ANÁLISE: Por que a Aston Martin pode ser uma decisão inteligente para Vettel

compartilhar
comentários
ANÁLISE: Por que a Aston Martin pode ser uma decisão inteligente para Vettel
Por:

Jonathan Noble explica como a velocidade na F1 não fica restrita só na pista, com grandes mudanças de cenários acontecendo em poucos dias

Dizem que uma semana na política é muito tempo, mas na Fórmula 1 pode ser uma eternidade, na medida em que pode mudar completamente o cenário da categoria.

As percepções mudam muito rapidamente no esporte, e talvez a maior mudança do GP da Áustria para o GP da Estíria no fim de semana passado tenha sido a realidade de quão rápida a Racing Point pode ser.

Leia também:

A Red Bull admitiu que todas as equipes agora devem estar 'preocupadas', a Renault apresentou seu protesto e a própria equipe de Silverstone alertou para que coisas ainda melhores podem vir.

Mas o impacto desse desempenho pode se estender ainda mais, potencialmente sendo o catalisador do talvez maior choque do mercado de pilotos da F1 em 2020: Sebastian Vettel na Aston Martin.

Onde antes essa perspectiva parecia extremamente fantasiosa, com Vettel claro sobre as qualidades que desejava de qualquer equipe que consideraria se juntar, agora, de repente, faz muito sentido.

De fato, o que é fundamental aqui é que este não é a Racing Point tentando convencer Vettel sobre o quão bom seu carro pode ser nos próximos anos.

Em vez disso, a maneira como as regras da F1 foram afetadas pela pandemia de coronavírus significa que ela já pode mostrar como será o carro do próximo ano.

Com mudanças mínimas permitidas para o desenvolvimento até 2021, as chances de haver uma enorme mudança na ordem nos próximos 18 meses são bastante remotas. O que é rápido agora ainda deve ser rápido no próximo ano.

Além disso, a revisão para 2022 - com o limite de orçamento mordendo as principais equipes enquanto eles planejam reduzir os gastos - poderá ser uma distração para os carros de elite, e permitir que algumas das equipas niveladas do meio de grid tenham a chance de progredir.

Falando na semana passada sobre seu processo de raciocínio sobre um possível acordo com a Racing Point, Vettel certamente estava deixando a porta aberta: "Ainda não sei o que vai acontecer. A corrida agora é extremamente importante para mim e, em seguida, veremos nas próximas semanas, meses o que está acontecendo, que oportunidades podem haver etc.”

“Independente disso, acho que a Racing Point causou uma impressão muito forte e certamente está em um bom lugar para este ano.”

“Conheço parte da equipe, conheço alguns membros muito bem do meu passado e há muito tempo. É obviamente uma boa oportunidade para eles este ano terem um bom carro para lutar e tentar melhorar a partir daí.”

O humor de Vettel em suas declarações públicas nas últimas semanas foi esclarecer que a decisão de não estender seu contrato com a Ferrari não tinha nada a ver com ele não querer continuar.

Seus comentários enfatizando que foi a Ferrari quem unilateralmente o desligou era sobre se posicionar como alguém com fome de continuar correndo.

Se ele se resignasse com tudo isso, infeliz com a F1 e cansado das viagens e do compromisso, provavelmente teria mantido as coisas em silêncio e aceitado um ano de folga.

O fato de ele ter deixado claro sua infelicidade por tudo isso foi uma mensagem clara de sua motivação e o quanto ele deseja continuar.

Vettel foi enfático antes da primeira corrida da Áustria nesse ponto, e que o "pacote certo" para ele o convenceria a ficar.

"Acho que tenho uma natureza muito competitiva", disse ele. “Consegui muito no esporte e estou motivado e disposto a conseguir mais. Para fazer isso, acho que preciso do pacote certo e das pessoas certas ao meu redor. Então é isso que estou procurando no momento.

“Se a oportunidade certa surgir, acho que está bem claro. Se não for esse o caso, provavelmente tenho que procurar outra coisa.

Aston Martin poderia ser o pacote certo?

O carro em si certamente parece rápido o suficiente, mais rápido do que a Ferrari atual no momento.

No entanto, é inevitável que Vettel esteja de olho no resultado do protesto da Renault - pois se a FIA decidir que a equipe quebrou as regras de cópia dos dutos de freio da Mercedes, isso poderá ter implicações mais amplas para o resto do carro.

Outro fator importante é o seu motor, com uma mudança para a equipe com a chance de Vettel entrar na família Mercedes.

Claro, a conexão não será tão forte como se ele corresse para a equipe oficial, mas os laços estão lá e o coloca a ser considerado para a equipe campeã mundial se Bottas ou Lewis Hamilton partirem.

O ambicioso plano para o futuro da Aston Martin, com Lawrence Stroll claramente dando duro no projeto, também é o que poderia dar a Vettel a plataforma de que ele precisa: liderar o empreendimento de uma empresa automobilística e ter ao seu redor uma equipe feliz em se concentrar em ele. Eles podem construir algo juntos.

Vettel nunca foi tão forte como quando se sentiu amado e apreciado e na Aston Martin, ele pôde redescobrir esse sentimento que tinha nos primeiros dias da Red Bull e da Ferrari.

Talvez o mais intrigante sobre todo o cenário seja o processo dos pensamentos da Racing Point em termos de quem eles deixariam de lado se Vettel decidisse querer participar.

O candidato mais óbvio é Sergio Pérez, que tem uma cláusula de quebra no contrato que permitiria que a Racing Point ficasse com Vettel.

Isso pode parecer bastante duro, considerando o quão leal Pérez tem sido com o time, e o papel que ele desempenhou para ajudar a mantê-lo vivo em 2018, quando a Force India estava perto do colapso. Mas a F1 pode ser um jogo cruel às vezes.

Não vamos esquecer também o grande apoio de patrocínio que Pérez traz consigo: algo que não será tão fácil de substituir.

Mas igualmente a direção da Racing Point deve estar ciente de que uma formação de Vettel e Pérez é uma combinação mais forte do que Vettel e Stroll; e uma que poderia ser a diferença entre lutar pelos três primeiros lugares no mundial de construtores e terminar entre os cinco primeiros.

A bola agora está muito na quadra de Vettel, com uma decisão efetivamente necessária antes da F1 se reunir novamente em Silverstone para o GP da Grã-Bretanha.

E onde, há apenas uma semana, assinar com a Racing Point parecia ser a aposta furada, agora poderá ser uma das mudanças mais inteligentes que já fez.

TELEMETRIA: O que muda na F1 no GP da Hungria e os rumores de Vettel na Racing Point

PODCAST: Guerra de bastidores na F1 e entrevista com Igor Fraga

 

Ida de Vettel para Racing Point pode ser ponte para Mercedes em 2022; entenda

Artigo anterior

Ida de Vettel para Racing Point pode ser ponte para Mercedes em 2022; entenda

Próximo artigo

F1: Após excesso de infrações na Áustria, FIA endurece normas sobre limite de pista para GP da Hungria

F1: Após excesso de infrações na Áustria, FIA endurece normas sobre limite de pista para GP da Hungria
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Sebastian Vettel
Equipes Racing Point
Autor Jonathan Noble