F1: Em busca de recuperação no campeonato, Bottas lidera primeiro treino livre para o GP da Itália

Categoria chega a um dos templos do automobilismo mundial após um GP da Bélgica muito criticado

F1: Em busca de recuperação no campeonato, Bottas lidera primeiro treino livre para o GP da Itália

Depois de um GP da Bélgica muito criticado, dentro e fora do paddock, a Fórmula 1 segue com sua terceira rodada tripla da temporada 2020. Nesta sexta, iniciaram-se as atividades de pista do GP da Itália, em Monza, um dos templos do esporte a motor mundial. E em uma sessão com pouco movimento e marcada por uma bandeira vermelha causada por Max Verstappen, a ponta ficou com Valtteri Bottas, em mais uma dobradinha da Mercedes.

Depois de muita espera, finalmente chegou o momento da proibição do "modo festa". A partir deste GP, as equipes não poderão contar com os diferentes modos de potência do motor, ou, como é mais conhecido, aquela potência extra usada no treino classificatório. Todas terão que usar um único modo ao longo do final de semana.

Leia também:

Apesar da medida da FIA ser vista como uma forma de frear o domínio da Mercedes, a medida pode ter um resultado totalmente diferente. Segundo Toto Wolff, a economia do motor na classificação pode ser convertida em uma performance mais agressiva nas corridas. George Russell, da Williams, acredita que as equipes clientes da montadora alemã devem sofrer mais com a medida. Já Hamilton questionou os motivos para a mudança.

Correndo em casa, a Ferrari chega para a sequência de duas provas na Itália mais pressionada do que nunca. Após a péssima performance no GP da Bélgica, Mattia Binotto assumiu a culpa pela crise que a equipe vem enfrentando, mas deixou claro que toda a equipe tem responsabilidade.

Ex-presidente da montadora na era Schumacher, Luca di Montezemolo não poupou críticas à atual direção da Scuderia, e apontou os principais erros que levaram à essa crise. Entre eles, a falta de pessoas competentes e com experiência, o fato de terem deixado James Allison sair da Ferrari, para se juntar à Mercedes e como eles subestimam a complexidade dos motores híbridos.

Sebastian Vettel, que chega para suas últimas corridas em solo italiano como piloto da Ferrari, lamentou que os tifosi não estarão presentes em Monza, mas disse que isso pode ajudar a tornar o fim de semana menos difícil.

Se a Ferrari chega a Monza pressionada, a Renault chega com mais ânimo do que nunca. Em Spa, a equipe francesa teve uma ótima performance, terminando em quarto e quinto. Para o GP da Itália, a expectativa dos pilotos é ainda maior. Daniel Ricciardo acredita que o pódio é possível, enquanto Esteban Ocon colocou a Renault na luta pelo terceiro lugar nos Construtores.

Mas o grande assunto do final de semana até aqui é o anúncio de que Claire Williams não será mais chefe da equipe após o GP da Itália. O fato marca o afastamento definitivo da família Williams das operações da F1.

O anúncio veio duas semanas após a confirmação da venda da Williams para a Dorilton Capital, grupo de investimentos norte-americano. Os novos donos da equipe ainda anunciaram quem será o novo chefe, mas divulgaram adições à diretoria, incluindo um concunhado do Príncipe William.

E enquanto Mugello, Sochi e Turquia anunciaram a realização da corrida com a presença de público, apesar de uma capacidade limitada, o GP da Itália saiu na frente e será o primeiro com fãs. A Ferrari anunciou nesta semana que convidou 250 médicos e enfermeiros que atuaram na linha de frente do combate à Covid como forma de agradecimento.

O primeiro treino livre começou devagar, com os pilotos saindo apenas para voltas de instalação em um primeiro momento. A primeira volta rápida foi marcada com 20 minutos de sessão. Alex Albon fez 01min24s088. 

Depois que o piloto da Red Bull deixou seu tempo, diversos outros pilotos também começaram a acelerar. Com 30 minutos de sessão, Albon seguia na ponta, mas reduzindo seu tempo para 01min22s280. Completando as primeiras posições, Verstappen, Bottas, Ocon, Leclerc, Stroll, Hamilton, Pérez, Kvyat e Ricciardo.

O hexacampeão assumiu a ponta pouco depois, com um tempo em 01min21s676. Mas Bottas não ficou muito atrás e logo em seguida cravou 01min21s657, 0s3 a frente de Verstappen. 

