF16-H
Toto Wolff, Mercedes GP Executive Director and Frederic Vasseur, Renault Sport F1 Team Racing Director

Apesar de a Ferrari ter vivido um GP da China atribulado logo na largada, com o toque envolvendo os dois pilotos do time - que acabou com qualquer chance de Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen desafiarem Nico Rosberg pela vitória em Xangai - a Mercedes não se coloca acima do time italiano.

Para Toto Wolff, chefe do time alemão, a Ferrari não exibiu todo o potencial na China por ter sido cautelosa após enfrentar problemas de confiabilidade nas duas primeiras etapas da temporada 2016.

“O que vimos da Ferrari é que eles foram conservadores com o motor no último final de semana, mais conservadora do que no Bahrein. Mas é questão de tempo até que eles retomem a força total no que se refere ao rendimento do motor. Nós os vemos como fortes adversários e uma ameaça a nós", disse.

Sem favoritismo

Embora a Mercedes tenha conquistado todas as poles e vitórias nas três corridas realizadas até o momento, Wolff está ciente de que, em uma temporada longa como a deste ano, a situação pode mudar drasticamente. Questionado se a equipe é novamente franca favorita ao título, o dirigente preferiu não cravar uma superioridade do time alemão.

"Não acho que somos favoritos. Mesmo se você tentar buscar elementos científicos e a probabilidade para provar um ponto, é melhor não fazê-lo. Foram apenas três de 21 corridas, há muito pela frente. Você não pode falar em favoritismo agora", afirmou.

Wolff, por fim, não crê que a situação esteja resolvida nem mesmo na briga interna da equipe. Para o chefe do time alemão, a batalha entre Rosberg e Lewis Hamilton está longe de uma definição e o britânico possui plenas condições de brigar pelo título.

“Nesta altura da temporada, o importante é conquistar pontos sem olhar para o campeonato. A diferença entre eles é significativa, mas ainda estamos no começo do ano. Faltam 18 etapas e Hamilton é muito forte mentalmente. Não tenho dúvida de que, no fim, será uma batalha acirrada", completou.

Raikkonen acredita que Ferrari ainda pode brigar pelo título

Artigo anterior

Raikkonen acredita que Ferrari ainda pode brigar pelo título

Próximo artigo

Bernie diz que mulheres na F1 não devem ser levadas a sério

Bernie diz que mulheres na F1 não devem ser levadas a sério
Carregar comentários