O próprio holandês causou uma bandeira vermelha da sessão, com 52 minutos para o fim. Verstappen perdeu o controle de sua Red Bull na saída da Variante Ascari e acabou indo parar na brita e no muro. Não foi a mais forte das batidas, mas foi suficiente para acabar com sua asa dianteira.

 

A sessão foi reiniciada cerca de quatro minutos depois, mas levou mais algum tempo antes que os carros saíssem novamente dos boxes, quase 15 minutos.

Com meia hora para o fim do TL1, Bottas seguia na ponta, com 01min20s703, 0s245 a frente de Hamilton. Em terceiro Albon, a quase oito décimos do tempo do finlandês. Completavam o Top 10, Kvyat, Verstappen, Gasly, Pérez, Ricciardo, Sainz e Leclerc.

A sessão ainda teve uma bandeira amarela momentânea nos minutos finais quando Pierre Gasly foi parar na brita. Mas o francês conseguiu fazer sua AlphaTauri funcionar novamente, sem nenhuma avaria.

No final, o tempo de Bottas não foi desafiado pelo resto da sessão e o finlandês abre o fim de semana do GP da Itália na frente, com Hamilton e Albon completando o Top 3, todos de macios. Em quarto, Kvyat marcou seu tempo de composto médio e, fechando o Top 5, Max Verstappen, que ficou a 0s938 do tempo de Bottas também de pneu macio.

A Fórmula 1 volta à pista nesta sexta-feira com o segundo treino livre para o GP da Itália, marcado para as 10h, com transmissão pelo SporTV. E já deixe anotado aí: assim que acabar o TL2, tem o Sexta-Livre ao vivo no canal do Motorsport.com no YouTube. Nossa equipe vai comentar os principais acontecimentos da sexta da F1 em Monza e as notícias do dia do mundo do esporte a motor. Não perca!

Cla # Piloto Equipe Motor Voltas Tempo Dif
1 77 Finland Valtteri Bottas Mercedes Mercedes 28 1'20.703  
2 44 United Kingdom Lewis Hamilton Mercedes Mercedes 27 1'20.948 0.245
3 23 Thailand Alex Albon Red Bull Honda 30 1'21.500 0.797
4 26 Russian Federation Daniil Kvyat AlphaTauri Honda 31 1'21.555 0.852
5 33 Netherlands Max Verstappen Red Bull Honda 22 1'21.641 0.938
6 10 France Pierre Gasly AlphaTauri Honda 27 1'21.667 0.964
7 11 Mexico Sergio Perez Racing Point Mercedes 25 1'21.747 1.044
8 4 United Kingdom Lando Norris McLaren Renault 29 1'21.747 1.044
9 3 Australia Daniel Ricciardo Renault Renault 22 1'21.789 1.086
10 55 Spain Carlos Sainz Jr. McLaren Renault 27 1'21.821 1.118
11 16 Monaco Charles Leclerc Ferrari Ferrari 25 1'21.904 1.201
12 31 France Esteban Ocon Renault Renault 28 1'21.984 1.281
13 18 Canada Lance Stroll Racing Point Mercedes 21 1'22.131 1.428
14 8 France Romain Grosjean Haas Ferrari 20 1'22.409 1.706
15 20 Denmark Kevin Magnussen Haas Ferrari 19 1'22.422 1.719
16 99 Italy Antonio Giovinazzi Alfa Romeo Ferrari 24 1'22.552 1.849
17 7 Finland Kimi Raikkonen Alfa Romeo Ferrari 27 1'22.619 1.916
18 40 Israel Roy Nissany Williams Mercedes 25 1'22.826 2.123
19 5 Germany Sebastian Vettel Ferrari Ferrari 24 1'22.988 2.285
20 6 Canada Nicholas Latifi Williams Mercedes 22 1'23.120 2.417

DIRETO DO PADDOCK: Claire Williams deixa equipe, Vettel põe F1 em xeque e Senna terá série na Netflix

PODCAST: O que será da F1 no Brasil em 2021, sem Globo, pilotos e corrida?

 

compartilhar
comentários
F1: FIA alerta equipes sobre limites de pista na curva Parabolica em Monza

Artigo anterior

F1: FIA alerta equipes sobre limites de pista na curva Parabolica em Monza

Próximo artigo

Reestruturação do Grupo Renault pode levar a mudança no nome da equipe de F1; entenda

Reestruturação do Grupo Renault pode levar a mudança no nome da equipe de F1; entenda
Carregar comentários